Reunião do Conselho de Segurança da ONU termina sem acordo sobre Irã

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Países-membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas se reuniram, neste domingo (14/4), para discutir a crise no Oriente Médio após a operação do Irã que lançou drones contra o território de Israel. O encontro, no entanto, foi marcado por troca de farpas e acabou sem um acordo ou declaração conjunta sobre a ofensiva iraniana.

O secretário das Nações Unidas, António Guterres, iniciou a reunião alertando para um risco de “conflito total” na região e frisou que é hora de desarmar e diminuir a escalada da tensão.

No entanto, o clima na reunião foi de acirramento, com representantes dos países trocando acusações e ameaças. Em sua fala, o embaixador de Israel na ONU, Gilad Erdan, comparou os aiatolás, líderes iranianos, ao regime nazista.

“O regime dos aiatolás é um plano muito claro. O seu objetivo tem sido a continuidade da dominação global pra levar a revolução xiita mundo afora”, argumentou o embaixador. “Como o regime nazista, o regime dos aiatolás espalha a morte e a destruição onde passa”, reforçou Erdan.

Os Estados Unidos, aliados de Tel Aviv, pediram a responsabilização do Irã pelo ataque. “A ação do Irã não pode ficar sem respostas”, disse Robert Wood, embaixador americano na ONU. Ele também acusou o país de financiar grupos terroristas no Iêmen e de fornecer material militar para a Rússia.

Direito de defesa O Irã, por sua vez, defendeu que o ataque direcionado a Israel foi “necessário e proporcional”. O embaixador Saied Iravani também cobrou uma posição do Conselho de Segurança em relação ao ataque à representação diplomática do país na Síria, em 1º de abril. E afirmou que os Estados Unidos têm protegido Israel de ser responsabilizado pelo que chamou de “massacre” na Faixa de Gaza.

“Por que proteger Israel enquanto eles atacam as nossas instalações diplomáticas e justificam esse genocídio contra os palestinos indefesos sob o pretexto da autodefesa?”, questionou o representante do Irã na ONU.

Já os representantes da Rússia e China evitaram condenar a operação iraniana. O embaixador russo Vassili Nebenzia criticou o Conselho de Segurança por barrar uma manifestação contra o bombardeio à embaixada do Irã na Síria. “Hoje, o que vemos aqui é uma disposição de hipocrisia”, lamentou.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Empresa pede apreensão em imóvel de ministro por dívida de campanha

O ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, foi alvo no mês passado de um pedido à Justiça para que o apartamento da Câmara que ele ocupa tivesse bens apreendidos para pagar uma dívida da campanha de 2014. Ainda não há decisão sobre o caso, que tramita no Tribunal de Justiça de São Paulo.

Mulher é encontrada morta após provocar e levar soco de torcedor do Bahia

O corpo de Sione Matos dos Santos, de 46 anos, foi encontrado dentro de casa, na noite desta segunda-feira (27), na localidade do Bairro da Paz, em Salvador. Informações preliminares apontam que ela teria sido agredida em um bar na noite de domingo (26), após brincar com um homem sobre a eliminação do Bahia na

Doações a ONG teriam sido usadas em campanha defendida por Dallagnol

Em conversas que integram os documentos da Operação Spoofing, obtidas por meio de um ataque hacker, Bruno Brandão, diretor da organização não governamental (ONG) Transparência Internacional (TI) Brasil, de combate à corrupção, trocou mensagens com o ex-procurador Deltan Dallagnol (foto em destaque), em 2017, sobre uma possível doação à instituição que teria parte revertida em prol