Lula não pretende dividir Desenvolvimento Social com o Centrão

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Na sua passagem pelo Piauí na última sexta-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva garantiu a seu ministro Wellington Dias, do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, que o ministério não será fatiado e que parte das atribuições da pasta não será mais destinada ao Centrão. Em conversa reservada com o ministro, Lula lhe deu essa garantia. Dias tem resistido a essa ideia. 

 

Na nova formatação do governo, com a entrega de cargos de primeiro escalão para partidos desse grupo de centro-direita, o MDS está listado como alvo da cobiça de integrantes do PP e dos Republicanos. 

 

Nessa divisão, Dias tocaria o Bolsa Família e o programa de combate à fome e a outra parte ficaria responsável pelas ações de assistência social. Essa possibilidade saiu dos bastidores e se tornou pública. Na semana passada, o ministro se manifestou contra o risco de entregar um naco da pasta ao Centrão. 

 

“O alicerce de tudo são os sistemas, está na Constituição, está na Lei Orgânica da Assistência Social. O alicerce é um sistema e uma rede, são dois sistemas: o Sistema Único da Assistência Social (Suas) e o Sistema da Segurança Alimentar e Nutricional (Sisan). De um lado, redução da fome e, de outro, redução da pobreza, só funcionam juntos. Não existe Bolsa Família sem Cadastro Único (CadÚnico) não existe Cadastro Único sem o CRAS (Centro de Referência de Assistência Social), sem as redes”, declarou Dias.

 

Com a divisão, estes setores do ministério funcionariam separados e sob comandos distintos. O fatiamento do MDS desagrada também outros agentes envolvidos na rede de proteção às pessoas mais vulneráveis do país,  como os segmentos da área social nos estados e nas Prefeituras e entidades não governamentais. 

 

Leia: Votação: Lira obriga presença de deputados nesta segunda-feira 

Mapa da Fome

Outro argumento dos defensores da manutenção do ministério na estrutura que está é que para se excluir o Brasil do Mapa da Fome é preciso manter a unificação e um só comando para essas diversas áreas. É uma promessa de Lula na campanha eleitoral.

 

Relatório das ONU (Organizações das Nações Unidas), de 2021, inseriu o país novamente nesse mapa e mostrou que um terço dos brasileiros vive em situação de insegurança alimentar grave ou moderada.

 

O nome do político do Centrão que está cotado para um cargo de alta relevância na Esplanada dos Ministérios é o do deputado André Fufuca (PP-MA), muito ligado ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), mas sem afinidade com o tema social. 

Reforma ministerial

A reforma ministerial anda em compasso de espera. Hoje (dia 4) completa exatamente um mês que o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, confirmou os nomes de Fufuca e o de Silvio Costa Filho (Republicanos-PE) para integrarem o ministério. Desde então, os dois circulam pelo Congresso sendo abordados como “ministros” pelos colegas. Mas, até agora, nada de nomeação.

Leia: Lula anuncia criação do Ministério da Pequena e Média Empresa

“Já tem uma decisão do presidente Lula de trazer esses dois parlamentares que representam bancadas importantes no Congresso. São parlamentares que só podem vir para ocupar ministérios”, disse Padilha, há um mês.

 

Na conversa entre Lula e Dias, ficou definido também que o Fundo Garantidor para promover a inclusão socioeconômica de pessoas de baixa renda será instituído por medida provisória, a ser encaminhada ao Congresso Nacional nas próximas semanas.

 

 

image

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Juiz arquiva investigação sobre Haddad por suspeita de caixa 2 nas eleições de 2012

A Justiça Federal em São Paulo decretou o arquivamento de uma investigação policial sobre o ministro da Fazenda Fernando Haddad por suspeita de caixa 2 nas eleições municipais de 2012 - na ocasião, o petista disputou e venceu o pleito, derrotando o tucano José Serra na corrida à Prefeitura da Capital. A decisão judicial acolhe

PF mira trama golpista em depoimento conjunto de Bolsonaro e outros 22

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) prestou depoimento na tarde desta quinta-feira (22) à Polícia Federal sobre os planos discutidos no fim de 2022 para um golpe de Estado contra a eleição de Lula (PT) à Presidência da República. O depoimento foi marcado para iniciar às 14h30. Ex-ministros, ex-assessores, militares e aliados

Bolsonaro pode ser preso se incitar crime durante ato no domingo na avenida Paulista

(FOLHAPRESS) - Jair Bolsonaro (PL) pode ser preso se fizer apologia ou incitação ao crime durante manifestação convocada por ele na avenida Paulista, em São Paulo, neste domingo (25), afirmam especialistas. Os profissionais, entretanto, divergem sobre se a mera convocação do ato já poderia ensejar uma prisão preventiva, uma vez que o ex-presidente é investigado