Exposições mostram arquitetura com o DNA italiano em Salvador e no Rio

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Um das construções mais belas da cidade, O Palacete das Artes recebe, a partir de terça-feira (9), duas exposições Dell�??Architettura, com abordagens diferentes e complementares, realizadas pelo Instituto Italiano de Cultura: no andar térreo, está A Presença Italiana na Paisagem Soteropolitana e no pavimento superior, Investigação Fotográfica sobre a Influência Italiana na Paisagem Carioca.
 
A primeira mostra como Salvador foi transformada, nas três primeiras décadas do século passado, por um grupo de imigrantes italianos – engenheiros, arquitetos, construtores, decoradores, pintores e escultores, oriundos de regiões italianas como a Calábria, Toscana,  Basilicata, Lácio,  Piemonte e Sicília. As imagens são de Manuel Sá. 

Segundo o curador Nivaldo Andrade, eles colocaram em prática um estilo chamado Ecletismo, caracterizado pela profusão de ornamentos, tanto nas fachadas quanto nos interiores, contrastando com a vetustez dos sobrados coloniais que ainda predominavam em Salvador. E pela incorporação inédita  de  sofisticados elementos de ferro e vidro fabricados em países como Inglaterra, Alemanha, França ou Estados Unidos. Entre os vários exemplos estão a monumental escadaria do Palácio Rio Branco ou na elegante marquise lateral do Palacete do Comendador Bernardo Martins Catharino �?? onde funciona o museu. 

Dentre estes personagens, os primeiros italianos a chegar a Salvador foram artistas, como o escultor Pasquale De Chirico  e o pintor florentino Oreste Sercelli, que chegaram por volta de 1905 para trabalhar na reconstrução da antiga Faculdade de Medicina, no Terreiro de Jesus. A obra que assinalou o início deste processo em Salvador é o palacete do Comendador Bernardo Martins Catharino, atual Palacete das Artes. Para projetá-lo, o proprietário trouxe, da então capital, o Architecto Constructor Battista Rossi, que se consolidaria como o projetista preferido da nova burguesia baiana. Santoro, por sua vez, foi o autor das principais obras públicas das décadas de 1910 e 1920.

foto luigi fossati
Foto: Divulgação

A segunda mostra traz o mesmo mapeamento na capital carioca,  onde os italianos deixaram suas marcas em prédios históricos como o Moinho Fluminense, na Zona Portuária; o Hospital da Cruz Vermelha, no Centro, e a atual sede da EAV, no Parque Lage. A mostra traz 37 painéis fotográficos em preto e branco de prédios que têm a Itália no DNA. As imagens são do fotógrafo, professor e artista visual Aristides Corrêa Dutra, que assina a curadoria e os textos da mostra juntamente com a diretora do Instituto Italiano de Cultura do Rio de Janeiro, Livia Raponi.
 
SERVI�?O

Abertura: dia 9 de agosto, às 18h30
Local: Palacete das Artes
Endereço: Rua da Graça, 284, Graça, Salvador, Bahia. 
Visitação: 10 de agosto a 9 de outubro
Horário: de terça a sábado, das 13h às 18h

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Bolsonaro pode ser preso se incitar crime durante ato no domingo na avenida Paulista

(FOLHAPRESS) - Jair Bolsonaro (PL) pode ser preso se fizer apologia ou incitação ao crime durante manifestação convocada por ele na avenida Paulista, em São Paulo, neste domingo (25), afirmam especialistas. Os profissionais, entretanto, divergem sobre se a mera convocação do ato já poderia ensejar uma prisão preventiva, uma vez que o ex-presidente é investigado

Lula escolhe novo juiz, e TRE-PR deve marcar data do julgamento de Moro

(FOLHAPRESS) - O presidente Lula (PT) escolheu o advogado José Rodrigo Sade para a cadeira de juiz do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Paraná, corte que julgará o senador Sergio Moro (União Brasil) em um processo com pedido de cassação movido pelo PT e pelo PL. A nomeação de Sade, que figurava em uma lista

STF vê ‘omissão’ e torna réus oficiais da antiga cúpula da PM do DF

O Supremo Tribunal Federal colocou no banco dos réus sete oficiais da antiga cúpula da Polícia Militar do Distrito Federal acusados pela Procuradoria-Geral da República de omissão ante os atos golpistas de 8 de janeiro. Para a PGR, a conduta dos agentes favoreceu a invasão e a depredação dos prédios dos três Poderes em Brasília.