Operação da PF mira generais e aliados políticos de Bolsonaro

Publicado em

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (8) uma operação que tem como alvos principais aliados do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Entre os nomes que figuram na investigação estão o general Braga Netto, o ex-ministro da Defesa Augusto Heleno, o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, e outros militares e políticos próximos ao ex-presidente.

Há mandados de prisão contra ao menos quatro alvos. O ex-assessor especial do presidente Filipe Martins e o coronel do Exército Marcelo Câmara, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, foram presos, segundo o blog da Andréia Sadi.

A investigação tenta esclarecer a participação dessas pessoas nos atos golpistas do dia 8 de janeiro, quando milhares de manifestantes invadiram e depredaram as sedes dos Três Poderes (Planalto, Congresso e Supremo).

Tercio Arnaud Thomaz, conhecido como um dos pilares do chamado “gabinete do ódio”, também está entre os mais de 30 alvos de busca e apreensão.

Ao menos quatro generais de quatro estrelas também são alvos da PF.

A operação é um passo importante para responsabilizar os envolvidos nos atos golpistas de 8 de janeiro e para evitar que crimes como este se repitam no futuro.

A investigação está em andamento e mais informações devem ser divulgadas em breve.

Leia Também: Zanin pede retratação em vídeo de homem que o ofendeu em aeroporto

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Vereadores trocam socos em sessão transmitida ao vivo em Câmara na Bahia

Vereadores da Câmara Municipal de Lauro de Freitas (BA), município da região metropolitana de Salvador, trocaram tapas e socos na sessão ordinária desta quarta-feira, 28. A agressão entre os parlamentares foi transmitida ao vivo no canal do YouTube da Casa. Outros parlamentares e seguranças separaram a briga e a sessão foi encerrada. As imagens mostram

Extremismo digital no País usa métodos nazista e fascista, diz Moraes

Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes comparou os métodos utilizados para a propagação de desinformação pelas "milícias digitais" na internet àqueles utilizados em regimes fascista e nazista. O tema faz parte da tese que o ministro elaborou e inscreveu para participar do concurso para uma

Padilha: ‘Estranho’ deputado assinar pedido de impeachment e estar no governo

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, disse nesta quarta-feira, 28, achar "estranho e inesperado" que alguém que tenha assinado o pedido de impeachment do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) queira participar do governo e tenha indicado pessoas para cargos na estrutura federal. "Acho, inclusive, que parlamentar que assinou pedido de impeachment não