Índia proíbe venda de algodão doce por possuir substância cancerígena

Publicado em

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

Alguns estados da Índia estão proibindo a venda de algodão doce. O motivo? Um estudo concluiu que o produto possui uma substância cancerígena, a Rodamina-B.

No início deste mês, o território da união de Puducherry proibiu a venda do doce, enquanto outros estados começaram a testar amostras do mesmo.

Na semana passada, foi a vez do estado de Tamil Nadu implementar a mesma proibição.

Rodamina-B é um composto químico orgânico e um corante. Este é suspeito de ser cancerígeno e, portanto, produtos que o contenham devem ter um aviso na sua embalagem.

No país, note-se, muitos dos algodões doces vendidos na rua são fruto de fabricação caseira, sendo impossível controlar a sua segurança.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

EUA: Idosa assalta banco e leva 500 dólares (após ser vítima de golpe)

Uma mulher, de 74 anos, foi presa depois de ter assaltado um banco em Hamilton, no estado norte-americano de Ohio. De acordo com a CBS News, tudo aconteceu no 19 de abril, quando a mulher, com uma máscara de proteção e roupas neutras entrou numa agência e "exigiu dinheiro enquanto mostrava uma arma". Horas depois

Dezenas de baleias encalham em massa na Austrália

Cerca de 160 baleias-piloto encalharam em uma praia perto da cidade de Dunsborough, no sudoeste do estado da Austrália, nesta quinta-feira (25). Pelo menos 26 delas, morreram. A área é uma região popular entre os turistas, e a cerca de 236 km ao sul da capital do estado, Perth. Os funcionários do Departamento de Biodiversidade

Gripe aviária: OMS quer rede mundial e alerta para “potencial epidêmico”

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou, esta quarta-feira (25), para a importância de criar redes mundiais de detenção do vírus H5N1, que causa a gripe aviária, e que tem vindo criar alertas. Segundo a epidemiologista Maria Van Kerkhove, apesar de a rede de vigilância das aves já estar muito desenvolvida, "o que realmente precisamos