Serra do Curral: mineração pode prejudicar água e ar que chegam a BH

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 3 minutos

A ação ajuizada pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) nesta terça-feira (3/5) para suspender a licença dada pelo governo estadual a um empreendimento minerário na Serra do Curral lista impactos que a exploração da área pode acarretar aos moradores da capital mineira.

Em 31 páginas, a Procuradoria-Geral do Município cita, por exemplo, riscos à qualidade do ar e ao abastecimento de água. A possibilidade de erosão do Pico Belo Horizonte também é citada.

O aval do Conselho Estadual de Política Ambiental às atividades da Taquaril Mineração S.A (Tamisa) na Serra do Curral veio na madrugada de sábado, após 18 horas de reunião virtual. A equipe do prefeito Fuad Noman (PSD) acionou a Justiça Federal e, na peça, diz ter sido alijada dos debates sobre os reflexos da instalação de um complexo minerário em espaço limítrofe entre Belo Horizonte, Sabará e Nova Lima.

 

O estudo da PBH aponta que, na área de desejo da Tamisa, está a Adutora do Taquaril, responsável por transportar 70% da água tratada utilizada pelos belo-horizontinos.

 “O empreendimento sujeitaria a referida adutora a riscos de recalques provocados por movimentações do solo em decorrência de detonações ou de rebaixamento de lençol freático. Ademais, em caso da necessidade de eventuais ações de recuperação em decorrência de seu colapso, o prazo necessário para as medidas corretivas implicaria em desabastecimento e rodízio prolongados em muitas regiões de Belo Horizonte”, lê-se em trecho da ação, assinada por Caio Perona, o chefe da Procuradoria-Geral.

O poder Executivo da capital mineira enviou à Justiça uma série de mapas que mostram as regiões da cidade atingidas diretamente por poeira, ruídos e vibrações causados pela eventual exploração da Tamisa. A companhia planeja utilizar explosivos para viabilizar a captação de minério. 

“A Serra não é capaz de deter totalmente a contaminação do ar por poeira advinda do tráfego de caminhões e do tratamento do minério, bem como os ruídos e as vibrações provocados pelas explosões. Fatores que, por si, alteram totalmente a paisagem sonora, perturbando a vida de moradores humanos da região e de animais”, aponta a peça judicial.

Um dos agravantes citados pela prefeitura é a proximidade entre a Serra do Curral e o Hospital da Baleia. O Parque das Mangabeiras também pode ser afetado.

 

Os seis temores da Prefeitura de BH:

 

 

  1. Risco geológico de erosão do Pico Belo Horizonte, tombado nas esferas municipal e federal;
  2. Risco à segurança hídrica, por causa da interferência na Adutora do Taquaril – responsável, segundo a prefeitura, por transportar 70% da água tratada usada em BH;
  3. Risco à população por causa dos ruídos;
  4. Risco à população pela queda da qualidade do ar por causa da poeira minerária;
  5. Risco de violação do sossego;
  6. Risco ao meio ambiente – especialmente ao Parque das Mangabeiras.

 

 

Prefeitura diz não ter participado dos debates

 

Na ação judicial, a prefeitura belo-horizontina questiona, ainda, o fato de não ter participado ativamente das conversas a respeito dos impactos dos planos da Tamisa. Segundo a equipe do prefeito Fuad Noman, os efeitos que a exploração podem causar à capital justificam a necessidade de escuta durante o licenciamento.

“O limite territorial municipal não atua como uma barreira invisível e intransponível que restringe todas as repercussões ambientais e sociais do empreendimento a Nova Lima, como parece entender, em grave equívoco, o órgão estadual ao expressa e deliberadamente excluir o Município de Belo Horizonte das discussões, estudos e levantamentos no processo de licenciamento ambiental”.

O desejo da Tamisa é minerar uma área equivalente a 1,2 mil campos de futebol. O objetivo é a exploração da região da Fazenda Ana da Cruz, na divisa entre Nova Lima e a capital. O terreno está próximo ao Pico Belo Horizonte, ponto mais alto da serra.

O processo tem duas etapas: na primeira, espera-se extrair 31 milhões de toneladas de minério de ferro ao longo de 13 anos. Já a segunda fase consiste na lavra de 3 milhões de toneladas de itabirito friável rico, com dois anos de implantação e nove de operação.

No domingo (1), a companhia se defendeu das críticas. “A Tamisa considera que a opinião de um grupo organizado, com interesses pessoais e políticos, que vem divulgando informações distorcidas sobre o projeto, não deve inviabilizar um empreendimento regular, em conformidade com a legislação, que beneficia toda a sociedade”.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Feriadão com chuvas exige atenção em dobro nas estradas

Os mineiros que pretendem sair do estado ou viajar por Minas para aproveitar o feriado prolongado de Finados vão encontrar estradas mais cheias a partir de hoje. A movimentação exige atenção redobrada, seja nos trechos historicamente perigosos (confira quadro), seja naqueles aparentemente mais tranquilos. A atenção deve ser redobrada nas retas, nos trechos com buracos

Onde a morte não é o fim da vida

  O Museu de Ciências Morfológicas (MCM) da UFMG é responsável pela extensão entre o estudo de células, embriões, tecidos e anatomia com toda a comunidade da capital. Fundado há 27 anos pela professora Maria das Graças Ribeiro, o museu é focado no ser humano, com a maioria da exposição sendo composta por materiais reais.

Chuva: Sete Lagoas registra alagamentos e pessoas desalojadas

O município de Sete Lagoas, na Região Metropolitana de BH, foi atingido por fortes chuvas no fim da tarde desta terça-feira (31/10). Há registro de moradores desalojados e alagamento em muitas avenidas. Segundo o Corpo de Bombeiros, uma pessoa chegou a ficar ilhada, porém, conseguiu sair do local sozinha.  Cerca de dez casas, localizadas no