Relatório mostra que recorde de emissões de CO2 será batido no mundo em 2023

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 3 minutos
co2 g895a2e6cf 1920

Apesar das advertências climáticas dos cientistas, a quantidade total de dióxido de carbono (CO2) emitida na atmosfera, longe de ser reduzida, alcançará um novo recorde em 2023, com 40,9 bilhões de toneladas, segundo dados do novo relatório anual divulgado pelo Global Carbon Project no âmbito da COP-28. O relatório, denominado “Global Carbon Budget”, que oferece uma visão global do ciclo do carbono, foi elaborado por pesquisadores da Universidade de Exeter (Reino Unido), da Universidade de East Anglia (UEA), do Centro de Pesquisa Climática Internacional (Noruega), da Universidade Ludwig-Maximilians de Munique e de 90 outras instituições de todo o mundo. Esta é a décima oitava edição do relatório, que envolve mais de 120 cientistas, e será publicada na revista Earth System Science Data. De acordo com os dados, as emissões de dióxido de carbono (CO2) de combustíveis fósseis, a principal fonte do efeito estufa global que causa a crise climática, devem ter aumentado 1,1% em relação a 2022, um novo recorde, para 36,8 bilhões de toneladas até o final de 2023.

Quando as emissões de CO2 fóssil e as emissões da mudança no uso da terra são somadas, o total aumentará para 40,9 bilhões de toneladas este ano, de acordo com as previsões para o final de 2023. O número geral é superior ao de 2022, quando teriam sido emitidas 40,6 bilhões de toneladas de CO2, e confirma a distância que persiste em relação às metas climáticas globais a serem cumpridas, que deveriam ser “urgentes”, segundo o relatório. Embora com grandes incertezas, o trabalho sugere que, na taxa atual de emissões, há 50% de chance de que, em cerca de sete anos, o aquecimento global ultrapasse um limite normalizado de 1,5°C acima dos níveis térmicos da era pré-industrial. Enquanto cerca de metade do CO2 ainda é absorvido por “sumidouros” terrestres, como florestas e oceanos, o restante das emissões permanece na atmosfera e causa mudanças climáticas. De acordo com os números, as emissões de CO2 fóssil estão diminuindo em algumas regiões geográficas, incluindo a Europa e os Estados Unidos, mas, em geral, estão aumentando globalmente.

Os cientistas alertam que as ações globais para reduzir os combustíveis fósseis não estão sendo rápidas o suficiente para evitar mudanças climáticas “perigosas”. Prevê-se que as emissões provenientes de mudanças no uso da terra (como o desmatamento) diminuam “ligeiramente”, mas não seriam suficientes para compensar os níveis de reflorestamento e florestamento (novas florestas). “Parece inevitável que ultrapassaremos a meta de 1,5°C do Acordo de Paris”, alerta o professor Pierre Friedlingstein, do Global Systems Institute de Exeter e diretor do relatório. Diante da situação, a cúpula do clima que está sendo realizada até o dia 12 em Dubai terá de chegar a um acordo sobre “cortes rápidos nas emissões fósseis” que impeçam que a temperatura do planeta ultrapasse esses níveis ou, pelo menos, mantenham a meta de não ultrapassar um aumento de 2°C em relação à era pré-industrial.

“Todos os países precisam descarbonizar suas economias mais rapidamente do que no presente para evitar os piores impactos das mudanças climáticas”, disse ele. O relatório inclui dados importantes que confirmam que as tendências regionais na luta contra o clima variam muito. De acordo com os indicadores, as emissões de CO2 em 2023 devem aumentar na Índia (8,2%) e na China (4,0%), e diminuir na União Europeia (-7,4%), nos Estados Unidos (-3,0%) e no resto do mundo (-0,4%). Por tipo de fonte, projeta-se que as emissões globais de carvão (1,1%), petróleo (1,5%) e gás (0,5%) aumentem.

Prevê-se que as emissões atmosféricas de CO2 atinjam uma média de 419,3 partes por milhão (ppp) em 2023, 51% acima dos níveis pré-industriais. De acordo com os números, as emissões globais de CO2 provenientes de incêndios florestais em 2023 foram maiores do que a média devido a uma temporada de incêndios extrema no Canadá, com um impacto de seis a oito vezes maior do que a média. Os níveis de remoção de dióxido de carbono com tecnologia – excluindo a remoção de CO2 com projetos naturais, como o reflorestamento – chegam a aproximadamente 0,01 milhão de toneladas de CO2, o que é mais de 1 milhão de vezes menor do que as atuais emissões de CO2 fóssil.

*Com informações da EFE

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Cuba pede ajuda à ONU por escassez de leite a menores de 7 anos no país

O governo de Cuba solicitou ajuda ao Programa Mundial de Alimentos (PMA), um dos braços da ONU, pela primeira vez. O país tem enfrentado dificuldades para continuar entregando leite a crianças menores de sete anos. Um comunicado oficial de governo cubano foi enviado ao PMA, que já está agilizando o envio de leite em pó

Juiz que ordenou multa de milhões a Trump recebe envelope com pó branco

Um envelope que continha um pó branco e que estava enderençado ao juiz que considerou Donald Trump culpado num caso de fraude gerou momentos de pânico num tribunal em Nova York, nos Estados Unidos. De acordo uma fonte próxima da situação, citada pelas publicações internacionais, o envelope nunca chegou ao juiz e questão, Arthur Engoron.

Morre Cat Janice, cantora que viralizou com música para garantir o futuro do filho

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Cat Janice, a cantora que viralizou em janeiro com música feita para o filho, morreu nesta quarta-feira (28) aos 33 anos. A notícia foi divulgada pelo seu perfil nas redes sociais. Ela enfrentava um câncer no pulmão desde julho do ano passado. "Na manhã de hoje, na casa onde passou