Morta na casa do padrasto: envolvidos terão 1ª audiência nesta 3ª

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Os envolvidos no caso da morte de Isabela Dourado de Oliveira (foto em destaque) passarão pela primeira audiência de instrução nesta terça-feira (30/4). A menina morreu em 5 de fevereiro deste ano, quando sofreu uma parada cardíaca após, supostamente, sofrer a violência sexual. O padrasto da vítima, homem com quem a mãe e a criança moravam, Igor Fernandes Pereira Ayres, está preso desde o dia do ocorrido.

A audiência de instrução é uma etapa do processo penal em que há a produção de provas em juízo com oitivas de testemunhas, peritos, além de interrogatórios. Apenas após esta etapa poderá ter início o Tribunal do Júri, caso o magistrado responsável pelo caso entenda que seja necessário.

Isabela morava com a mãe no DF havia seis meses quando faleceu. No dia do ocorrido, a mãe da menina contou à PCDF que saiu para trabalhar e a filha ficou sozinha com Igor no apartamento. Às 8h54, a mulher diz te recebido uma ligação do namorado, dizendo que a criança tinha convulsionado e não reagia aos estímulos.

Saiba quem é o acusado de estuprar e matar enteada de 4 anos no DF

A Polícia Militar do DF (PMDF) foi acionada pelo Corpo de Bombeiros e pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Os socorristas, ao chegarem ao local, constataram o óbito.

Durante o atendimento, um dos médicos do Samu informou aos policiais que a criança apresentava sinais de abuso e violência sexual, com lesões na vagina e no ânus. Igor foi preso em flagrante.

Maus-tratos Em março deste ano, o Metrópoles mostrou novos documentos que apontavam que, antes de se mudar para Brasília com mãe, a menina teria passado por situações de maus-tratos nas cidades onde morava, no Rio Grande do Sul. Documentos da Justiça gaúcha mostram denúncias contra a mãe de Isabela, que a acusam de atrasar a aplicação de vacinas e levar a menina para encontros sexuais.

Os advogados do pai de Isabela, morador do RS, chegaram a pedir que mãe da menina também fosse presa e investigada pela morte da criança. Porém, a Justiça do DF entendeu que não há indícios suficientes de que a mulher tenha cometido um crime e, por isso, não havia motivos para decretar a prisão dela no momento.

Durante a audiência de instrução, o magistrado poderá avaliar a necessidade de inserir a mãe de Isabela também como ré pela morte da filha.

Versão do preso À Polícia Civil do Distrito Federal o suspeito contou ter ouvido um barulho no quarto e, quando correu para ver o que tinha acontecido, a garota estava se debatendo e espumando pela boca. Ele alega que ainda tentou fazer massagem cardíaca na enteada, mas não obteve sucesso.

Igor afirmou, também, que era “apaixonado pela criança”, mas a informação foi contestada por um vizinho, que disse já ter ouvido diversas vezes a garota gritando e chorando quando estava sozinha com ele.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Vídeo mostra delegado urinando em frente a comércio: “Tem problema?”

São Paulo — Um vídeo feito por uma testemunha, na tarde da última sexta-feira (24/5), mostra um delegado da Polícia Civil urinando em frente a um comércio, na Rua Irmã Carolina, no Belém, zona leste de São Paulo, momentos antes de ser baleado por policial militar de folga. Nas imagens, publicadas pelo G1, o delegado

Manicure é sequestrada em Paripe; corpo da vítima é encontrado no CIA

  Uma manicure, identificada como Suelen Ferreira, foi sequestrada na noite deste sábado (25) e, depois, assassinada na região do CIA. De acordo com as primeiras informações, a jovem iria fazer 29 anos no final deste mês e deixa quatro filhos, sendo duas meninas e dois meninos. Ela não tinha passagem pela polícia.    A

Procurado por matar pai e filho em PE é capturado no litoral paulista

São Paulo – A Polícia Militar capturou um foragido de 28 anos, na tarde de quinta-feira (22/5), na Avenida Itapuã, em Bertioga, no litoral paulista. Segundo o G1, o foragido seria Jardes José da Silva, o Bala, que é acusado de matar pai e filho no interior de Pernambuco, em 2021. O processo que tramita