‘Preferi amputar a sentir mais dor’, afirma esquiadora britânica

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Shona Brownlee é atleta do esqui alpino paralímpico

Aos 42 anos, a britânica Shona Brownlee disputou, pela primeira vez, uma edição dos Jogos Paralímpicos de Inverno, quando representou a Inglaterra no esqui alpino paralímpico em Pequim-2022. Terminou o evento sem medalhas, mas nada que a preocupasse. Para ela, estar na competição já foi uma vitória.

Shona não tinha o sonho de seguir no mundo esportivo. Na verdade, a grande paixão dela era tocar trompa, e ocupava seus dias com ensaios de orquestra e concertos. Mas, mesmo tendo estudado no conservatório de Birmingham, na Inglaterra, e na Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, a escocesa não encontrava trabalho facilmente.

Alguns amigos, então, sugeriram a Shona ingressar na Força Aérea, como música. Lá, ela poderia ir para concertos ao redor do mundo, e teria a sonhada estabilidade. Só que ela também precisava cumprir todos os requisitos básicos dos recrutas, e participar dos treinamentos.

Eis que, em 2012, ela sofreu um acidente simples, em uma doca de carregamentos. No inicio, achou que tinha apenas uma entorse de tornozelo, e que o problema se recuperaria sozinho. Mas a dor continuou, e Shona foi diagnosticada com síndrome de dor regional complexa.

A escocesa passou por vários tratamentos e cirurgias ao longo de seis anos, mas nada parecia funcionar. “Fiquei de muletas com uma perna que não andava”, disse, em entrevista à BBC. 

Em 2018, ela tomou uma decisão radical. “Depois de seis anos de muleta, parecia que não havia nenhuma decisão a ser tomada, porque minha perna não estava funcionando. Escolhi ter a minha perna amputada abaixo do joelho. Eu não tinha nada a perder”.

Após a operação, Shona recebeu uma prótese, e se adaptou bem. Enquanto fazia reabilitação, viu um anúncio da Força Aérea que oferecia ajuda a pessoas lesionadas, por meio de esportes. Entre eles, esqui. Ela se inscreveu e partiu para a Alemanha. “Seriam 10 dias para se divertir, mas esse foi o início da minha carreira”.

A escocesa gostou do esqui alpino paralímpico e começou a treinar seriamente, até chegar à equipe britânica. Hoje, ela faz parte do programa de equipe de elite da Força Aérea do Exército, e já ganhou mais de 20 campeonatos.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Estátua de Daniel Alves vai ser retirada após condenação? Prefeitura de Juazeiro diz estar “focada em demandas mais urgentes”

A estátua de Daniel Alves, localizada na cidade de Juazeiro, voltou a ser assunto nesta quinta-feira (22) após o jogador ser condenado a 4 anos e seis meses de prisão por estupro. A obra foi realizada em homenagem ao atleta em dezembro de 2020.   Com o veredito, a imagem do jogador poderia ser retirada da orla do município? Em

Prefeito de Feira de Santana diz que não confirma cancelamento da Micareta: “Só o tempo vai dizer”

O prefeito de Feira de Santana, Colbert Martins, afirmou, nesta quinta-feira (22), que não podia confirmar o cancelamento da tradicional Micareta e que a festa está mantida até o momento, mesmo após o decreto de Situação de Emergência do município, publicado nesta quarta-feira (21). A declaração foi dada ao site Acorda Cidade, parceiro do Bahia

Hulk renova contrato com Atlético-MG até 2026

O ídolo Hulk renovou seu contrato com o Atlético-MG até 2026, trazendo alívio aos torcedores. O atacante encerrou as especulações sobre uma possível transferência para a Europa ou Oriente Médio, garantindo sua permanência no clube. O anúncio da renovação foi feito nas redes sociais do Atlético-MG, destacando a trajetória de Hulk no time e seus