EUA retomam sanções contra Venezuela por cerco de Maduro a opositores

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

(FOLHAPRESS) O governo dos Estados Unidos vai retomar sanções contra a Venezuela devido ao cerco imposto pelo regime à oposição antes das eleições previstas para julho, disseram nesta quarta-feira (17) autoridades americanas. A lisura do pleito tem sido questionada desde que os principais adversários do ditador Nicolás Maduro foram impedidos de participar da disputa.

Washington havia levantado as sanções ao setor energético e ao ouro venezuelano em outubro de 2023, após um acordo alcançado entre o regime e a oposição em um processo mediado pela Noruega.

O acordo sugeria a possibilidade de a oposição participar das eleições presidenciais previstas para 28 de julho, nas quais Maduro busca um terceiro mandato. No entanto, desde então, a principal rival de Maduro, María Corina Machado, permanece inabilitada, e Corina Yoris, nomeada por ela para substituí-la nas eleições, não conseguiu inscrever sua candidatura.

Insatisfeita com a situação, Washington advertiu várias vezes que, se Caracas não mudasse de rumo, iria reimpor as sanções. Em janeiro, a Casa Branca já reativou as sanções à empresa estatal de mineração de ouro, depois que o Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela ratificou a inabilitação política de María Corina.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Menino de 15 anos com distúrbio neurológico é atacado por urso nos EUA

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Um menino de 15 anos, que possui distúrbio neurológico raro, foi atacado por um urso-negro dentro de casa, no Arizona (EUA). Brigham Hawkins estava assistindo a um vídeo no YouTube. O garoto foi surpreendido pelo animal, que veio por trás e o atacou duas vezes em seu rosto. O animal

Israel faz ataque aéreo no sul da Faixa de Gaza e deixa ao menos 45 mortos

Um ataque aéreo israelense neste domingo (26) em um centro de deslocados (local de ajuda humanitária) próximo à cidade de Rafah, no sul de Gaza, deixou pelo menos 45 mortos e dezenas de feridos. O Ministério de Saúde de Gaza, controlado pelo Hamas, classificou o ataque como um “massacre horroroso” e informou que a maioria

Netanyahu diz que ataque de Israel que matou 45 pessoas em campo de refugiados foi um ‘acidente trágico’

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou nesta segunda-feira (27) que o bombardeio em um campo de refugiados em Rafah, no sul de Gaza, foi um “acidente trágico”. O ataque, realizado no contexto da ofensiva de Israel contra o Hamas, resultou na morte de pelo menos 45 pessoas, segundo autoridades de Gaza. Netanyahu explicou ao Parlamento