“Não existe racha entre as polícias”, diz Tarcísio após empoderar PM

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

São Paulo — O governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) voltou a defender, nesta sexta-feira (19/4), as medidas adotadas por sua gestão que dão poder de investigação à Polícia Militar (PM) por meio do registro de Termos Circunstanciados (TCs), usados para crimes de menor potencial ofensivo.

Tarcísio disse que a medida, contestada por uma série de entidades, como associação e sindicato de delegados e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), não trouxe crise entre a corporação e a Polícia Civil, que detinha exclusividade nessas atribuições.

“Não tem racha nenhum. Não existe racha entre as polícias, pode ficar tranquilo. Eles [PMs e policiais civis] vão trabalhar integrados como vêm trabalhando”, disse o governador.

A iniciativa de empoderar a Polícia Militar foi revelada pelo Metrópoles nessa quinta-feira (18/4). O atual secretário da Segurança Pública, Guilherme Derrite, é capitão da reserva da PM. Nesta sexta, a OAB de São Paulo afirmou que a medida é “inconstitucional”.

“Isso aí foi muito negociado com a direção da Polícia Civil. Então, não tem desconforto nenhum, não tem desrespeito à direção. Vamos lá: esse passo que a gente está dando já foi dado em 17 estados da federação. Então, não tem novidade nenhuma. Não é questão de dar mais poder, é questão de melhorar o policiamento ostensivo”, disse o governador.

Tarcísio comentou o tema na Bolsa de Valores (B3), após o leilão que vendeu a Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae) para um fundo de investimentos nacional por R$ 1 bilhão. Foi a primeira privatização de empresa pública de seu mandado.

Aos jornalistas, Tarcísio reapresentou argumentos que havia exposto na quinta-feira (16/4) sobre o assunto, afirmando que a medida servirá para economizar o tempo de equipes de patrulhamento, que ficavam presas nas delegacias aguardando que os TCs fossem lavrados por policiais civis.

“A gente quer tornar isso mais sumário, fazendo o Termo Circunstanciado, e a gente deixa o efetivo na rua. O que a gente está preocupado? Em manter mais efetivo, melhorar o policiamento ostensivo, ter mais gente na rua, em não perder tempo. Não desmobilizar uma guarnição para ter de cumprir essa questão do boletim de ocorrência”, completou.

Tarcísio afirmou ainda que a medida “é razoável” e que ela foi debatida com os delegados. “Isso já foi discutido, tem a concordância do comando da Polícia Civil”, afirmou o governador, que prometeu ações de valorização para a Polícia Civil em sua gestão.

“Lá na frente a gente está discutindo também a reestruturação da carreira da Polícia Civil. É uma organização importante. Estamos fazendo concurso, estamos chamando remanescentes, vamos fazer outro concurso para dar o efetivo que a Polícia Civil tanto precisa. Então, não há crise nenhuma, não há problema nenhum e é um passo importante.”

O governador também rebateu a afirmação de que a medida é inconstitucional, como diz a OAB. “Tem previsão em termos de decisão judicial, nós temos duas ADIs [ações diretas de inconstitucionalidade] já foram julgadas nesse sentido pelo Supremo [Tribunal Federal]”.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Vídeo: após urinar na rua, delegado é desarmado em briga com morador

São Paulo — Um novo vídeo mostra a sequência da discussão que começou após o delegado Fernando Henrique Justino, de 37 anos, urinar em frente a um comércio, no Belém, na zona leste de São Paulo, na última sexta-feira (24/5). Ele foi baleado por um policial militar de folga logo em seguida. Nas imagens de

Vídeo mostra delegado urinando em frente a comércio: “Tem problema?”

São Paulo — Um vídeo feito por uma testemunha, na tarde da última sexta-feira (24/5), mostra um delegado da Polícia Civil urinando em frente a um comércio, na Rua Irmã Carolina, no Belém, zona leste de São Paulo, momentos antes de ser baleado por policial militar de folga. Nas imagens, publicadas pelo G1, o delegado

Manicure é sequestrada em Paripe; corpo da vítima é encontrado no CIA

  Uma manicure, identificada como Suelen Ferreira, foi sequestrada na noite deste sábado (25) e, depois, assassinada na região do CIA. De acordo com as primeiras informações, a jovem iria fazer 29 anos no final deste mês e deixa quatro filhos, sendo duas meninas e dois meninos. Ela não tinha passagem pela polícia.    A