Vacina contra o câncer está em últimas fases de testes

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

 

Uma nova vacina contra o câncer de pele se aproxima do fim de sua fase de testes. O imunizante está sendo desenvolvido pela Moderna, em parceria com a MSD, e já está em estágio avançado de testes para pacientes com melanoma avançado.

 

A vacina se encontra, atualmente, em ensaio clínico de fase 3. Esta fase é o último teste realizado pelas empresas que o desenvolvem. Esses testes avaliam a eficácia do imunizante combinado com o Keytruda, medicamento utilizado no tratamento do melanoma. O processo atual utiliza apenas o medicamento. 

 

A quarta e última fase consiste no acompanhamento dos pacientes que receberam a vacina por um maior período de tempo, acompanhando quaisquer efeitos adversos que possam se apresentar.

 

De acordo com reportagem da CNN Brasil, o imunizante utiliza a mesma tecnologia das vacinas atuais contra a Covid-19, o uso de RNA Mensageiro. No entanto, o seu diferencial é ser uma tecnologia personalizada, ou seja, adaptada às necessidades de cada paciente.

 

Esta vacina funciona instruindo o organismo a produzir até 34 proteínas, cada uma visando neoantígenos, que poderiam ser os causadores do câncer no paciente. A vacina prepararia o sistema imunológico para atacar essas células. Junto ao Keytruda, medicamento utilizado no tratamento do melanoma, é possível bloquear uma ação do sistema imunológico que protegeria as células cancerígenas.

 

Na fase 2, a vacina demonstrou grande eficácia na diminuição da recorrência do câncer de pele e da morte em pacientes com melanoma de estágios III ou IV após três anos. Em comparação a pacientes que só receberam Keytruda, essa diminuição é de 44%.

 

Após os resultados da fase 3, o imunizante será submetido para avaliação das entidades reguladoras, e caso seja aprovado, passará por ensaios de fase 4, que consiste numa avaliação mais minuciosa dos efeitos das vacinas nos pacientes em períodos mais longos.

 

O melanoma é o tipo mais grave de câncer de pele, devido a sua alta possibilidade de provocar metástase, a formação de novos tumores a partir de outros. No Brasil, esse tipo de tumor representa 4% das neoplasias malignas na pele, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA).

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Rodoviários e patrões se reunirão no TRT na próxima segunda para discussão sobre dissídio coletivo

Em mais uma tentativa de impedir uma greve geral no transporte público de Salvador, o Sindicato dos Rodoviários e a Integra, associação que representa as empresas de ônibus, terão uma audiência de conciliação do dissídio coletivo no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-5) na próxima segunda-feira (27) às 11 horas.    A segunda reunião da mediação

MPE se opõe a cassação do mandato de Débora Regis no TSE

O Ministério Público Eleitoral (MPE) deu parecer favorável à vereadora e pré-candidata a prefeita de Lauro de Freitas, Débora Régis (União), em processo que tramita no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na decisão, o vice-procurador-geral Eleitoral, Alexandre Bravo Barbosa, se opôs a cassação do mandato da legisladora.    A candidata era alvo de uma ação, movida

Carro de presidente da Câmara de SAJ é encontrado em Itaparica

O veículo do presidente da Câmara de Santo Antônio de Jesus, Francisco de Assis Lima Damasceno, Chico de Dega (MDB), foi localizado na ilha de Itaparica, nesta sexta-feira (24), segundo informações obtidas com exclusividade pelo Blog do Valente, parceiro do Bahia Notícias.   Segundo informações, os criminosos atravessaram o ferry-boat saindo de Salvador em direção