Saiba as diferenças entre os fenômenos climáticos El Niño e La Niña

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Após sofrer com as consequências extremas do El Niño em 2023 e nos primeiros meses de 2024, com ondas de calor, seca e inundação, o brasileiro agora se prepara para a chegada da La Niña. Enquanto o primeiro fenômeno climático se aproxima do fim e da condição neutra, o segundo deve trazer chuva acima da média nas regiões Norte e Nordeste e aumento dos riscos de seca ou estiagem, principalmente durante a primavera e o verão, na Região Sul e parte do Centro-Oeste e Sudeste.

Essas diferenças ficam em evidência por causa dos extremos de cada evento. O El Niño, por exemplo, se caracteriza pelo aquecimento anormal das águas do Oceano Pacífico, mais especificamente na Linha do Equador. De acordo com o Centro de Previsão Climática da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla em inglês), dos Estados Unidos, o fenômeno climático teve início em junho do ano passado.

Uma das principais consequências do El Niño apareceu detalhado em relatório do observatório europeu Copernicus. Segundo o levantamento, 2023 foi o ano mais quente já registrado, impulsionado pelo fenômeno climático.

O El Niño traz consequências para diversas partes do mundo. No Brasil, gera alta nas temperaturas no Centro-Oeste, seca extrema no Norte e Nordeste, além de chuvas intensas no Sul.

O Amazonas registrou a pior estiagem da história. Segundo a Defesa Civil do estado, os 62 municípios amazonenses acabaram afetados pela falta de chuvas. No outro extremo do país, o Rio Grande do Sul sofreu com a passagem de ciclones extratropicais pelo litoral. O fenômeno meteorológico causou estragos por onde se movimentou, desde inundações e quedas de árvores a perdas humanas, com a morte de dezenas de pessoas.

La Niña Enquanto isso, a La Niña deve começar por volta do segundo semestre de 2024. Diferentemente do El Niño, ela provoca o resfriamento do Oceano Pacífico e causa eventos climáticos inversos no Brasil.

No Brasil, a La Niña é definida pelo aumento das chuvas nas regiões Norte e Nordeste e da seca no Sul. Já o Centro-Oeste é afetado com queda nas temperaturas.

Em Brasília, a La Niña provocou uma queda inédita nas temperaturas em 2022. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), os termômetros marcaram 1,4ºC na estação meteorológica do Gama, em 19 de maio daquele ano.

Simultaneamente ao que acontece com o fenômeno El Niño, em algumas áreas do Pacífico Equatorial, como a costa oeste da América do Sul, as temperaturas já se apresentam mais frias que o normal.

A persistência e a expansão destas áreas mais frias em direção à parte central do oceano são condições favoráveis para formação do fenômeno La Niña, previsto para o segundo semestre do ano, conforme o Inmet.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

SSP promove 2º Nivelamento Interfederativo para Guarda Municipais

A Secretaria de Segurança Pública iniciou, nesta segunda-feira (20), o 2º Nivelamento Interfederativo para Guarda Municipais. A solenidade foi realizada no Auditório Cap PM Grec, prédio administrativo da pasta, no Centro Administrativo da Bahia (CAB).  A capacitação tem foco no aprendizado e na troca de experiências entre Guardas Municipais e as Forças da Segurança Pública.

“Deixa os melancias se virar”: no STF, PM explica frase sobre Exército

A Procuradoria-Geral da República (PGR) questionou, nessa segunda-feira (20/5), quatro dos sete policiais militares do Distrito Federal denunciados por supostas omissões relacionadas aos atos antidemocráticos de 8 de janeiro de 2023. O grupo, que já é réu, presta depoimento no Supremo Tribunal Federal (STF) de forma virtual. Na oitiva do coronel Marcelo Casimiro, então titular

Alice Portugal e Lídice da Mata se reúnem com Bruno Reis para debater futuro do Centro de Referência de Atenção à Mulher

Uma reunião entre o prefeito de Salvador, Bruno Reis (União), e as deputadas federais Alice Portugal (PCdoB) e Lídice da Mata (PSB) ocorreu na manhã desta segunda-feira (20) para tratar do futuro do Centro de Referência de Atenção à Mulher Loreta Valadares, localizado nos Barris - que corre risco de fechamento -, e de outras