Simone Tebet: ‘Nunca duvidei da segurança das urnas’

Publicado em

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto
A senadora e candidata à Presidência da República Simone Tebet (MDB-MS) disse que nunca duvidou da segurança das urnas eletrônicas. A declaração foi dada no programa Roda Viva, da TV Cultura, nessa segunda-feira (8/8). 
Tebet explicou que, em 2015, quando votou a favor do voto impresso, na verdade estava votando a favor de uma minirreforma partidária, que tinha o intuito de instituir uma comprovação impressa do voto feito nas urnas eletrônicas. 
“Queríamos dar uma certa segurança para o eleitor, que havia tido um questionamento sobre a segurança das urnas”, declarou. “Depois disso passaram sete anos, onde nós fizemos audiências públicas, o TSE esteve conosco, repito, foi num bojo de um contexto e depois ficou muito esclarecido”, completou.
 
 
 
A parlamentar também afirmou que com as urnas eletrônicas, tanto a democracia quanto as eleições são mais seguras, uma vez que dificulta a venda de votos.
 
  • Leia também: Bolsonaro: entidades repudiam ataques à urna eletrônica
  • E mais:Lula sobre Bolsonaro: ‘Não está com medo da urna eletrônica, está do povo’
 
“Com o voto impresso nós todos fomos convencidos que não só as urnas são seguras, como o voto impresso poderia corromper a democracia e as eleições, porque com o voto impresso você poderia estar vendendo o seu voto. Você imprime e depois você diz que votou, comprova que votou e recebe dinheiro”, afirmou.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Tarcísio é o preferido para presidência, diz pesquisa feita no ato pró-Bolsonaro

61% dos manifestantes entrevistados durante o ato que ocorreu no domingo, 25, na Avenida Paulista, em defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), acreditam que o nome do governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), é o melhor para concorrer à Presidência em 2026, caso Bolsonaro permaneça inelegível. O dado foi obtido pelo Monitor do

Rui Costa minimiza ato de Bolsonaro e diz que ex-presidente confessou crimes cometidos

O ministro da Casa Civil, Rui Costa, avaliou que o ato do ex-presidente Jair Bolsonaro na Avenida Paulista no domingo, 25, ficou aquém do que foi divulgado pelos organizadores. Em sua avaliação, contudo, a surpresa foi em relação ao conteúdo das falas do ex-chefe do Executivo, o que o ministro analisa como uma confissão de

Entenda o que é a anistia pedida por Bolsonaro e seu significado histórico

"O que eu busco é uma pacificação. É passar uma borracha no passado." Com essa introdução, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), investigado por suposta tentativa de golpe de Estado pela Polícia Federal (PF), pediu anistia "para aqueles pobres coitados presos em Brasília", em seu discurso na tarde deste domingo, 25, no ato na Avenida Paulista.