Por falta de pagamento de pensão alimentícia, Jô é preso antes do jogo do Amazonas

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

O atacante Jô, ex-Corinthians e Atlético Mineiro e atualmente no Amazonas, foi preso na noite desta segunda-feira (6), no Estádio Moisés Lucarelli, antes da partida entre Ponte Preta e Amazonas, pela 3ª rodada da Série B, por falta de pagamento de pensão alimentícia. Jô estava escalado como titular pelo Tigre para o duelo.

A Polícia Civil de Campinas esperou o ônibus do clube amazonense chegar ao estádio para efetuar a prisão do jogador, entretanto, o atacante não desceu com a delegação e a Polícia partiu para outro local para buscar o atleta.

Efetuada a prisão, Jô foi conduzido para o 10º Distrito Policial de Campinas, bem perto do estádio. A informação foi confirmada pelo Baep (Batalhão de Ações Especiais da Polícia).

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

“Deixa os melancias se virar”: no STF, PM explica frase sobre Exército

A Procuradoria-Geral da República (PGR) questionou, nessa segunda-feira (20/5), quatro dos sete policiais militares do Distrito Federal denunciados por supostas omissões relacionadas aos atos antidemocráticos de 8 de janeiro de 2023. O grupo, que já é réu, presta depoimento no Supremo Tribunal Federal (STF) de forma virtual. Na oitiva do coronel Marcelo Casimiro, então titular

Alice Portugal e Lídice da Mata se reúnem com Bruno Reis para debater futuro do Centro de Referência de Atenção à Mulher

Uma reunião entre o prefeito de Salvador, Bruno Reis (União), e as deputadas federais Alice Portugal (PCdoB) e Lídice da Mata (PSB) ocorreu na manhã desta segunda-feira (20) para tratar do futuro do Centro de Referência de Atenção à Mulher Loreta Valadares, localizado nos Barris - que corre risco de fechamento -, e de outras

SP Alto Astral: Programa emprega mães em situação de risco

Mais de 5 mil mulheres fazem parte do programa Mães Guardiãs, que dá emprego em projetos pedagógicos nas escolas para pessoas em vulnerabilidade social. As participantes têm uma bolsa-auxílio de R$ 1.482,60, e atuam em uma jornada de 30h semanais. Em abril, 900 candidatas foram convocadas para mais uma etapa do programa, voltada à capacitação