DF: mulheres com gigantomastia podem fazer cirurgia redutora pelo SUS

Publicado em

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

Mulheres que sofrem com gigantomastia já podem realizar cirurgia redutora pelo Sistema �?nico de Saúde (SUS) no Distrito Federal. �? que o governador Ibaneis Rocha (MDB) sancionou a lei que dá o direito a quem tem essa condição, e também aquelas com macrosmastia mamária, a fazerem o procedimento. A novidade saiu no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta quarta-feira (18/5).

Em 26 de abril, a Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) havia aprovado o projeto de lei que assegurava às mulheres com macromastia mamária ou gigantomastia bilateral a realização da cirurgia redutora. O PL é de autoria do deputado Eduardo Pedrosa (União Brasil).

Os problemas podem causar dores nos ombros, assaduras ao redor das mamas e marcas profundas na pele da alça do sutiã. Essas alteraço�?es podem ser irreversíveis, caso esse excesso de peso na�?o seja tratado a tempo, pois podem alterar anatomia da coluna vertebral causando hérnias de disco e desvios na coluna.

Agora, as cirurgias serão oferecidas às mulheres em casos de seios excessivamente grandes em que a paciente apresente sinais e sintomas de sofrimento. Um laudo médico deverá ser emitido por um médico ortopedista ou neurologista.

A partir daí, o atendimento e as cirurgias devem ser oferecidos pela rede hospitalar pública, por meio do órgão competente na área de saúde ou por convênio junto ao Sistema �?nico de Saúde (SUS). Os medicamentos do pós-operatório também devem ser fornecidos pelo GDF.

Quer ficar ligado em tudo o que rola no quadradinho? Siga o perfil do Metrópoles DF no Instagram

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

O post DF: mulheres com gigantomastia podem fazer cirurgia redutora pelo SUS apareceu primeiro em Metrópoles.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Só governadores do PL foram ao ato de Bolsonaro em Copacabana

Não foi apenas o público ontem que esteve abaixo de outros atos promovidos por Jair Bolsonaro. O peso do palanque também diminuiu em Copacabana em relação às manifestações anteriores promovidas pelo ex-presidente. Ao decidir usar sua presença para promover candidaturas do PL às próximas eleições municipais, Bolsonaro não conseguiu levar ao Rio governadores que estiveram

Diálogo com o Congresso continua e ofensa vinda de Lira é ‘episódio superado’, diz Padilha

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, reiterou que o diálogo entre o Planalto e o Congresso Nacional continua e disse que a tensão entre ele e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) é um "episódio superado". Em entrevista à CNN Brasil, Padilha foi questionado sobre o atrito entre ele e Lira

Aliados de Lula minimizam ato de Bolsonaro no Rio; STF, militares e Pacheco silenciam

(FOLHAPRESS) - Aliados e ministros do governo Lula (PT) minimizaram o impacto do ato de Jair Bolsonaro (PL) em Copacabana, no Rio de Janeiro, neste domingo (21). Alvos dessa manifestação, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), optaram pelo silêncio. Integrantes do primeiro escalão do governo