Justiça decide que pastor não é funcionário da igreja

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Em uma decisão recente da Vara do Trabalho de Diamantina, a Justiça do Trabalho de Minas Gerais negou o reconhecimento de vínculo empregatício entre um pastor e uma igreja evangélica. O juiz Edson Ferreira de Souza Júnior julgou que a relação era de natureza voluntária e vocacional, guiada por motivações religiosas e não econômicas, afastando assim as alegações de emprego.

Contexto do Caso

O reclamante, que atuou por 12 anos na igreja, iniciando como auxiliar em 2010 e tornando-se pastor em 2014, pleiteava o reconhecimento de vínculo empregatício desde outubro de 2014 até dezembro de 2022. Ele alegou ter desempenhado múltiplas funções, como cozinhar, filmar eventos e dirigir, além das responsabilidades pastorais. O pastor afirmou que recebia uma ajuda de custo variável entre R$ 400 e R$ 3 mil, mas decidiu encerrar seus serviços devido ao acúmulo de funções.

A igreja, por outro lado, defendeu que a relação era baseada exclusivamente em compromissos religiosos, destacando o caráter voluntário e vocacional das atividades do autor, negando qualquer relação de emprego.

Detalhes da Sentença

O juiz Souza Júnior enfatizou que a natureza da relação entre o pastor e a igreja era intrinsecamente religiosa e vocacional, indicando que as atividades econômicas não eram suficientes para caracterizar a igreja como empregadora nos termos do artigo 2º da CLT.

Provas testemunhais corroboraram essa visão, mostrando que as principais atividades do autor estavam ligadas ao pastoreio espiritual, e que outras tarefas eram secundárias. Uma testemunha da igreja afirmou que qualquer pessoa que se lança na tarefa de pastor já sabe de antemão que é uma função voluntária e sem interesses financeiros.

Fundamentos Legais

A análise legal do magistrado se alinhou com a jurisprudência trabalhista e foi fortalecida pela Lei nº 14.647 de 2023, que clarifica a ausência de vínculo empregatício entre entidades religiosas e seus ministros e membros, mesmo que envolvidos em atividades administrativas da entidade.

O julgamento concluiu que a prestação de serviços do reclamante estava enraizada em sua fé e compromisso com o ministério, como confirmado pelos “Termos de Adesão” que ele próprio assinou, declarando a natureza voluntária de suas atividades e afirmando que estas não geravam nenhum vínculo empregatício ou obrigações trabalhistas ou previdenciárias.

Conclusão da Justiça

Portanto, o juiz determinou que o pastor não atuou como empregado da igreja e negou as reivindicações por benefícios trabalhistas e rescisórios. A decisão é final e não cabe mais recurso, estabelecendo um precedente significativo para casos semelhantes envolvendo instituições religiosas e a definição de relações de trabalho.

The post Justiça decide que pastor não é funcionário da igreja appeared first on Fuxico Gospel.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Boulos põe Haddad na campanha e faz ‘disputa de marcas’ com Nunes

JOELMIR TAVARESSÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O pré-candidato à Prefeitura de São Paulo Guilherme Boulos (PSOL) ampliou as menções ao legado do que chama de gestões progressistas já eleitas na capital e incorporou à pré-campanha o ex-prefeito Fernando Haddad (PT), hoje ministro da Fazenda, com quem fará um evento nesta sexta-feira (24). Apoiado pelo presidente

Heloisa Rosa, o sogro e a bolha em que ela se meteu

A prisão de Marcus Grubet, marido da cantora gospel Heloisa Rosa, sob acusação de ter abusado de uma criança de 6 anos, filha de uma assessora que durante muitos anos cuidou da carreira da artista, trouxe à tona velhos questionamentos sobre a postura de Heloisa diante das graves acusações. Ainda no ano passado, quando o

Tarcísio quer policiais controlando gravações de câmeras corporais; especialista vê retrocesso

O edital lançado pelo governo de São Paulo para substituir e ampliar o número de câmeras corporais da Polícia Militar prevê que a gravação poderá ser iniciada e finalizada pelos agentes durante as ocorrências. Atualmente, a captação das imagens ocorre de forma ininterrupta. A Secretaria da Segurança Pública informou que o edital levou em consideração