Motosserra de Javier Milei avança na Argentina contra a cultura, que sofre com cortes

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

(FOLHAPRESS) – Nem a pobreza, nem a inflação. O verdadeiro inimigo do presidente argentino nos últimos dias tem sido a Feira do Livro de Buenos Aires. Isso mesmo. No avanço de suas medidas alcunhadas de “plano motosserra” -em que o objetivo é diminuir ao máximo a máquina estatal, Javier Milei tem promovido demissões e corte de orçamentos, além de inflamado os ataques verbais a instituições e a personalidades da cultura argentina, estatais ou privadas.

Milei afirma que essas instituições estão tomadas por “kirchneristas” e “comunistas”, que desperdiçam o dinheiro estatal. Ele afirma que, se elas pretendem continuar existindo, devem passar às mãos privadas.

Já houve 120 demissões na tradicional Biblioteca Nacional, que guarda tesouros como a coleção de originais de Jorge Luis Borges e manuscritos de próceres como San Martín e Belgrano. A biblioteca também promove fóruns, cursos e palestras com escritores nacionais e estrangeiros.

O presidente mandou cortar os aportes que fazia à Feira do Livro de Buenos Aires, uma das mais importantes da América Latina, que recebe 1 milhão de visitantes por ano. Embora seja uma fundação privada, o festival sempre contou com apoio do governo nacional.

A fricção começou quando o presidente da entidade, Alejandro Vaccaro, se mostrou surpreendido com o pedido de Milei para apresentar seu próprio livro na feira, ainda que a criticasse por ser “comunista” e “kirchnerista”. Vaccaro disse, na abertura do evento, que apesar dos ataques do presidente à feira e à cultura em geral, estava surpreso de que o mandatário quisesse lançar seu novo livro, “Capitalismo, Socialismo e a Cilada Neoclássica”, justamente ali.

Milei queria o foco principal do evento, numa área nobre da Sociedade Rural, onde o evento ocorre, e levar 5.000 convidados grátis. Vaccaro disse, evocando os cortes em outras áreas, que não tinha recursos para organizar o evento com segurança e sem cobrar a todos os que entram: “Presidente, no hay plata [não existe dinheiro]”, afirmou, enquanto o público aplaudia.

“Fizemos de tudo para que tudo saísse bem, nos reunimos com a equipe da presidência, com a casa militar, tratando de garantir sua segurança. Temos a tradição de receber políticos na feira, já ocorreu com [a ex-presidente] Cristina Kirchner, com Mujica, com o próprio Milei, e sempre tratamos a todos de modo isento, educado, não-político”, disse o diretor do evento, Ezequiel Martínez, à Folha.

Na última quarta-feira (1º), Milei afirmou a uma rádio local que cancelaria sua participação na feira porque sentia uma “grande hostilidade no ambiente” e que tinha medo de sofrer um atentado aí. Portanto transferiu o lançamento para o Luna Park, espaço tradicional de shows, no dia 22.

“Me esforcei para que o governo nacional se envolvesse com a feira, até ofereci um estande grátis para que eles divulgassem os lançamentos da Biblioteca Nacional, mas me ignoraram”, diz Martínez, que se diz preocupado com o desgaste da reputação da feira no mercado internacional de livros com esse episódios

Não menos insatisfeitos estão os membros da comunidade cinematográfica local.

A Argentina tem na produção audiovisual uma espécie de “soft power” internacional, que já ganhou dois Oscar de melhor filme estrangeiro -“A História Oficial” e “O Segredo de Seus Olhos”-, prêmios e participações de destaque em vários festivais. A maioria deles não seria realizada sem o INCAA, o Instituto Nacional de Cine y Artes Audiovisuales, cuja estrutura, inspirada no modelo francês, é vanguardista na região em termos de arrecadação e fomento do cinema local.

Funciona assim: há um órgão regulador que recebe taxas obrigatórias de canais de TV a cabo e bilheteria dos cinemas e as remete ao INCAA, que também fica com uma porcentagem arrecadada com publicidade que os canais recebem. No instituto, avalia-se em comissões os títulos das produções cinematográficas que pedem recursos para levar adiante seus projetos, e o dinheiro é distribuído.

O governo Milei congelou esse fluxo, apontou um ex-funcionário do banco HSBC, Carlos Pirovano, para a presidência do instituto e acabou com as comissões. “Era um trabalho muito refinado, elas eram formadas por várias áreas relacionadas ao setor. Agora entendo que quem decidirá que filme se faz e qual não se faz será Pirovano”, diz a ex-presidente da entidade, Liliana Mazure.

O Instituto de Cine Argentino começou a funcionar nos anos 1950, e em 1954 foi o general Juan Domingo Perón que inaugurou o Festival de Cinema de Mar Del Plata, o principal do país.

Transformou-se em INCAA nos anos 1960, com foco na tradicional Escola de Cinema, que até hoje forma quadros para as várias funções necessárias para a produção de filmes.

O dinheiro que o INCAA arrecada também costumava ir ao Instituto de Teatro e para o de Música. Hoje, todas essas instituições estão com as atividades congeladas.

Além do fim do aporte ao instituto, a Secretaria de Cultura anunciou também uma leva de demissões e o fim do pagamento das horas extras.

Em comunicado da Secretaria de Cultura sobre o encerramento dessas atividades do INCAA, o governo afirmou que “se terminaram os anos em que se financiavam festivais de cinema com a fome de milhares de crianças”.

O governo também anunciou cortes na Comissão Nacional de Bibliotecas Populares e no Fundo Nacional das Artes.

Enquanto isso, o Cine Gaumont, um dos belos e tradicionais cinemas do centro portenho, dedicado a exibir apenas filmes produzidos pelo INCAA, é o ponto de encontro de manifestações dos artistas e funcionários.

Leia Também: Deputados da Argentina aprovam Lei Ônibus, em vitória para Javier Milei

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Míssil que transportava satélite espião da Coreia do Norte explode no ar

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - O míssil lançado pela Coreia do Norte em direção ao Japão explodiu no ar. Governo norte-coreano diz que o lançamento do satélite "falhou" após um defeito no motor do foguete. Imagens da rede japonesa NHK mostram o projétil em chamas no nordeste da China. Míssil explodiu minutos após o lançamento.

Israel prossegue com ofensiva e envia tanques ao centro de Rafah

Bombardeios israel enses em Rafah mataram pelo menos 21 civis palestinos nesta terça-feira (28), segundo dados do ministério da Saúde de Gaza, que é controlado pelo grupo terrorista Hamas. Os bombardeios ocorrem em meio a intensos combates na cidade do sul do enclave palestino. Uma operação militar israel ense realizada no inicio de maio fez com que quase um milhão de civis palestinos fugissem de Rafah, cidade que abrigou muitos palestinos nos últimos meses da guerra por conta dos combates no norte e no centro de

Espanha, Irlanda e Noruega reconhecem oficialmente Estado da Palestina

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Espanha, Irlanda e Noruega reconheceram oficialmente, nesta terça-feira (28) o Estado da Palestina, quase uma semana depois de anunciar conjuntamente a decisão, que provocou uma crise dos países europeus com Israel. A medida foi encabeçada pelo governo da Espanha, cujo primeiro-ministro, o socialista Pedro Sánchez, é um dos líderes mais