A fintech que sucedeu os bancos e as corretoras de câmbio

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 3 minutos
af bancoxfintechmd1146306

Se no ano de 2011 alguém te perguntasse o que é uma fintech de câmbio ou de remessa online, você saberia responder? Bem, provavelmente, você não, tampouco as corretoras de câmbio e os bancos de middle market, que, apesar de serem bancos múltiplos, acabam tendo uma vertical de receita muito expressiva do viés cambial, e, às vezes, sendo chamados popularmente de Bancos de Câmbio, porém, em sua grande maioria, são bancos múltiplos familiares. O fundador da Abrão Filho diz que em 2011 resolveu tropicalizar a “Cross-Border Paytech”, com origem no Reino Unido, inserindo umas pitadas de “Money Service Business”, nascida no nosso amigo TIO SAM, e claro, explorando juridicamente a figura normatizada pelo CMN e BACEN: Correspondente Bancário e Cambial no país.

O fundador, e hoje middle-officer, à frente da transformação digital e estratégia empresarial da maior fintech bancária e cambial do país nos contou quais foram os calcanhares de aquiles das corretoras de câmbio e dos Bancos de Middle Market para que a empresa tivesse, em 12 anos, um crescimento de 60% a.a. “Comecei com um mix de e-commerce e comparador de preço de câmbio turismo, o Cambiar.com.br. Lá, modulava, processava e arquivava, para acesso em tempo real, as transações de câmbio manual e sacado. Foi aí que percebi o quão deficiente era o mercado bancário e cambial brasileiro”. Essa deficiência, citada por Leonardo, de fato, se dava a falta de concorrência, ou seja, a grande centralização dos serviços financeiros e bancários em geral, que há 13 anos era muito diferente do que vemos hoje.

No ano de 2011, a desbancarização do brasileiro era muito mais elevada do que hoje. Dados de pesquisa realizada pela fundação Dom Cabral em conjunto com a Brinks mostram que, no ano de 2022, 36% da população brasileira era desbancarizada, sendo esse número 30% maior em 2011. Esse foi um cenário foi propício para que o BACEN internasse no Brasil a correspondência doméstica de instituições financeiras, com finalidade bancária, creditícia e cambial, e essa onda a Abrão soube surfar com maestria. A figura da instituição de pagamento veio surgir somente em 2013, data de sua legislação. Data então que os “bancos digitais”, que na verdade não são instituições financeiras bancárias, começaram a surgir. Mas quais foram os gatilhos para que a Abrão Filho superasse uma série de bancos e corretoras de câmbio tradicionais?

Segundo Léo Abrão, a tecnologização veio somente a partir de 2019. De 2011 até lá, o caminho foi o da desburocratização e comercialização de produtos e processos confusos, pouco eficientes e caros. “As corretoras de câmbio e os bancos de middle não possuíam (muitos ainda não possuem) especialização produtória, com dificuldade em discernimento entre méritos técnicos legais, comerciais, fiscais e puramente organizacionais. O nosso trabalho, de 2011 a 2018, basicamente foi instaurar governança operacional, comunicacional e inteligência comercial em 11 bancos que tivemos contrato a título de correspondência bancária e cambial.”

Somente em 2019 a Abrão Filho passou a contar com equipe de desenvolvimento própria, e aí, sim, informatizar e automatizar sua criação, precificação e regramento operacional-comercial. Hoje, a fintech trabalha de maneira 100% remota, com 3 extranets, integralmente, e um intranet integralmente WEBS, que movimentaram, apenas nos dois últimos anos, mais de 2,4 bilhões de dólares norte-americanos. A Abrão Filho celebrará 13 anos de fundação no próximo mês de julho, uma jornada de pré-adolescência de uma empresa que mixou a startup de remessa online, com fintech de câmbio e correspondência bancária-cambial. O que estará por vir?

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Polishop tem pedido de recuperação judicial deferido pela Justiça de SP

A rede de varejo Polishop teve seu pedido de recuperação judicial deferido pela Justiça de São Paulo, nesta segunda-feira (20). A empresa, controlada pelo empresário João Appolinário, conta atualmente com 54 lojas no Brasil, uma queda significativa em relação às 250 unidades que possuía no final de 2021. O pedido de proteção judicial foi feito na

Cade recomenda aprovação da proposta da Petrobras para abandonar venda de refinarias

A Superintendência-Geral (SG) do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) recomendou a aprovação, pelo plenário da autarquia, do pedido da Petrobras para interromper o plano de venda de refinarias. Esse compromisso foi firmado pela estatal no primeiro ano do governo do ex-presidente Jair Bolsonaro, no chamado termo de compromisso de cessação de conduta (TCC), em

Volkswagen coloca funcionários em férias coletivas devido a alagamentos no Rio Grande do Sul

A Volkswagen decidiu colocar em férias coletivas os funcionários das fábricas de São Bernardo do Campo, Taubaté e São Carlos, todas no Estado de São Paulo, devido aos alagamentos no Rio Grande do Sul. Cerca de 4.000 trabalhadores ligados à produção foram afetados por essa medida. “Alguns fornecedores de peças da Volkswagen do Brasil, com