Lava Jato: TCU condenada Dallagnol, Janot e procurador a devolver R$ 2,8 milhões

Publicado em

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

A Segunda Câmara do Tribunal de Contas da União (TCU) condenou nesta terça-feira (9) o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, o ex-procurador Deltan Dallagnol e o procurador João Vicente Romão a ressarcir os cofres públicos pelo dinheiro que gastaram com diárias e passagens com a força-tarefa da Lava Jato.

Desde 2020, o caso é apurado pelo tribunal e o relatório pela condenação foi aprovado por 4 votos a 0. O ministro relator, Bruno Dantas, aponta irregularidades nos pagamentos. O valor a ser ressarcido é de R$ 2,8 milhões. Janot e Dallagnol já informaram que vão recorrer. Romão ainda não se manifestou. As informações são do G1.

Para os ministros, o modelo de força-tarefa adotado foi antieconômico, causando prejuízos aos cofres públicos, permitindo pagamento desproporcional e sem restrições de passagens e gratificações para que procuradores fossem a Curitiba atuar. Eles apontam ainda que o princípio da impessoalidade não foi respeitado, já que não havia critérios técnicos para justificar que procuradores eram integrados à operação. 

Janot foi condenado porque era o Procurador-Geral da República na ocasião, autorizando a constituição da força-tarefa nesses termos. Romão era o procurador-chefe no Paraná, e foi quem pediu que se formasse a força-tarefa. Dallagnol foi coornador da força-tarefa. 

Já sete procuradores que fizeram parte da operação foram considerados inocentes, por não terem poder de decisão, recebendo as quantias de boa-fé, na opinião dos ministros. 

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Tarcísio é o preferido para presidência, diz pesquisa feita no ato pró-Bolsonaro

61% dos manifestantes entrevistados durante o ato que ocorreu no domingo, 25, na Avenida Paulista, em defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), acreditam que o nome do governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), é o melhor para concorrer à Presidência em 2026, caso Bolsonaro permaneça inelegível. O dado foi obtido pelo Monitor do

Rui Costa minimiza ato de Bolsonaro e diz que ex-presidente confessou crimes cometidos

O ministro da Casa Civil, Rui Costa, avaliou que o ato do ex-presidente Jair Bolsonaro na Avenida Paulista no domingo, 25, ficou aquém do que foi divulgado pelos organizadores. Em sua avaliação, contudo, a surpresa foi em relação ao conteúdo das falas do ex-chefe do Executivo, o que o ministro analisa como uma confissão de

Entenda o que é a anistia pedida por Bolsonaro e seu significado histórico

"O que eu busco é uma pacificação. É passar uma borracha no passado." Com essa introdução, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), investigado por suposta tentativa de golpe de Estado pela Polícia Federal (PF), pediu anistia "para aqueles pobres coitados presos em Brasília", em seu discurso na tarde deste domingo, 25, no ato na Avenida Paulista.