Carlos Bolsonaro: ‘Moro ‘não da um pio sobre nada. Terceira via? Ok’

Publicado em

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto
O filho �??02�?? do presidente Jair Bolsonaro (PL) e vereador pelo Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro (Republicanos), criticou o silêncio do ex-ministro e pré-candidato nas eleições presidencias, Sergio Moro (Podemos), depois do bloqueio do Telegram, feito pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, mas já revogado. 

LEIA TAMB�?M: Com bloqueio do Telegram, pré-candidatos à Presidência perdem seguidores

De acordo com Carlos, o �??seletivo Sergio�?� não deu �??um pio�?� sobre vários assuntos importantes nos quais ele deveria ter se posicionado. Como, por exemplo, uma suspeita de superfaturamento na compra de respiradores no governo de São Paulo, liderado por João Doria (PSDB).
�??Moro escorrega mais que bagre ensaboado nos casos MBL�?�, pontuou. �??Agora mais essa? Terceria via? Ok.�?�, ironizou.

Telegram

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes revogou, na tarde de domingo (20/3), a decisão que determinava o bloqueio do aplicativo Telegram em todo o país. O ultimato ao aplicativo ocorreu na última sexta-feira (18/3). 
Segundo Moraes, a revogação foi definida porque o Telegram cumpriu as determinações judiciais que estavam pendentes, as mesmas que levaram o ministro a definir a suspensão do mensageiro.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Bolsonaro pode ser preso se incitar crime durante ato no domingo na avenida Paulista

(FOLHAPRESS) - Jair Bolsonaro (PL) pode ser preso se fizer apologia ou incitação ao crime durante manifestação convocada por ele na avenida Paulista, em São Paulo, neste domingo (25), afirmam especialistas. Os profissionais, entretanto, divergem sobre se a mera convocação do ato já poderia ensejar uma prisão preventiva, uma vez que o ex-presidente é investigado

Lula escolhe novo juiz, e TRE-PR deve marcar data do julgamento de Moro

(FOLHAPRESS) - O presidente Lula (PT) escolheu o advogado José Rodrigo Sade para a cadeira de juiz do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Paraná, corte que julgará o senador Sergio Moro (União Brasil) em um processo com pedido de cassação movido pelo PT e pelo PL. A nomeação de Sade, que figurava em uma lista

STF vê ‘omissão’ e torna réus oficiais da antiga cúpula da PM do DF

O Supremo Tribunal Federal colocou no banco dos réus sete oficiais da antiga cúpula da Polícia Militar do Distrito Federal acusados pela Procuradoria-Geral da República de omissão ante os atos golpistas de 8 de janeiro. Para a PGR, a conduta dos agentes favoreceu a invasão e a depredação dos prédios dos três Poderes em Brasília.