Pezão e mais 2 réus têm R$ 106 milhões em bens bloqueados pela Justiça

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

A Justiça do Rio de Janeiro determinou o bloqueio de R$ 106 milhões em bens do ex-governador Luiz Fernando de Souza Pezão e de outros dois réus acusados de improbidade administrativa. A decisão atendeu um pedido apresentado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ).

Também são alvos da investigação Gustavo Barbosa, ex-diretor-presidente do Fundo Único de Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro (Rioprevidência), e o Banco do Brasil Securities LLC. Segundo o MP, os réus teriam causado prejuízo de R$ 912 milhões ao Rioprevidência.

A Justiça do Rio determinou ainda a penhora on-line de contas bancárias, investimentos, previdência privada, contas de capital social de que sejam sócios e valores mobiliários dos réus. A decisão aponta que, em uma avaliação preliminar, foram identificados indícios de gestão irresponsável do fundo previdenciário e conflito de interesses que afetou a gestão do órgão estadual.

O Juízo da 7ª Vara de Fazenda Pública da Comarca da Capital entendeu que houve uma tentativa de disfarçar a ilegalidade da renegociação contratual por meio da manipulação do legislativo.

“É pouco crível que o Banco do Brasil Securities LLC não dispusesse de equipe técnica capacitada para avaliar o alto risco das negociações levadas a efeito pela Rioprevidência e as graves consequências delas decorrentes”, diz trecho da decisão.

O Rioprevidência realizou, no mercado externo, antecipações de recursos de royalties e participações especiais no valor de R$ 8,4 bilhões, com o intuito de aliviar o caixa do governo fluminense, no entanto, a medida gerou a obrigação de pagar o montante estimado em R$ 32,3 bilhões até 2028.

Contudo, a necessidade dessas antecipações já era questionável, uma vez que o Estado devia recursos à previdência, algo em torno de R$ 10,6 bilhões, segundo o Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ).

Com isso, o ex-governador do Rio e Gustavo Barbosa, assessorados pelo BB Securities, realizaram uma negociação que culminou no aumento das despesas em mais de R$ 912 milhões. Dessa forma, os investigações classificaram a manobra como irresponsabilidade fiscal.

O Metrópoles procurou a defesa dos três réus citados, mas não obteve retorno até a publicação da reportagem. O espaço segue aberto.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Polícia Civil regulamenta uso de grampos telefônicos na Bahia

A Polícia Civil da Bahia publicou uma Instrução Normativa, na edição do Diário Oficial do Estado (DOE) desta quarta-feira (28), que regulamenta o serviço de implementação das ordens judiciais de interceptação e quebra de sigilo de dados telefônicos e telemáticos, os chamados "grampos".    No documento assinado pela delegada-geral Heloísa Campos de Brito, constam 33 artigos

Governo federal cria casa em Roraima para atender povo Yanomami

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) assinou decreto, nesta quarta-feira (28/2), que institui a Casa de Governo de Roraima que irá coordenar as ações de enfrentamento à crise humanitária e de saúde da terra indígena Yanomami. A instalação será inaugurada na quinta (29/2) em Boa Vista, capital do estado, com a presença de

Juiz aposentado Rosalino dos Santos Almeida morre na Bahia

O juiz aposentado Rosalino dos Santos Almeida morreu na terça-feira (27), em Salvador, aos 74 anos. Ele estava internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital da capital baiana.  Há cerca de dois meses, Rosalino precisou ser internado na UPA do Hospital Nair Alves de Souza em Paulo Afonso, após sofrer um