Derrite exalta protagonismo da PM na guerra ao PCC e revolta delegados

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

São Paulo — O protagonismo dado pelo secretário estadual da Segurança Pública, Guilherme Derrite, à Polícia Militar (PM) no combate ao Primeiro Comando da Capital (PCC) tem revoltado delegados da Polícia Civil paulista, que foi escanteada das duas últimas megaoperações contra a maior facção criminosa do país.

Durante evento no qual a Polícia Militar lançou uma “diretriz de combate ao crime organizado”, na última terça-feira (16/4), Derrite, que é capitão da reserva da PM, exaltou a atuação da corporação em parceria com Ministério Público de São Paulo (MPSP) e não fez menção ao trabalho da Polícia Civil.

Trechos do discurso, feito para uma plateia de policiais militares em um auditório na zona oeste da capital paulista, foram postados pelo secretário em seu perfil nas redes sociais (assista abaixo), provocando a ira de delegados.

“A gente não vai só assumir, junto com o Ministério Público, o protagonismo no combate ao crime organizado, como a gente vai falar que existe um serviço de inteligência da Polícia Militar, existe um Centro de Inteligência, que produz muita análise no combate ao crime organizado”, disse Derrite no evento.

O vídeo compartilhado por Derrite foi criticado pelo Sindicado dos Delegados de São Paulo, no fim da tarde de quarta-feira (17/4). A presidente da entidade, delegada Jacqueline Valadares, pontuou que as duas forças “precisam trabalhar em sintonia”, respeitando as atribuições de cada uma delas, “e não confundir todo o trabalho”.

“À PM cabe o trabalho nas ruas, de patrulhamento ostensivo e preventivo. Quando o Estado passa a transferir atribuições da Civil para a Militar, a própria PM fica sem fazer o que, prioritariamente, é de sua alçada. Isso pode fragilizar ainda mais a estrutura policial como um todo. Sem contar que, a ponta, que é a população, que tanto clama por segurança, será prejudicada”, disse Jacqueline.

Outro delegado ouvido pelo Metrópoles, sob condição de anonimato, afirmou que a fala de Derrite “mostra o menosprezo” dele pela Polícia Civil, que tem a prerrogativa constitucional para investigar crimes.

“Não é de hoje que a coisa está enveredando para uma questionável militarização da Segurança Pública. Isso se torna o carro chefe dessa política amplamente equivocada”, afirmou o delegado.

Vídeo

Acúmulo de críticas Como mostrou o Metrópoles, a Associação de Delegados de São Paulo já manifestou indignação após a Polícia Civil ser escanteada na megaoperação contra um suposto esquema de lavagem de dinheiro do PCC por meio de empresas de ônibus que operam na capital, deflagrada na semana passada pelo MPSP, em parceria com a Receita Federal e a PM paulista.

Ao todo, a Operação Fim da Linha cumpriu quatro mandados de prisão e 52 de busca e apreensão na capital, no interior e no litoral paulista. Na mira dos investigadores estavam sócios de duas empresas de ônibus, a Transwolff e a UpBus, acusadas de lavar dinheiro da facção criminosa.

 

Presidente da associação de delegados, André Santos Pereira classificou a operação como “ilegal” e disse que “tal conduta” também “traz instabilidade às instituições” e “prejudica a população”, sobretudo pelo possibilidade de a Justiça “declarar a ilegalidade da operação”.

“Com conhecimento das autoridades máximas do estado, vimos a afronta à ordem constitucional com a operação”, afirmou, em comunicado para contestar a ausência da Polícia Civil na linha de frente da operação.

Conduzida pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do MPSP, a Operação Fim da Linha é o resultado de mais de quatro anos de investigação que começaram por inquéritos justamente da Polícia Civil. As ações forma detalhadas em coletiva de imprensa do MPSP, da qual participaram Derrite e o comandante-geral da PM, coronel Cássio Araújo de Freitas.

Na ocasião, o Metrópoles procurou a Secretaria da Segurança Pública para saber por que a Polícia Civil deixou de participar da operação, mas a pasta não respondeu. O espaço segue aberto para manifestação.

A mesma situação se repetiu na operação realizada na última terça-feira (14/4), contra um cartel articulado pelo PCC para fraudar contratos públicos com prefeituras e câmaras municipais em diferentes cidades da Grande São Paulo, do interior e do litoral. Treze suspeitos foram presos e dois estão foragidos. Mais uma vez, a Polícia Civil não apareceu na foto.

Diante das críticas, Derrite postou um vídeo na noite desta quarta-feira (17/4), em frente ao 30º DP (Tatuapé), na zona leste, para tentar acalmar os ânimos. Ao lado do titular da delegacia, Marcos Casseb, e do delegado-geral, Artur Dian, o secretário parabenizou o trabalho “intenso” e eficaz” da Polícia Civil no “combate ao crime organizado”.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Operação policial em Lauro de Freitas resulta na prisão de suspeitos de tráfico

Políciais Militar da 81ª Companhia Independente deteve, na noite de quarta-feira (29), dois indivíduos suspeitos de estarem envolvidos com o tráfico de drogas, na área de Itinga, situada no município de Lauro de Freitas.   Os oficiais estavam realizando um patrulhamento ostensivo quando avistaram dois homens que, ao notarem a presença da polícia, tentaram fugir

Mãe e irmão de Djidja Cardoso são presos em Manaus

Cleusimar Cardoso e Ademar Cardoso, mãe e irmão da ex-sinhazinha do Boi Garantido, Djidja Cardoso, que faleceu nesta semana, tiveram a prisão preventiva decretada pelo Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) e foram detidos nesta quinta-feira (30/5), em Manaus. Além dos familiares, três funcionários do salão de beleza Belle Femme, que Djidja era sócia, também

Em Guanambi, homem com mandado de prisão em aberto é preso

Um homem acusado de receptação foi preso, nesta terça-feira (28), em Guanambi, pelo 17º Batalhão de Polícia Militar. O suspeito possuía um mandado de prisão em aberto. As informações são do site Achei Sudoeste, parceiro do Bahia Notícias.   A Polícia Militar recebeu informações de que um homem teria comprado objetos oriundos de um furto