Zema seria derrotado se a votação fosse hoje

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos
Sem conhecimento e apreço pela interlocução política, Zema seria derrotado hoje se o seu projeto de adesão ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF) fosse à votação na Assembleia. O das privatizações também. Não se trata de pesquisa, mas pelo simples fato de ele não ter os votos necessários. Por várias razões. Primeiro, a fama do governador junto aos deputados não é boa, é de alguém que não cumpre os combinados, que não tem liderança própria nem líderes aliados capazes de guiar o voto dos aliados.
No papel, põem 57 deputados como aliados, mas, na prática e no plenário, não chegam a 39 (número mínimo para sessões de votação). Aprovação de projetos complexos exigem 49 votos. Basta conferir as últimas votações, que exigiam só maioria simples: venceu por 33 a 30 e 31 a 27. Fora do plenário também.
O primeiro encontro oficial que realizou com os deputados da base, na terça (17), no suntuoso Palácio da Liberdade, desde 2019, foi um fiasco e reafirmação desse desarranjo. Passaram por lá 40 a 45 deputados; boa parte ficou alguns minutos. Quando o governador assumiu o microfone, foi ouvido por uns 30.
Disse Zema que, agora, mudará de postura e que, quando for chamado para reunir-se com deputados, vai “postergar as viagens”. A relação não é boa, menos por culpa dele e mais por conta da equipe da articulação política.
O governador já teve quatro secretários dessa área numa rotatividade reveladora dos fracassos. O que Zema não entendeu, nem o núcleo do governo, é que, sem uma forte aliança com o presidente da Assembleia, não irá avançar. É ele quem comanda a pauta e os ritmos dos trabalhos legislativos. Foi assim, no primeiro mandato de Zema, na gestão do então presidente do Legislativo, Agostinho Patrus.
Agora, o presidente é outro, Tadeu Leite (MDB), que chegou lá derrotando o próprio governador e sua máquina de erros. O comando da Assembleia mudou, mas não a realidade. Tadeu é diferente de Agostinho, que se cansou da forma errática do partido Novo, mas tudo tem limite e paciência. Até o momento, Tadeu tem colaborado, mas não cabe a ele influenciar o voto dos deputados.

Acredite se quiser

Zema contestou que vá congelar reajuste salarial dos servidores pelo prazo de 9 anos de adesão ao RRF. Fez mais, prometeu dar duas revisões salariais, sem dizer o que é, quando ou os índices. Sabe-se que reposição salarial é atualização inflacionária dos ganhos; reajuste é o aumento acima da inflação. Revisão não tem definição objetiva. Além disso, ele terá mais três anos de mandato e não poderá garantir o que farão os sucessores nos outros seis anos.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

PF mira trama golpista em depoimento conjunto de Bolsonaro e outros 22

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) prestou depoimento na tarde desta quinta-feira (22) à Polícia Federal sobre os planos discutidos no fim de 2022 para um golpe de Estado contra a eleição de Lula (PT) à Presidência da República. O depoimento foi marcado para iniciar às 14h30. Ex-ministros, ex-assessores, militares e aliados

Bolsonaro pode ser preso se incitar crime durante ato no domingo na avenida Paulista

(FOLHAPRESS) - Jair Bolsonaro (PL) pode ser preso se fizer apologia ou incitação ao crime durante manifestação convocada por ele na avenida Paulista, em São Paulo, neste domingo (25), afirmam especialistas. Os profissionais, entretanto, divergem sobre se a mera convocação do ato já poderia ensejar uma prisão preventiva, uma vez que o ex-presidente é investigado

Ex-estrela da Disney assume cargo de CEO em empresa espacial nos EUA

A atriz e cantora Bridgit Mendler, conhecida por seu papel na série da Disney "Boa Sorte, Charlie" e no filme "Lemonade Mouth", assumiu recentemente o cargo de CEO da Northwood Space, uma empresa espacial de satélites na Califórnia, EUA.  Mendler não é apenas um rosto bonito. Ela é cofundadora da startup, que tem como objetivo