Biblioteca afro-indígena no Subúrbio incentiva práticas antirracistas e de combate ao machismo

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

O bairro de Alto de Coutos, no Subúrbio Ferroviário de Salvador, abriga a Biblioteca Social Afro-indígena Meninas do Subúrbio. Fundado em março de 2022, o espaço educativo e cultural é voltado ao cuidado integral de mulheres e crianças através das práticas antirracistas e de combate ao machismo.

 

Idealizadora do espaço, a professora da rede municipal de ensino da capital baiana Dejanira Rainha explica que a iniciativa fluiu através do desejo de realizar um trabalho voltado exclusivamente para mulheres negras moradoras da periferia. “Queríamos que essas mulheres tivessem um espaço de acolhimento e que também pudessem acessar a bens culturais que geralmente são negados a pessoas periféricas”, explica.

 

Dejanira destaca ainda que um dos papéis fundamentais da biblioteca é manter uma educação organizada quebrando os preconceitos enraizados na sociedade. “Queremos que as pessoas sejam educadas para que compreendam o valor das mulheres, da pessoa negra, da mulher negra como ser humano, valor esse que vem sendo negado há muitos anos”, conta.

 

Na Biblioteca Social é possível realizar o empréstimo de livros, mas para quem preferir, há também uma área de leitura no local, além de um espaço para jogos de tabuleiro e brincadeiras livres. Além disso, é possível assistir também a saraus e oficinas oferecidas por artistas e artesãos de Salvador e participar de momentos de lazer com cinema e oficinas de leitura e escrita.

 

Outro ponto forte do espaço é o serviço de massoterapia que acolhe mulheres de toda a região, proporcionando momentos relaxantes, além de tratar diversas condições crônicas e auxiliar no tratamento de doenças. “Recebemos aqui mulheres que precisam ser cuidadas e acolhidas, tendo seus corpos respeitados, afagados de maneira respeitosa e carinhosa que é justamente o que o serviço de massoterapia relaxante proporciona”, ressalta Dejanira.

 

Crianças e adolescentes – Além das mulheres, o local recebe ainda crianças e adolescentes entre 3 e 15 anos de idade. O local também é aberto para visitação de grupos escolares locais. “Trabalhamos principalmente para elevar a autoestima e estabelecer a valorização intrínseca desse ser negro, da criança negra, da menina negra, do menino negro, por isso nossas portas estão sempre abertas para as crianças”, afirma a professora.

 

A Biblioteca Social Afro-indígena Meninas do Subúrbio funciona das 17h30 às 19h, nas quartas e sextas-feiras. Já na quinta-feira, o horário de funcionamento é das 9h às 19h e aos sábados, das 10h às 16h.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Confira os novos itinerários dos ônibus metropolitanos que operavam na orla de Salvador

A Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba), anunciou no início da noite desta segunda-feira (27), os novos itinerários dos ônibus do sistema metropolitano que operavam na orla de Salvador. A nova programação também contou com a colaboração da Secretaria de Mobilidade (Semob).  A modificação atingiu ao

Sabrina Sato fala sobre relacionamento com Nicolas Prattes

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Sabrina Sato e Nicolas Prattes abriram a intimidade para a Glamour e deram detalhes sobre o relacionamento. A apresentadora diz que percebeu que estava apaixonada pelo ator no Carnaval. "[Você sabe que está apaixonada] quando todos seus amigos e suas amigas não aguentam mais você falar dele. Isso aconteceu no

Saúde do DF cria grupo para rever Plano de Enfrentamento da Dengue

Nesta segunda-feira (27/5), a Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) criou um grupo de trabalho para revisar e atualizar o plano de enfrentamento à dengue e outras arbovirores. A medida foi estabelecida no Diário Oficial do DF (DODF) desta segunda, data em que o DF já soma 365 mortes por dengue apenas em 2024.