Carlos Bolsonaro quer fim de cardápios vegetarianos em escolas para atacar a ‘esquerda’

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

O vereador do Rio Carlos Bolsonaro (PL), filho “zero dois” do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), apresentou um projeto de lei que proíbe cardápios vegetarianos e veganos nas escolas e creches da capital fluminense. A medida busca impedir o avanço da pauta de alimentação sem origem animal nas escolas que, segundo o parlamentar, é tema “sequestrado” pela “militância mais radical de esquerda”.

O projeto de lei de Carlos estipula que a instituição de cardápios vegetarianos e veganos deverão ser proibidos nas escolas. O filho do ex-presidente também prevê que os professores estarão proibidos de “estimular” a mudança do hábito alimentar dos estudantes por meio de workshops, seminários e palestras.

Estadão procurou Carlos Bolsonaro, o presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, vereador Carlo Caiado (União) e o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), mas não obteve retorno até o momento.

Ao longo da justificativa do projeto de lei, Carlos cita diversas reportagens que, supostamente, dariam razão para a proibição dos cardápios veganos e vegetarianos nas escolas. O parlamentar não cita dados científicos comprovados que possam motivar a medida.

O vereador ainda argumenta que os cardápios vegetarianos são adotados em “função de ecofanatismo alheio”. Por isso, o parlamentar defende que o seu projeto evitaria que o Executivo da capital carioca se intrometa “numa particularidade que inequivocamente pertence às famílias, que não são obrigadas a adotar agendas militantes a título de “alimentação saudável”.

A proposta ainda deve passar pelas Comissões de Justiça e Redação; de Administração e Assuntos Ligados ao Servidor Público; de Abastecimento Indústria Comércio e Agricultura; de Higiene e Saúde Pública e Bem-Estar Social e de Educação. Antes de virar de virar lei, projeto precisa ser aprovado por maioria na Câmara e ser sancionado por Eduardo Paes.

No mês passado, Carlos deixou o Republicanos, partido no qual foi eleito vereador em 2020, para se filiar ao PL, partido do pai. Na sigla, o parlamentar irá coordenar a campanha do deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ) à prefeitura do Rio.

Carlos está no sexto mandato de vereador no Rio, sendo eleito em todas as ocasiões com a ajuda do capital político do ex-presidente. Quando assumiu pela primeira vez uma cadeira na câmara municipal, em 2000, ele tinha acabado de completar 18 anos.

Em mais de 23 anos na Câmara Muncicipal, Carlos aprovou 13 projetos que se tornaram leis na capital fluminense. Outros quatro projetos de autoria do parlamentar que foram avalizados pelos vereadores foram posteriormente considerados inconstitucionais.

Leia Também: STF julga limites e critérios para apurações do Ministério Público

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Lula manifesta pesar pela morte do presidente do Irã

 O presidente Luiz Inácio Lula da Silva lamentou, nesta segunda-feira (20), a morte do presidente do Irã, Ebrahim Raisi, e do chanceler do país, Hossein Amir Abdollahian. Neste domingo (19), o helicóptero que transportava as autoridades caiu, sob forte neblina, em uma área montanhosa no noroeste iraniano. “Minhas condolências aos familiares de todas as vítimas, ao

Liverpool anuncia Arne Slot, ex-técnico do Feyenoord, como substituto de Jürgen Klopp

O Liverpool anunciou nesta segunda-feira (20) o holandês Arne Slot como o novo treinador. Ele vai ficar no lugar de Jürgen Klopp que deixou o time após oito anos. “Podemos anunciar que Arne Slot fechou acordo para se tornar o novo técnico do clube, assumindo formalmente o cargo em 1º de junho de 2024, sujeito

Lula pede liberdade de Julian Assange, que ganhou direito a novo recurso na Justiça britânica

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu neste domingo, 19, a libertação do jornalista Julian Assange, fundador do site WikiLeaks, detido desde 2019 em uma prisão de segurança máxima em Londres. "Espero que a perseguição contra Assange termine e ele volte a ter a liberdade que merece o mais rápido possível", escreveu o presidente