Diretor de ‘Dahmer’ confronta Netflix após decisão envolvendo a série: ‘Não gostei’

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos
design sem nome 2022 11 04t122034.810

Diretor de “Dahmer: Um Canibal Americano”, Ryan Murphy contou que bateu de frente com a Netflix após a plataforma de streaming tomar uma decisão que ele não concordou envolvendo a série que produziu e passou semanas entre os títulos mais assistidos. O que o incomodou o diretor foi a Netflix tirar a tag LGBTQIA+ do título após algumas pessoas criticarem nas redes sociais o fato da história do serial killer Jeffrey Dahmer ser classificada nessa categoria. “Não acho que todas as histórias gays tenham que ser histórias felizes. Houve um momento na Netflix em que eles removeram a tag LGBTQ de ‘Dahmer’ e eu não gostei. Perguntei por que eles fizeram isso e eles disseram que as pessoas estavam chateadas porque era uma história perturbadora. Eu fiquei tipo: ‘Bem, sim’. Mas era a história de um homem gay e, mais importante, de suas vítimas gays”, contou Murphy ao The New York Times. O diretor ressaltou que a produção também traz representatividade e citou o episódio focado em Tony Hughes, uma das vítimas de Dahmer. “Há uma cena de cinco minutos de três gays surdos em uma pizzaria falando em linguagem de sinais sobre namoro, vida gay e como é difícil para eles. Eu não podia acreditar que estava recebendo o presente de colocá-lo na televisão”, comentou. 

O sucesso da série foi tanto que, pouco antes do Halloween, começaram a surgir em sites de vendas online anúncios de fantasias inspiradas no serial killer, que na produção de Murphy é vivido pelo ator Evan Peters. Nos Estados Unidos, o site eBay chegou a banir esse tipo de anúncio. “O mundo é um lugar escuro e está se tornando cada vez mais escuro, e as pessoas estão procurando um lugar para depositar suas ansiedades”, avaliou o diretor. Ele também rebateu as críticas de que a produção explora o drama das famílias das vítimas do canibal. Murphy falou que fez a série para mostrar o racismo e a homofobia que permearam esse caso, pois, para ele, a história de Dahmer é um nítido exemplo de “como é fácil se safar das coisas com os aspectos do privilégio branco”. Vale pontuar que a maioria das vítimas do serial killer eram homens negros e que a polícia foi alertada diversas vezes que algo estranho estava acontecendo no apartamento que Dahmer vivia. Murphy passou três anos e meio pesquisando o caso e disse que entrou em contato com pelo menos 20 amigos e familiares das vítimas tentando obter informações. 

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Codesal realiza simulado de evacuação de área em Cajazeiras no sábado (24)

A Defesa Civil de Salvador (Codesal) realizará mais um simulado de evacuação de 2024 no próximo sábado (24), a partir das 9h. Desta vez, a ação acontece simultaneamente nas comunidades Irmã Dulce, em Cajazeiras VI, e Mangabeira, em Cajazeiras VIII. O objetivo é capacitar os atores envolvidos em um processo de evacuação de áreas de

Pais de Gabby Petito chegam a acordo com pais de noivo acusado de assassinato

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O caso Gabby Petito teve mais um capítulo nesta semana, nos Estados Unidos. Os pais da influenciadora de viagens morta pelo noivo, em 2021, chegaram a um acordo com os familiares de Brian Laundrie em uma ação judicial por sofrimento e dano emocional. O advogado dos parentes da blogueira disseram

Marajó: governo diz que exploração sexual é preocupante e lista ações

O Ministério dos Direitos Humanos informou, na noite desta quinta-feira (22/2), que tem adotado ações na Ilha do Marajó, no Pará, para o combate do abuso e da exploração sexual de crianças e adolescentes. A nota dos Direitos Humanos foi divulgada após um vídeo circular nas redes sociais da cantora Aymeê Rocha em um reality show evangélico.