Embaixador de Israel tritura carta da ONU em protesto a possível reconhecimento da Palestina como Estado-membro

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: < 1 minuto


embaixador de israel na onu

O embaixador de Israel na ONU (Organização das Nações Unidas), Gilad Erdan, usou uma trituradora para destruir, nesta sexta-feira (10) uma cópia da carta da ONU, de 1945, que defende os direitos humanos e a manutenção da paz. A ação foi feita durante uma votação de uma resolução na Assembleia Geral que aprovou o pedido de reconhecimento da Palestina como um Estado-membro. “Vocês estão triturando a Carta das Nações Unidas com as suas próprias mãos, vocês deveriam se envergonhar”, disse Erdan, que disse que essa decisão é um gesto que beneficia o Hamas, a qual ele comparou com Hitler. A ONU aprovou nesta sexta, com apoio do Brasil, o reconhecimento da Palestina. A adesão agora depende do Conselho de Segurança, uma proposta que os Estados Unidos vetaram no mês passado. Foram 143 votos a favor e 9 contrário, sendo eles EUA, Israel, Argentina, Hungria, Nauru, Palau, Micronésia, República Tcheca e Papua Nova Guiné.

 

 

 

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Mulher queima roupas do ex-marido após descobrir relação com melhor amiga

Uma mulher de 50 anos fez uma fogueira com roupas do ex-marido, após ter descoberto que o homem mantinha uma relação extraconjugal com a sua melhor amiga - e antiga cunhada. Rhian Templeton ateou fogo a uma montanha de ternos, camisas, casacos e calças pertencentes ao seu ex-marido, que estavam na garagem da casa onde

De Lula 1 a Lula 3, Brasil busca cavar espaço global em tensão com os EUA

FERNANDA PERRINWASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - A maior projeção global buscada pelo Brasil desde os anos 2000 tem provocado com frequência tensões com o governo dos Estados Unidos, numa fase em que a hegemonia alcançada nos anos 1990 começa a ser questionada por seguidas crises econômicas e geopolíticas. Do lado brasileiro, a explicação predominante para esses

Lucy Letby não pode recorrer da condenação por assassinato de sete bebês

A enfermeira Lucy Letby, que assassinou sete bebês e tentou matar outros seis enquanto trabalhava na unidade neonatal do Hospital Countess of Chester, entre junho de 2015 e junho de 2016, no Reino Unido, viu a autorização para recorrer da sua condenação ser negada. A mulher - que foi condenada a 14 penas de prisão