Emae é vendida por R$ 1 bi em primeira privatização do atual governo de SP

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos


emae divulgacao 1

A estatal Emae (Empresa Metropolitana de Águas e Energia) foi arrematada, nesta sexta-feira (19), no primeiro leilão de privatização do governador do Estado de São Paulo Tarcísio de Freitas pelo Fundo Phoenix, administrado pela Trustee DTVM,  na B3, em São Paulo. O Fundo Phoenix, que tem entre seus cotistas o empresário Nelson Tanure, arrematou a Emae por R$ 1,04 bilhão. Também participaram da disputa a Matrix Energy, ligada à comercializadora Matrix Energia, empresa detida pela DXT International S.A. (50,01%), parte do Grupo Duferco, e por fundos de investimento sob gestão da Prisma Capital (49,99%), e o grupo francês EDF.

Embora seja uma empresa pequena, a privatização da Emae tem grande significado para Tarcísio de Freitas, que consegue avançar com um processo que vinha sendo considerado um teste para a privatização da Sabesp. O vencedor do certame passará a gerir um ativo com 906 megawatts (MW) em geração hidrelétrica suficiente para abastecer 825 mil residências na Grande São Paulo.

O principal ativo da Emae é a hidrelétrica de Henry Borden (889 MW). O portfólio conta ainda com outras três Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH), oito barragens e duas usinas elevatórias. Inaugurada em 1920 e localizada no pé da Serra do Mar, a empresa também tem papel importante no controle das cheias no Estado, regulando os níveis dos rios Pinheiros e Tietê e ajudando a prevenir alagamentos. Para isso, é feito o bombeamento das águas do rio para o Reservatório Billings.

Outro serviço prestado pela Emae é a travessia por meio de balsa. A empresa transporta diariamente pessoas e veículos nas travessias Bororé, Taquacetuba e João Basso. “Mensalmente, o serviço da Emae realiza uma média de 14 mil viagens e transporta gratuitamente 161 mil passageiros e 158 mil veículos”, informou o Governo do Estado.

No ano passado, a Emae teve receita líquida de R$ 603 milhões e valor de mercado, de R$ 2,3 bilhões. Além do governo paulista, participam da composição acionária da estatal a Companhia Metropolitana de São Paulo, a Eletrobras e uma parcela minoritária com outros acionistas. A fatia à venda corresponde às participações do governo e do Metrô, que somam quase 40% da empresa.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Número de jovens que não estudam nem trabalham cresce para 5,4 milhões

Aumenta o número de jovens, entre 14 e 24 anos, que não trabalham, não estudam nem buscam trabalho. Se nos três primeiros meses do ano passado o contingente de jovens “nem-nem” somava 4 milhões de pessoas, no mesmo período deste ano alcançou 5,4 milhões. O levantamento foi feito pela Subsecretaria de Estatísticas e Estudos do Trabalho

Prévia da inflação acelera para 0,44% em maio, puxada pela gasolina, aponta IBGE

A prévia da inflação oficial ficou em 0,44% em maio. O resultado é mais do que o dobro do mês de abril, de 0,21%, e foi puxado principalmente pelo preço da gasolina, que subiu 1,9% no período de coleta e contribuiu com 0,09 ponto percentual (p.p) do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15

Indústria de proteína animal doa carne para o Rio Grande do Sul

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, se reuniram com representantes do setor de proteína animal para dialogarem sobre ações de apoio ao Rio Grande do Sul. Os empresários anunciaram a doação de cerca de 2 milhões de kg de carne, suína e de frango, além