Nepal encontra caixa-preta de avião que caiu e deixou ao menos 69 mortos

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Equipamento localizado contém gravação de voz dos pilotos e os dados de voo da aeronave; autoridades não têm esperança de encontrar sobreviventes: ‘Estamos rezando por um milagre’

EFE/EPA/KRISHNA MANI BARAL

queda avião Nepal

Queda de avião no Nepal matou pelo menos 69 pessoas

As equipes de resgate do Nepal encontraram nesta segunda-feira, 16, a caixa-preta do avião que caiu no último domingo na cidade turística de Pokhara. O equipamento contém a gravação de voz dos pilotos e os dados de voo da aeronave. Até o momento, o acidente já matou 69 pessoas, e as autoridades estão sem esperança de encontrar sobreviventes. “Estamos rezando por um milagre. Mas a esperança de encontrar alguém vivo é nula”, afirmou Tek Bahadur KC, chefe do distrito de Taksi, onde o avião caiu no domingo. Essa é a pior catástrofe deste tipo no país em três décadas. O avião, um ATR 72 da companhia Yeti Airlines, saiu de Katmandu, capital do Nepal, com 72 pessoas a bordo — 68 passageiros e quatro tripulantes — pouco antes das 11h locais (2h15 no horário de Brasília), perto de Pokhara (centro), onde deveria pousar. A aeronave em chamas foi encontrada em um precipício de 300 metros de profundidade, entre o antigo aeroporto construído em 1958 e o novo terminal internacional inaugurado em 1º de janeiro em Pokhara, porta de entrada para alpinistas do mundo todo. Soldados usaram cordas para retirar os corpos do fundo do precipício entre o final do domingo e início desta segunda-feira. Ainda não se sabe o motivo da queda, mas em um vídeo compartilhado nas redes sociais, o avião é visto voando baixo sobre uma área residencial antes de se inclinar de forma brusca para a esquerda. Ouve-se, então, uma forte explosão. Greg Waldon, especialista no setor de aviação, disse que, ao ver o vídeo, pareceu que o avião tinha um problema em uma das asas, o que significa que pode não ter suportado mais o peso da máquina.

Nos últimos anos, o setor aeronáutico do Nepal cresceu muito no transporte de mercadorias, assim como no transporte de turistas. Devido à falta de treinamento da equipe e a problemas de manutenção, porém, as empresas sofrem, em geral, com problemas de segurança. Por esse motivo, a União Europeia proibiu todas as transportadoras nepalesas de entrarem em seu espaço aéreo. O país do Himalaia também possui algumas das pistas mais remotas e complicadas do mundo, ladeadas por picos cobertos de neve que tornam a aproximação desafiadora até mesmo para pilotos experientes. As companhias afirmam que o Nepal não tem infraestrutura para estabelecer previsões meteorológicas precisas, sobretudo, nas regiões mais remotas e de difícil relevo montanhoso, onde foram registrados acidentes fatais nos últimos anos. O acidente de domingo é o mais mortal no Nepal desde 1992. No referido ano, todas as 167 pessoas a bordo de um avião da Pakistan International Airlines morreram na queda da aeronave perto de Katmandu.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Carro estacionado na vertical? Autoridades investigam acidente estranho

As autoridades do estado norte-americano de Massachusetts estão investigando um acidente curioso que ocorreu na manhã da última segunda-feira em um estacionamento de um supermercado. Conforme mostrado na galeria acima, um carro ficou "estacionado" entre outros dois veículos, quase na posição vertical. De acordo com a BBC News, o condutor do veículo teria pressionado o

Mãe é acusada de matar os 4 filhos: “Vivam como se fosse o último dia”

Uma professora do Missouri, nos Estados Unidos, é apontada como a causadora de um incêndio que resultou em sua própria morte e na perda dos quatro filhos, pouco depois de compartilhar uma publicação encorajando todos a "viverem como se aquele fosse o último dia". A tragédia ocorreu na manhã de segunda-feira, quando um incêndio devastador

Presidente do México ataca jornalista após reportagem sobre laços com narcotráfico

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Avesso à liberdade de imprensa, o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, voltou a atacar jornalistas e, desta vez, tornou-se alvo de uma investigação em seu próprio país. AMLO, acrônimo pelo qual o populista é conhecido, divulgou nesta semana o número de contato de uma repórter do New York