Ângelo Almeida pede maior envolvimento da Petrobras na agenda do hidrogênio verde

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Os países europeus não têm os ventos que nós temos. Não têm a radiação solar que é marca de quase todos os estados nordestinos; mas, ainda assim, estão muito mais avançados no desenvolvimento do combustível do futuro: o hidrogênio verde. 

Preocupado com esta realidade e com a possibilidade de que o Brasil – e notadamente os estados nordestinos – perca essa enorme janela de oportunidades, o secretário de Desenvolvimento Econômico da Bahia (SDE),  ngelo Almeida, propõe a participação da Petrobras, como braço do Estado, a puxar esse desenvolvimento, impulsionar investimentos. Mas não somente isso: Almeida propõe que a estatal crie uma subsidiária focada integralmente no desenvolvimento de energia renovável.

 

O gestor disse que vê com muita preocupação o estado atual da produção nacional, pois não enxerga um ambiente de convergência de ações, o que, na visão dele, pode implicar a perda de oportunidades geradas pelas próprias condições geográficas do país. Almeida citou que, apesar das condições brasileiras para avançar, nações europeias, com menos recursos naturais, estão à frente.

“Eles não têm os ventos que nós temos, não terão jamais. Não têm a radiação solar que nós temos – Nordeste e Bahia – não terão jamais. Não têm as condições que a Bahia e o Nordeste têm, sobretudo a Bahia, de construir esse ambiente que seja o ideal para termos a primeira refinaria verde”, declarou  ngelo Almeida, em entrevista ao jornalista Gusmão Neto no podcast do Green Energy Report, do portal BP Money, parceiro do Bahia Notícias.

“[Vejo a questão do hidrogênio verde] com muita preocupação. Vejo que falta uma concertação. É preciso que seja construído um ambiente de harmonia e de um diálogo com convergência: nós não estamos percebendo isso nesse momento. Esse é um debate que deve ser seguido de ações concretas e nós não haveremos de ter ações concretas se não tivermos, dentro desse debate, uma empresa, por exemplo, como a Petrobras”, sinalizou o titular da SDE.

O secretário cita que não é a única voz a pedir maior participação da Petrobras no mercado de hidrogênio verde. “Eu tenho visto e acompanhado, por coincidência, um conterrâneo nosso, Deyvid Bacelar, coordenador-geral da Fup [Federação Única dos Petroleiros] que praticamente está falando sozinho e ele está clamando à sociedade e à própria Petrobras para que ela possa se debruçar e começar a apresentar de forma mais efetiva projetos que, por enquanto, estão muito pouca aderência e muito tímidos”, disse Almeida.

“A nossa tese é que a Petrobras tenha um olhar disruptivo e possa acreditar no poder da inovação. Inovar, criando uma subsidiária, uma nova empresa, um braço da Petrobras que seja direcionado para alimentar e trazer a política de inovação e de incentivos para a construção de um grande parque, de uma grande planta de energia limpa, solar, eólica, que nós temos abundantemente na Bahia. […] Não existe em nenhum lugar do mundo nenhuma política pública voltada para a inovação que tenha sido feita sem a participação de governo. O Estado está aí para isso: ninguém vai inovar com o dinheiro do bolso. Se inova e se arrisca é com dinheiro de governo. […] Esse investimento tem que vir do Estado, e a Petrobras é o braço [do Estado]; o Estado brasileiro tem a maioria [das ações] e ela deve ter essa responsabilidade de fazer esse salto de inovação e para a qualidade de vida do nosso povo”, frisou  ngelo Almeida.

Ao falar do cenário baiano, ele salientou que o estado tem “uma tempestade perfeita, no bom sentido”, um ecossistema bastante robusto que pode projetar a Bahia em condições de produzir este combustível do futuro como “o hidrogênio verde mais barato do planeta, no mundo”.

 ngelo Almeida comentou ainda a necessidade de ampliar na população o conhecimento sobre a economia sustentável. “As pessoas ainda não sabem o que é economia verde. A noção é muito pouca de que a economia verde vai trazer para o nosso estado e para o Nordeste brasileiro as condições de sustentabilidade e de desenvolvimento social com muita força”.

O secretário comparou a diferença que há entre as realidades brasileira e europeia. “Qualquer cidadão hoje que for percorrer esses canais de TV europeus vai assistir a um debate e, em todo esse debate, em quase todos eles, existe a discussão sobre a mudança climática, sobre a necessidade da transição energética justa. Os investimentos já estão acontecendo de forma maciça, as regulações e marcos regulatórios já estão acontecendo na Europa e nós aqui estamos na idade da pedra”, exemplificou.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Fernanda Paes Leme se pronuncia após suposto climão com Juliette

Alguns internautas apontaram um climão entre Juliette e Fernanda Paes Leme no programa Quem Não Pode Se Sacode, da GNT. A cantora e a apresentadora tiveram interações apontadas como ríspidas pela web. No programa que foi ao ar na última quinta-feira (23/5), a vencedora do BBB 21 questionou as regras das apresentadoras. “Vocês estão deixando

Bienal do Livro de São Paulo 2024 abre venda de ingressos e divulga autores

Já estão confirmados nomes como Jeff Kinney (série “Diário de um Banana”), Junior Rostirola (“Café com Deus Pai”), Raul Juste Lores (“São Paulo nas alturas”) e Ernesto Rodrigues (Ayrton: o herói revelado”) MARCELLO FIM/O FOTOGRÁFICO/ESTADÃO CONTEÚDO Durante os dez dias de evento, realizado pela Câmara Brasileira do Livro (CBL), a expectativa é receber 600 mil

Reunião entre rodoviários e patrões termina sem acordo; nova rodada de negociação acontece nesta terça

A reunião entre o Sindicato dos Rodoviários e a Integra - associação que representa as empresas dos transportes de ônibus de Salvador - realizada nesta segunda-feira (27), no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-5), terminou novamente sem acordo entre as partes.  Apesar de não terem chegado a um consenso, rodoviários e empresários marcaram um novo encontro