Fotos íntimas sem consentimento: entenda o crime de cyberflashing

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Nos confins desse mundo online, uma prática desagradável tem se destacado ultimamente: o cyberflashing. Se você ainda não está familiarizado com o termo, trata-se do envio de imagens íntimas explícitas para pessoas sem o consentimento delas. É como se alguém te mandasse uma foto inapropriada do nada, sem que você tenha pedido.

Imagine só: você está navegando tranquilamente no seu celular e, de repente, recebe uma imagem chocante das partes íntimas de alguém que você nem conhece. É constrangedor, desconfortável e, acima de tudo, uma invasão da sua privacidade.

Essa prática não é apenas uma brincadeira de mau gosto. Na verdade, é uma forma de importunação sexual que deixa as vítimas se sentindo violadas e vulneráveis. E o pior é que isso acontece no ambiente virtual, onde a sensação de segurança muitas vezes é ilusória.

Até pouco tempo atrás, casos assim eram tratados como infrações leves, sujeitas a multas. Mas, felizmente, em 2018, a legislação evoluiu e passou a considerar o cyberflashing como crime. Segundo a Lei Nº 13.718, praticar atos libidinosos sem o consentimento da outra pessoa agora pode render sérias consequências.

De acordo com a lei, importunação sexual vai muito além de apenas enviar fotos indesejadas. Envolve qualquer tipo de comportamento sexual não solicitado, como beijos não consentidos ou toques inadequados. É uma questão de invasão de privacidade e desrespeito aos limites alheios.

E as consequências para quem pratica o cyberflashing podem ser sérias. A pena pode variar de um a cinco anos de prisão, dependendo da gravidade do caso. E se houver algum tipo de relação entre a vítima e o agressor, a punição pode ser ainda mais severa.

Recentemente, um caso na Inglaterra chamou a atenção para a gravidade desse tipo de crime. Um homem chamado Nicholas Hawkes foi preso por cyberflashing e condenado a 52 semanas de reclusão, de acordo com a Lei de Segurança Online da Inglaterra.

Portanto, fica o alerta: o cyberflashing não é apenas uma brincadeira de mau gosto. É uma violação da privacidade e um crime sério, que pode ter sérias consequências legais. 

Leia Também: Entenda o que é deep nude e saiba como se proteger

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Cortina instalada para bloquear visão do Monte Fuji e ‘espantar’ turistas, é perfurada em dez locais diferentes

A polêmica cortina que foi instalada para bloquear a vista do Monte Fuji, popular entre os turistas, foi perfurada em dez locais diferentes em Fujikawaguchiko, no Japão, disse um funcionário municipal. Embora a medida tenha servido para evitar aglomerações, cerca de dez buracos foram feitos na malha, apesar da presença de um segurança entre às

‘Stellar Blade’ acaba de ganhar novo modo e visuais extras

O mais recente jogo exclusivo do PlayStation 5, ‘Stellar Blade’, acaba de receber uma nova atualização que, além de adicionar alguns novos modos de jogo, também oferece mais visuais extra para a protagonista Eve. O grande destaque vai para o modo Boss Challenge, que permite aos jogadores enfrentar os 19 ‘chefões’ do jogo seguidos para

WhatsApp tem novidade para quem compartilha atualizações com amigos

O WhatsApp lançou uma nova funcionalidade em seu app de mensagens e que dá aos usuários a capacidade de gravar status com até um minuto de duração. Os usuários já podiam gravar vídeos com até um minuto de duração e compartilhá-los nos Status, com a mesma opção agora disponível para Status apenas com voz. Esta