Kalil relembra fala de Zema sobre ‘arrumar empregada por 300 reais’

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Alexandre Kalil (PSD), pré-candidato ao governo de Minas, em viagem ao Vale do Jequitinhonha, nesta sexta-feira (3/6), relembrou uma fala do governador Romeu Zema (Novo) de que na região se “contrata uma empregada doméstica para ganhar 300 reais por mês”.

 

Além disso, o ex-prefeito de Belo Horizonte criticou o salário dos professores da rede estadual e comentou sobre seu primeiro contato com o ex-presidente Lula (PT).

 

Leia: Pesquisa Big Data: Zema lidera em Minas com 43%; Kalil tem 29%

 

“Aquele idiota [se referindo ao governador Zema] achou que ia arrumar empregada doméstica a 300 reais”, afirmou para a plateia durante o evento, que contou com a presença de lideranças petistas, como André Quintão e Reginaldo Lopes, e do candidato ao Senado Alexandre Silveira (PSD).

As críticas à gestão atual de Minas Gerais seguiram na área da Educação. O ex-prefeito de Belo Horizonte afirmou que os professores municipais “recebem mais que o dobro que os do Estado”.

Kalil disse que gosta de cuidar do povo e que “o governante é quem cuida do povo. Só posso cuidar do povo do Jequitinhonha, do Mucuri, do Norte de Minas, do Triângulo e do Sul se esse povo me entregar a caneta para eu despachar aquele bilionário, aquela Fiemg do poder”.

Kalil ainda disse que, no primeiro contato com Lula, o petista disse “levanta dessa cadeira (de prefeito de Belo Horizonte) que eu (Lula) vou governar o Brasil e você vai governar Minas Gerais”.

Kalil x Zema

Os pré-candidatos vêm trocando ataques pessoais nos últimos dias. Na quinta-feira (2/6), Kalil chamou Zema de “débil mental” e afirmou que o rival é “mentiroso”.

Já Romeu Zema afirmou que o ex-presidente do Atlético “sempre viveu na sobra do pai” e que o clube melhorou após a saída dele. Também desafiou Kalil a fazer um teste de QI.

“Prefiro falar que o governador de Minas é um débil mental do que dar entrevista falando que o prefeito de Belo Horizonte não fez nada para (combater) a enchente – enquanto estamos com 159 obras de encosta e uma obra de quase R$ 400 milhões para debelar enchentes. Então ele mente. Ele mente. Melhor ser chamado de débil mental – eu sou -, mas mentiroso eu não sou”, disse Kalil.

 

O “Beabá da Política”

A série Beabá da Política reuniu as principais dúvidas sobre eleições em 22 vídeos e reportagens que respondem essas perguntas de forma direta e fácil de entender. Uma demanda cada vez maior, principalmente entre o eleitorado brasileiro mais jovem. As reportagens estão disponíveis no site do Estado de Minas e no Portal Uai e os vídeos em nossos perfis no TikTok, Instagram, Kwai e YouTube.

Confira os vídeos já publicados:

#01: Como tirar o primeiro título de eleitor?
#02: O que significa anular o voto na eleição?
#03: Quais são as funções dos Três Poderes?
#04: Qual a diferença entre o Senado e a Câmara? 

 

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Lula diz que é preciso criar um telefone para as pessoas reclamarem do governo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse nesta segunda-feira, 22, que o governo precisa criar um telefone para que as pessoas possam "se queixar se as coisas não estão acontecendo". A declaração ocorreu no lançamento do programa Acredita, um pacote de medidas que prevê crédito e renegociação de dívidas para os pequenos negócios

É muito importante que Congresso aprove lei das fake news e lei que regula IA, diz Lewandowski

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, defendeu a aprovação do projeto de lei das fake news, que regula a atuação das plataformas digitais no País, e o da regulamentação da Inteligência Artificial. "A mim me parece muito importante que Congresso aprove lei das fake news e a lei que regula Inteligência Artificial

Bolsonaro quer replicar atos pelo Brasil, e aliados devem manter Moraes na mira

(FOLHAPRESS) - O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) quer replicar em outras cidades do país os atos que já ocorreram em Copacabana, no Rio, e na avenida Paulista, em São Paulo. A ideia, segundo aliados, é fazer uma manifestação no Sul, outra no Nordeste e uma em Brasília. A próxima deve ser em Joinville (SC), possivelmente