Esquecidos: DF enterra, em média, 56 cadáveres não reclamados por ano

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Apenas em abril deste ano, o Instituto Médico Legal (IML) do Distrito Federal registrou quatro cadáveres que chegaram à unidade, mas não foram reclamados por familiares ou conhecidos. Desses, pelo menos um não havia sequer sido identificado. Segundo dados do instituto, por ano, a entidade recebe e sepulta, em média, 56 cadáveres não reclamados. Desses, uma média de 7 corpos não são identificados.

Os dados foram obtidos pelo Metrópoles via Lei de Acesso à Informação (LAI). Quando um morto chega ao IML, tem a identidade revelada, mas não é recolhido por parentes, ele é considerado não reclamado. Quando os legistas não conseguem saber a identidade do falecido, ele é considerado não identificado.

O último corpo que chegou ao instituto e não foi reclamado foi o de Arcendino Lacerda. Nascido em 1936 na Paraíba, Arcendino deu entrada no IML em 12 de abril, vitima de traumatismo cranioencefálico. Em 22 de abril, a Polícia Civil (PCDF) solicitou a divulgação da morte dele, com o intuito de encontrar familiares.

Por lei, decorridos 15 dias do falecimento, o corpo não reclamado poderá ser sepultados pelo serviço social do GDF. Segundo dados do IML, nos últimos cinco anos, de 2019 a 2023, pelo menos 281 cadáveres não foram reclamados.

Desse total, 205 chegaram a ter a identidade conhecida e 39 não foram identificados. Outros 37 eram fetos — ou seja, ainda estavam em estágio de desenvolvimento intrauterino.

IML usa programa semelhante ao Google Maps para identificar cadáveres no DF

Dados de 2024 Este ano, 21 cadáveres não foram reclamados e foram sepultados pelo IML no DF. Dezenove foram identificados e 2, enterrados sem identificação.

O primeiro corpo divulgado pelo IML este ano com o intuito de encontrar familiares foi o de Margarida Correia. Natural de Minas Gerais, ela morreu em janeiro deste ano. No dia 26 desse mês, a PCDF divulgou que o cadáver dela estava no IML.

A causa da morte foi indeterminada.

No DF, desde 2019, o IML só recolhe corpos em casos que há suspeita de violência. Mortes consideradas naturais ficam à cargo do Serviço de Verificação de Óbitos (SVO), vinculado à Secretaria de Saúde do DF (SES-DF).

Por ano, esse serviço enterra, em média, 15 pessoas sem que conhecidos delas se apresentem para iniciar os trâmites legais do enterro. Quando não é possível levantar informações sobre a vítima, os registros são repassados às instituições de outras unidades da Federação, como tentativa de cruzamento de dados.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

STF decide que União deve definir destino de valores obtidos com condenações e delações

Por unanimidade, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que é de responsabilidade da União definir o destino de recursos obtidos com delações premiadas ou condenações criminais em casos em que a lei não prevê uma finalidade específica para esses valores.    O entendimento firmado pela Corte veda que o direcionamento dessas quantias seja fixado pelo

Policiais influencers são presos após compartilhamento nas redes sociais: “Violação de preceitos éticos”

Os policiais militares e influenciadores Alexandre Lázaro "Tchaca" e Ivan Leite cumprirão 15 dias de detenção no Batalhão de Polícia de Choque/ BPChq, em Lauro de Freitas.    De acordo com a Polícia Militar, a prisão dos agentes se deu após conclusão do processo de apuração de conduta disciplinar, por violação dos preceitos éticos e disciplinares

Ex-faxineira de Paula Lavigne e Caetano depõe e acusa ex-governanta

O inquérito sobre o desaparecimento de dólares na casa da produtora Paula Lavigne, casada com Caetano Veloso, ganhou novos contornos nesta segunda-feira (27/5), com o depoimento de uma ex-funcionária do casal, Andressa Carvalho Marques da Silva, que falou como testemunha e fez acusações contra a ex-governanta Edna Paula da Fonseca Santos. O caso veio a