Corte Especial do STJ cancela súmula sobre honorários advocatícios da Defensoria Pública

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) cancelou a Súmula 421, editada em 2010, que estabelecia que “os honorários advocatícios não são devidos à Defensoria Pública quando ela atua contra a pessoa jurídica de direito público à qual pertença”.

 

O cancelamento decorreu do julgamento, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), do Tema 1.002, que fixou, em repercussão geral, a tese segundo a qual “é devido o pagamento de honorários sucumbenciais à Defensoria Pública, quando representa parte vencedora em demanda ajuizada contra qualquer ente público, inclusive aquele que integra”.

 

Ao propor o cancelamento da Súmula 421, o ministro Benedito Gonçalves, presidente da Comissão de Jurisprudência do STJ, lembrou que, em 2011, a Corte Especial, sob o rito dos recursos repetitivos (Tema 433), adotou interpretação mais ampla sobre o assunto, estabelecendo que os honorários à Defensoria não são devidos quando ela atua “contra pessoa jurídica de direito público integrante da mesma Fazenda Pública”. O tema repetitivo, lembrou o ministro, não foi cancelado até o momento.

 

Os enunciados sumulares são o resumo de entendimentos consolidados na jurisprudência e servem para orientar a comunidade jurídica. A decisão será publicada no Diário da Justiça Eletrônico, por três vezes, em datas próximas, nos termos do artigo 123 do Regimento Interno do STJ.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Mulher é encontrada morta após provocar e levar soco de torcedor do Bahia

O corpo de Sione Matos dos Santos, de 46 anos, foi encontrado dentro de casa, na noite desta segunda-feira (27), na localidade do Bairro da Paz, em Salvador. Informações preliminares apontam que ela teria sido agredida em um bar na noite de domingo (26), após brincar com um homem sobre a eliminação do Bahia na

Doações a ONG teriam sido usadas em campanha defendida por Dallagnol

Em conversas que integram os documentos da Operação Spoofing, obtidas por meio de um ataque hacker, Bruno Brandão, diretor da organização não governamental (ONG) Transparência Internacional (TI) Brasil, de combate à corrupção, trocou mensagens com o ex-procurador Deltan Dallagnol (foto em destaque), em 2017, sobre uma possível doação à instituição que teria parte revertida em prol

Moraes rejeita recurso e mantém inelegibilidade de Bolsonaro e Braga Netto

  O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, rejeitou o recurso contra a inelegibilidade do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e de seu vice, Walter Braga Netto. Com a decisão de Moraes de sexta-feira (24) e publicada neste domingo (26), tanto Bolsonaro quanto Braga Netto continuam inelegíveis.    Eles foram condenados anteriormente