Programa de proteção a testemunhas tem orçamento recorde sob Lula

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

O Ministério dos Direitos Humanos tem neste ano o maior orçamento da história para programas de proteção a vítimas e testemunhas ameaçadas. Foram reservados R$ 27,5 milhões para a ação. No governo Bolsonaro, o valor máximo foi de R$ 15 milhões.

O programa tem cerca de 500 pessoas inscritas, incluindo testemunhas de crimes em situação de risco. Essas testemunhas sofrem intimidações para não colaborar com investigações ou processos criminais.

Durante o governo Bolsonaro, os orçamentos anuais foram de R$ 14,9 milhões em 2019; R$ 15 milhões em 2020; R$ 12 milhões em 2021; e R$ 14,1 milhões em 2022. Nesse período, três defensores de direitos humanos foram assassinados por mês, em média. No governo Lula, o orçamento em 2023 foi de R$ 25,6 milhões e, em 2024, de R$ 27,5 milhões.

As regras para os programas de proteção a vítimas e testemunhas foram criadas em 1999, no governo Fernando Henrique Cardoso. O projeto de lei foi escrito pelo então deputado Humberto Costa, hoje senador pelo PT de Pernambuco.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Justiça de SP mantém medida protetiva de Ana Hickmann contra Alexandre Correa

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O TJSP (Tribunal de Justiça de São Paulo) estendeu, por tempo indeterminado, a medida protetiva que Ana Hickmann tem contra o ex-marido Alexandra Correa, a quem acusa de violência doméstica. Por meio de nota enviada à Folha de S.Paulo , o TJ afirma que a decisão vai valer "enquanto perdurar

Vizinhos Protegidos: grupos de WhatsApp viram arma contra crime no DF

Pelo menos desde 2014, a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) conta com o projeto Rede Vizinhos Protegidos. Atualmente com 622 grupos no WhatsApp, a iniciativa consiste em criar “comunidades” no aplicativo de mensagens com moradores e PMs para servir de apoio ao policiamento operacional de cada área no combate ao crime. Entre 2019 e

Saiba mais sobre a Bola de Neve, igreja denunciada por ex-cantor do Raimundos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Rodolfo Abrantes, ex-integrante da banda Raimundos, relatou recentemente que ele e sua mulher, Alexandra Abrantes, sofreram abusos psicológicos cometidos por pastores da igreja Bola de Neve. "Feridas que demoram muito para curar", descreveu o cantor. Ele denunciou a congregação 13 anos após ter se afastado de uma de suas sedes