Com saída de López Obrador no México, Lula perderá um aliado na região

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

CIDADE DO MÉXICO, MÉXICO (FOLHAPRESS) – A futura saída de Andrés Manuel López Obrador da Presidência do México, em outubro, após cumprir seis anos de governo, vai retirar do xadrez da política latino-americana um dos aliados do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nessa região.

A candidata de AMLO, como ele é conhecido, é favorita para vencer as eleições de 2 de junho. Mas Claudia Sheinbaum não é exatamente a expressão da identidade política que aproxima Lula do líder mexicano.

Mais sóbria, comedida e, para muitos, com menos carisma que o padrinho, a ex-chefe de governo da Cidade do México (cargo similar ao de governadora) não vende a imagem de líder próxima da classe trabalhadora. É uma acadêmica de perfil mais distante.

A trajetória eleitoral de Lula e AMLO também os une. Ambos tentaram mais de uma vez chegar à Presidência antes de conseguirem triunfar nas urnas -o mexicano duas vezes (nas eleições de 2006 e 2012) e Lula, três (nos pleitos de 1989, 1994 e 1998).

Ainda que não tenham se encontrado presencialmente desde que Lula iniciou o terceiro mandato, já conversaram mais de uma vez por telefone e fizeram inúmeras menções um ao outro em discursos e nas redes sociais, invariavelmente referindo-se como amigos. O governo Lula tenta viabilizar uma viagem oficial ainda neste ano.

Lula e AMLO estiveram juntos na Cidade do México em 2022. O petista ainda não havia oficializado sua candidatura à Presidência, mas isso já era amplamente esperado. A cúpula do PT disse, à época, que a ocasião era para “enfrentar o neoliberalismo” na região.

Talvez a principal bandeira que os aproxima seja a do combate à pobreza. Lula é internacionalmente conhecido por essa agenda e busca viabilizar uma aliança global contra a fome e a pobreza antes de receber a cúpula de chefes de Estado do G20, no Rio, em novembro; AMLO, por sua vez, propagandeia o fato de ter diminuído os níveis desse indicador no México em seu sexênio no poder.

Segundo dados oficiais, a parcela em situação de pobreza no México teria diminuído para 36,3% em 2022, os últimos dados disponíveis, contra 41,9% em 2018, ano em que López Obrador assumiu o governo. Isso ignorando o pandêmico 2020, quando o índice chegou a 43,9%.

Os números são questionados por alguns especialistas. Um dos motivos é o fato de a diminuição substancial ter ocorrido na pobreza moderada (de 34,9% a 29,3%) e não na pobreza extrema, que ficou praticamente estável (de 7% para 7,1%), nesta comparação. Outros questionamentos envolvem a metodologia da pesquisa, realizada a cada dois anos -os dados de 2024 serão conhecidos, assim, em 2025.

AMLO se distancia, porém, nos ataques reiterados à imprensa mexicana e a opositores em seu mandato. Ele também conduziu uma agenda nacionalista que reduziu drasticamente o espaço para a iniciativa privada em setores como o de eletricidade.

Para alguns analistas, a vitória expressiva de López Obrador em 2018 foi vista como a retomada da chamada “onda rosa” -a influência da esquerda- na América Latina. O triunfo, afinal, sucedia derrotas de esquerdistas em países como Argentina e Chile e o impeachment de Dilma Rousseff no Brasil.

Se uma surpresa ocorrer em 2 de junho e a opositora Xóchitl Gálvez, uma ex-senadora indígena, for eleita, seria mais um revés na região -o mais recente foi a vitória de Javier Milei contra o peronismo na Argentina em 2023.

Diplomaticamente, membros da equipe de Xóchitl (lê-se ”sótil”) disseram à reportagem na Cidade do México que querem trabalhar com Lula. Um deles, porém, fez uma ponderação mais fora da curva.

Secretário de Economia de 2012 a 2018, o hoje deputado federal Idelfonso Guajardo, uma das principais figuras da campanha, disse que a oposição “dava por perdida qualquer aproximação com o governo Lula precisamente pela proximidade com López Obrador”. Mas afirmou que “os posicionamentos recentes de Lula abriram uma janela de oportunidade para não desperdiçar a tentativa”.

Guajardo se referia às críticas de Lula ao bloqueio da candidatura de opositores nas eleições presidenciais da Venezuela, em julho. “Isso mostra muito bem o presidente Lula como um social-democrata.”

O assessor de Xóchitl apontou também para o que vê como falta de liderança de AMLO na América Latina. Disse que o mexicano desperdiçou a oportunidade, e Lula assumiu a dianteira. A despeito da crítica, historicamente o México se alinha de forma prioritária a seu vizinho do norte, os Estados Unidos, e aos países da América Central, onde tem forte influência.
A balança comercial Brasil-México é tímida. Segundo dados do Banco Central do México, o Brasil representou apenas 2,26% das importações do país em 2023 e 0,76% do destino das exportações mexicanas.

Apenas um setor se destacou no ano passado: a exportação do frango brasileiro. O volume comprado pelo México totalizou US$ 426 milhões, aumento de 152% em relação a 2021, ano em que o governo AMLO implementou um programa que elimina tarifas de algumas importações para combater a inflação na cesta básica. Exportadores brasileiros foram alguns dos que mais se beneficiaram. O plano dura até pelo menos dezembro deste ano, podendo ser prorrogado.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Israel proíbe consulado da Espanha em Jerusalém de atender palestinos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A chancelaria de Israel determinou, nesta segunda-feira (27), que o consulado da Espanha em Jerusalém interrompa o atendimento a palestinos, em mais uma escalada na tensão entre Tel Aviv e Madri desde que o país europeu anunciou o reconhecimento da Palestina como um Estado, na semana passada. A partir do

Manifestantes tomam ruas de Paris para protestar contra os bombardeios de Israel em Rafah

Cerca de 10 mil pessoas protestaram em Paris, na França, nesta segunda-feira (27), para protestar contra os bombardeios israelenses em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, que segundo as autoridades locais deixaram pelo menos 45 mortos. Uma multidão se reuniu perto da embaixada israelense na capital francesa e entoou frases como “somos todos filhos de

Ataque a campo de refugiados de Gaza foi ‘incidente trágico’, diz Netanyahu

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que o ataque de Israel ao campo de refugiados de Rafah foi "incidente trágico". Ao menos 45 pessoas morreram. Premiê afirmou que ataque a Rafah será investigado. Ao Parlamento de Israel, Netanyahu afirmou que o país retirou "um milhão de moradores que não