‘Sistema de saúde em Gaza foi completamente destruído, e o direito à saúde foi dizimado’, diz ONU

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos


hospital al shifa

“O sistema de saúde em Gaza foi completamente destruído, e o direito à saúde foi dizimado em todos os níveis”, acrescentou, informou, nesta segunda-feira (22), uma especialista da ONU (Organização das Nações Unidas), acrescentando que o conflito no enclave palestino é uma guerra contra o “direito à saúde”. “Esta tem sido uma guerra contra o direito à saúde desde o início”, disse Tlaleng Mofokeng, uma especialista independente nomeada pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU, mas que não fala em nome das Nações Unidas. Os hospitais de Gaza têm sido atacados repetidamente. Israel acusa o Hamas de usá-los como centros de comando e para manter reféns sequestrados em 7 de outubro, alegações que os milicianos negam.

Poucos dias após o início da ofensiva, que começou com o ataque do Hamas a Israel em 7 de outubro, “a infraestrutura médica foi irreparavelmente danificada”, disse a relatora especial da ONU, Tlaleng Mofokeng, em Genebra. Os profissionais de saúde estão trabalhando há meses em condições terríveis, sob bombas e com acesso muito limitado a suprimentos médicos, disse ela. A guerra começou com o ataque do Hamas, o mais sangrento desde a criação do estado de Israel em 1948, que matou cerca de 1.200 pessoas, a maioria civis. As operações aéreas e terrestres do Exército israelense em Gaza deixaram mais de 34.151 pessoas mortas, a maioria mulheres e crianças, de acordo com último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde do território.

A especialista disse que não recebeu nenhuma resposta de Israel às preocupações que levantou sobre a situação e que não pôde visitar o território palestino nem Israel. Mas ela afirmou que estava claro que Israel estava “matando e causando danos irreparáveis aos civis palestinos com seus bombardeios”. “Eles também estão impondo intencionalmente a fome, a desnutrição prolongada e a desidratação”, acrescentou, acusando Israel de “genocídio”. A situação atual em Gaza, segundo ela, “é totalmente incompatível com o direito à saúde”.

*Com informações da AFP

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Jovem é surpreendida em praia ao ver casa flutuando no mar

Uma jovem foi surpreendida por uma situação pouco habitual durante uma simples ida à praia, na Florida, nos Estados Unidos.  Sky estava na praia tomando sol quando foi surpreendida por algo que atravessava o mar. "Alguma vez já aconteceu com vocês de estarem tomando sol e verem uma casa flutuante, tipo uma casa no mar?"

Putin descarta tomar 2ª maior cidade da Ucrânia agora

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse nesta sexta (17) que suas forças querem estabelecer uma zona tampão no norte da região ucraniana de Kharkiv para proteger a população do sul de seu país, e não tomar "neste momento" a capital regional homônima, segunda maior cidade ucraniana. A frase, de

Exército israelense anuncia que corpos de três reféns foram recuperados em Gaza

O Exército israelense anunciou nesta sexta-feira (17), que suas tropas recuperaram os corpos de três reféns na devastada Faixa de Gaza, e que teriam sido “assassinados” pelos seus sequestradores. Os três reféns que foram sequestrados estavam em uma festa rave, que acontecia no dia dos ataques terroristas do Hamas, em 7 de outubro. “Na noite