Na Nigéria, militares erram alvo e matam 85 civis por engano

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Militares da Nigéria usaram drones para atacar grupos armados no norte do país, mas acabaram matando, por engano 85 civis. As vítimas participavam de uma cerimônia religiosa e tiveram a morte confirmada pelas autoridades na segunda-feira (4/12).

O ataque aconteceu na noite de domingo (3/12), na aldeia de Tudun Biri, no estado de Kaduna. Milhares de muçulmanos se reuniam na região para celebrar o aniversário do profeta Maomé. O governador de Kaduna, Uba Sani, disse que civis foram “mortos por engano e muitos outros foram feridos” por um drone “que visava terroristas e bandidos”.

A Agência Nacional de Gestão de Emergências afirmou em comunicado que “85 cadáveres foram enterrados até agora”. Mas as buscas continuam.

O número de vítimas pode ser maior. De acordo com o escritório da Anistia Internacional na Nigéria, os mortos podem chegar a 120. “Muitos deles eram crianças [e] mais cadáveres estão sendo descobertos mais cadáveres”, apontou Isa Sanusi, diretora do grupo na Nigéria, à agência de notícias Associated Press.

Nesta terça-feira (5/12), o presidente nigeriano Bola Ahmed Tinubu ordenou uma investigação. “O presidente Tinubu descreve o incidente como muito infeliz, perturbador e doloroso, expressando indignação e pesar pela trágica perda de vidas nigerianas”, afirmou a Presidência em um comunicado.

Década de terror na Nigéria Nos últimos nove anos, ataques desse tipo têm sido cada vez mais comuns. O governo manda aeronaves e drones para áreas em conflito armado, principalmente no centro, norte e noroeste do país. Entre fevereiro de 2014 – quando um avião militar nigeriano lançou uma bomba sobre Daglun, no estado de Borno, matando 20 civis – e setembro de 2022, houve pelo menos 14 bombardeiros do tipo em áreas residenciais.

Extremistas rebeldes invadem aldeias e causam devastação. E estão cada vez mais fortes. Já houve caso de um grupo atacar um avião de combate da Força Aérea e também ônibus com civis dentro, quando fizeram diversas pessoas de reféns e pediram resgate.

Em resposta, o governo ataca supostos esconderijos dos rebeldes, mas acaba vitimando civis.

Uba Sani, o governador do estado, afirmou que o governo mandou representantes à aldeia atingida no domingo para se encontrarem com as famílias das vítimas. E confirmou que uma investigação se encontra em andamento.

“Estamos determinados a evitar uma repetição desta tragédia e a assegurar ao nosso povo que a sua proteção será priorizada na luta sustentada contra terroristas, bandidos e outros elementos criminosos”, apontou.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Ator Joaquim Lopes sai da Globo após 14 anos e diz ter deixado as portas abertas

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ator Joaquim Lopes anunciou que saiu da Globo após 14 anos de contrato com a emissora. Ele trabalhou em novelas como "Sangue Bom", "Império" e "Orgulho e Paixão", além de ter apresentado o programa Video Show ao lado da atriz Sophia Abrahão. "Que escola. Quanta coisa aconteceu aqui, meu

SP Alto Astral: Prefeitura inaugura 93º Núcleo de Convivência do Idoso

O público da “melhor idade” conta com mais um serviço na capital paulista. A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, inaugurou neste mês mais um Núcleo de Convivência do Idoso (NCI) – o 93º da capital. O NCI Tia Dirce fica no bairro de São Mateus, Zona

Sei que vou ouvir críticas, diz Rafa Kalimann sobre sua atuação em ‘Família É Tudo’

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Há um ano, Rafa Kalimann estava animada com um novo trabalho. Ela havia sido escalada para participar de "Vai na Fé", mas foi barrada e deixou de fazer parte do elenco da novela de sucesso de Rosane Svartman por um motivo: ela não tinha registro profissional, o que é