Furtos por fome, o ponto central

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Rafson Ximenes

A notícia mais relevante da semana não foi a definição da chapa governista, nem a migração do vice-governador para a chapa de oposição. Todos os pré-candidatos deveriam prestar muita atenção à informação revelada pela Defensoria Pública, que foi manchete de capa deste jornal na quinta-feira: os furtos famélicos dobraram nos últimos quatro anos. O motivo é óbvio e não é falta de polícia: a pobreza explodiu e a fome dobrou. Não sei o que pode ser mais importante para um governante do que reduzir os déficits acumulativos da pobreza. 

A volta tão intensa do monstro da fome não é um fato isolado. Seria reconfortante se pudesse ser imputado apenas à pandemia, mas não pode. A miséria ressurge após alguns anos em que vigora no país, com reflexos evidentes na Bahia, o desprezo à vida das pessoas pobres. A tentativa de punir os famintos com a prisão é irmã das execuções da juventude negra em ações policiais. �? prima da reforma que precarizou as relações de trabalho. �? filha direta das tentativas de desvalorização dos servidores e do serviço público.

A esfera pública foi dominada por conceitos que menosprezam a experiência real. Nos preocupamos muito com a �??opinião�?� e os �??sentimentos�?� do mercado, com a austeridade fiscal e com as vantagens para os grandes empresários. Em uma inversão narrativa, fala-se como se os mega-empreendedores atuassem abnegadamente pelo bem comum e não pelos seus próprios interesses. Já o Estado, precisaria se comportar tendo como objetivo principal a rentabilidade e não a melhoria das condições de vida. �? como se o Bahia fosse rubro-negro e o Vitória tricolor.

A classe empresária, com razão, preocupa-se com o seu retorno financeiro e, portanto, atuará apenas quando puder obter lucro e da forma que potencialize ao máximo os ganhos. Reduzir desigualdades, incluir socialmente, não é seu objetivo principal. O Estado é quem deve garantir saúde, educação, acesso à justiça, auxílios, moradia e condições dignas de vida para toda a população. Isso se faz com serviços e com servidores, não apenas com obras e concreto. Quem cuida de gente é gente.

Em um cenário de fome, desemprego e miséria, que não pode mais ser escondido, cabe aos pré-candidatos ACM Neto (União Brasil), Giovani Damico (PCB) Jerônimo Rodrigues (PT), João Roma (Republicanos) e Kleber Rosa (PSOL) pensarem bem nos seus programas. A Bahia precisa de preocupação com o bem-estar e a dignidade das pessoas. Não podem haver cidadãos de segunda categoria ou vidas que valham menos. Voltando aos furtos famélicos, o que explicaria que, na hora do julgamento, a defesa daquelas pessoas receba menos recursos que a acusação e o julgamento? �? aí que as opções se escondem.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

PT e Centrão se unem para quebrar acordo e retirar PL da presidência da CCJ

O PT e o Centrão articulam para quebrar um acordo firmado no começo do ano passado e tirar o PL, partido do ex-presidente Jair Bolsonaro, da presidência da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara neste ano. Se o plano se consolidar, a CCJ, o colegiado mais importante de todos da Casa, ficará com

Lula nomeia juiz no Paraná e tribunal marca data para julgamento que pode cassar mandato de Sérgio Moro

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR), desembargador Sigurd Roberto Bengtsson, marcou para o dia 6 de março a posse do novo desembargador eleitoral José Rodrigo Sade como membro efetivo da Corte na classe de jurista. Sade teve seu nome oficializado como integrante do TRE do paraná em publicação no Diário Oficial da

Juiz arquiva investigação sobre Haddad por suspeita de caixa 2 nas eleições de 2012

A Justiça Federal em São Paulo decretou o arquivamento de uma investigação policial sobre o ministro da Fazenda Fernando Haddad por suspeita de caixa 2 nas eleições municipais de 2012 - na ocasião, o petista disputou e venceu o pleito, derrotando o tucano José Serra na corrida à Prefeitura da Capital. A decisão judicial acolhe