Google passará a vetar anúncio político em buscas e YouTube após regra eleitoral do TSE

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O Google anunciou que atualizará suas políticas para deixar de permitir a veiculação de anúncios políticos no Brasil via Google Ads, o que inclui YouTube, resultados na busca e demais tipos de publicidades contratadas pela ferramenta da empresa.

Em nota, a empresa diz que essa atualização “acontecerá em maio tendo em vista a entrada em vigor das resoluções eleitorais para 2024”.

Aprovada no final de fevereiro, a resolução do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), entre outras previsões, tornou obrigatória a existência de bibliotecas de anúncios de conteúdo político eleitoral pelas plataformas. Tal resolução prevê ainda que essa medida é “de cumprimento permanente, inclusive em anos não eleitorais e períodos pré e pós-eleições”.

Além disso, também vedou que as empresas que comercializem qualquer tipo de impulsionamento de conteúdo disponibilizem “esse serviço para veiculação de fato notoriamente inverídico ou gravemente descontextualizado que possa atingir a integridade do processo eleitoral”.

Neste caso, a resolução diz ainda que, quando esse tipo de conteúdo tiver sido impulsionado “de forma irregular”, a Justiça Eleitoral poderá determinar que as plataformas veiculem, “por impulsionamento e sem custos”, conteúdo informativo que elucide fato notoriamente inverídico “nos mesmos moldes e alcance da contratação”.

“Para as eleições brasileiras deste ano, vamos atualizar nossa política de conteúdo político do Google Ads para não mais permitir a veiculação de anúncios políticos no país. Essa atualização acontecerá em maio tendo em vista a entrada em vigor das resoluções eleitorais para 2024”, diz nota do Google.

“Temos o compromisso global de apoiar a integridade das eleições e continuaremos a dialogar com autoridades em relação a este assunto”, completa a nota.

Em 2022, o Google incluiu o Brasil entre os países que possuíam relatórios de transparência sobre anúncios políticos em suas plataformas. A empresa seguia seus próprio critérios de classificação, prevendo, por exemplo, apenas a divulgação de candidatos a nível federal inicialmente, e mais tarde incluindo o nível estadual

Com a nova regra da Justiça Eleitoral, a disponibilização fala em “pessoas detentoras de cargos eletivos, pessoas candidatas” e inclui mais categorias, como “propostas de governo, projetos de lei, exercício do direito ao voto e de outros direitos políticos ou matérias relacionadas ao processo eleitoral”.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Gabigol veste camisa do Corinthians e abala relação com Flamengo

O atacante Gabigol, do Flamengo, está no centro de uma polêmica envolvendo o Corinthians. Uma foto viralizou nas redes sociais mostrando o jogador vestindo a camisa do time paulista, o que gerou desconforto entre os torcedores rubro-negros. A situação abalou a relação de Gabigol com a diretoria do Flamengo, que ainda não renovou o contrato

Relator diz que houve abuso de poder político de Cláudio Castro na eleição

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O desembargador Peterson Barroso Simão, do TRE-RJ (Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro), afirmou nesta sexta-feira (17) que o caso das "folhas de pagamentos secretas" se configura como abuso de poder político e econômico do governador Cláudio Castro (PL) nas eleições de 2022. O magistrado entendeu que as

Após foto com a camisa do Corinthians, Gabigol perde a camisa 10 do Flamengo e leva multa

Após uma reunião no Ninho do Urubu nesta sexta-feira, o Flamengo decidiu punir o atacante Gabigol devido a uma foto em que ele aparece vestindo a camisa do Corinthians. O jogador foi multado e perdeu o direito de usar a camisa 10 no uniforme do clube, uma honraria para qualquer atleta rubro-negro. De acordo com