AGU acionará Pablo Marçal por dano moral coletivo devido às fakes news sobre RS

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

A Advocacia-Geral da União (AGU) vai mover uma nova ação contra o coach e influenciador Pablo Marçal, desta vez por dano moral coletivo. Ele vem divulgando em suas redes sociais conteúdos falsos sobre o trabalho das Forças Armadas nas enchentes que afetam o Rio Grande do Sul. 

 

Informações obtidas pelo O Globo afirmam que, pelos cálculos iniciais da AGU, a multa não deve ter valor menor do que R$ 1 milhão. Toda a quantia será revertida para o estado. O dano moral coletivo consiste em lesão grave, injusta e intolerável a valores e a interesses fundamentais da sociedade e acarreta o pagamento de uma indenização.

 

AGU, segundo a publicação, também planeja acionar judicialmente outros influenciadores que estão disseminando mentiras. A avaliação do órgão é que há um grupo que usa a tragédia para fazer estelionato digital, monetizando conteúdos com a catástrofe e ganhando dinheiro ao espalhar fake news.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Mulher é encontrada morta após provocar e levar soco de torcedor do Bahia

O corpo de Sione Matos dos Santos, de 46 anos, foi encontrado dentro de casa, na noite desta segunda-feira (27), na localidade do Bairro da Paz, em Salvador. Informações preliminares apontam que ela teria sido agredida em um bar na noite de domingo (26), após brincar com um homem sobre a eliminação do Bahia na

Doações a ONG teriam sido usadas em campanha defendida por Dallagnol

Em conversas que integram os documentos da Operação Spoofing, obtidas por meio de um ataque hacker, Bruno Brandão, diretor da organização não governamental (ONG) Transparência Internacional (TI) Brasil, de combate à corrupção, trocou mensagens com o ex-procurador Deltan Dallagnol (foto em destaque), em 2017, sobre uma possível doação à instituição que teria parte revertida em prol

Moraes rejeita recurso e mantém inelegibilidade de Bolsonaro e Braga Netto

  O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, rejeitou o recurso contra a inelegibilidade do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e de seu vice, Walter Braga Netto. Com a decisão de Moraes de sexta-feira (24) e publicada neste domingo (26), tanto Bolsonaro quanto Braga Netto continuam inelegíveis.    Eles foram condenados anteriormente