Veja o que foi apreendido na operação com as “influencers do bagulho”

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

As influenciadoras digitais presas durante a Operação Nárke, na manhã desta quarta-feira (24/4), possuíam farto material para praticar o tráfico de drogas em seus Estados.

Três influencers brasilienses, uma carioca e três paulistas acabaram presas. Com elas, policiais civis aprenderam diversos indícios para a prática dos crimes.

Um casal de traficantes, apontado como líder do esquema, está foragido.

Veja o que foi apreendido em cada Estado: São Paulo

Rio de Janeiro

Brasília

Operação Descoladas e com milhares de seguidores nas redes sociais, três influenciadoras digitais, arregimentadas por uma rede internacional de tráfico de drogas, amplificavam a venda de refis com extrato de maconha, com alto teor de THC, por meio de perfis no Instagram.

As  influencers brasilienses foram presas preventivamente, nas primeiras horas desta quarta-feira (24/4), em uma operação deflagrada pela Coordenação de Repressão às Drogas (Cord) da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). O trabalho ocorre no âmbito da Operação Nárke, do Ministério da Justiça.

As investigações da operação Refil Verde desmantelaram um esquema que operava lavagem de dinheiro, tráfico internacional de drogas e crimes contra a saúde pública.

A organização criminosa, liderada por um casal de empresários de São Paulo, adquiria contas bancárias em nome de terceiros e utilizava empresas fantasmas para lavar o dinheiro do tráfico. A operação cumpre nove mandados de prisão e 12 de busca e apreensão no Distrito Federal, Rio de Janeiro e em São Paulo.

O grupo criminoso mantinha websites e contas em redes sociais para o comércio eletrônico dos produtos, informando que estavam vendendo remédios para diversos tipos de doenças. Os traficantes utilizavam-se de números internacionais para o contato com os clientes por meio do WhatsApp.

Nesse momento, entrava em ação o trabalho dos influenciadores digitais, contratados país afora para divulgar a venda da droga nos respectivos perfis no Instagram.

“Rota da cera” Sofisticado, o esquema internacional de logística, organizado para trazer os refis com óleo de maconha da Califórnia (EUA), chamou a atenção dos investigadores.

Um casal de traficantes adquiria o óleo da erva de fornecedores americanos. Em seguida, a droga era minuciosamente escondida dentro de potes de cera para depilação. Depois, os milhares de vasilhames deixavam o país norte-americano em aviões comercias.

A droga costumava aterrissar em solo paraguaio e cruzava a fronteira com o Brasil por meio de Foz do Iguaçu, no Paraná. Em sua última parada, a maconha líquida chegava a São Paulo.

Dentro de depósitos de propriedade dos criminosos, o óleo da droga era extraído com a ajuda de seringas e colocado dentro do refis, que eram anunciados em ações de marketing digital promovidas pelos influencers e pela própria revendedora.

A grande sacada dos traficantes vinha logo em seguida: a droga, já devidamente envazada, era camuflada dentro de colas em bastão – o que driblava o faro de cães policiais.

Logo depois, os produtos eram enviados via Correios para clientes de todo o país. O volume de droga, segundo os investigadores, era imenso, com usuários espalhados por todas as unidades da Federação.

Tráfico no site Em São Paulo, parte do bando manipulava as drogas e as colocava em refis de cigarros eletrônicos. Os criminosos misturavam solventes e aromatizantes ao óleo, e enganavam os clientes, pelos websites e pelas redes sociais do grupo, alegando que estavam vendendo diferentes alterações genéticas de maconha.

De acordo com as investigações, profissionais de TI do Rio de Janeiro eram responsáveis pela construção das plataformas de comércio eletrônico do grupo, colaborando com a lavagem de dinheiro a partir da automatização dos pagamentos e utilização de documentos e dados falsos no contato com a rede bancária.

Parte dos insumos para a construção dos cigarros eletrônicos vinha da China, e os vapes eram personalizados, com a logomarca da organização criminosa, no Rio de Janeiro. O bando se aproveitava da falta de fiscalização nas redes socais para obter lucros milionários.

O esquema estava em expansão, criando rede de contatos em diversos países e websites, além de redes sociais reservas, para o caso de algum perfil ser derrubado.

Base de operação Os líderes do grupo, também alvo da operação deflagrada nesta quarta, ficavam no interior de São Paulo e não tinham contato direto com as drogas, que eram enviadas a traficantes e usuários por meio de contrato com a empresa privada e postadas pelos Correios.

Os chefões operavam o mercado ilícito remotamente, usando e abusando de várias camadas de proteção para evitar que a polícia chegasse até eles.

Os investigadores também notaram a participação ativa de mulheres, exercendo, inclusive, papéis de liderança nas ações criminosas. O grupo tentava atingir um público maior, alegando funções terapêuticas para os produtos.

A operação conseguiu identificar nove integrantes do bando e bloqueou contas bancárias de pessoas jurídicas e físicas.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Prefeitura de Salvador entrega 44º campo de grama sintética em Novo Horizonte

A Prefeitura de Salvador inaugurou a Arena Novo Horizonte, neste domingo (26), o 44º campo de grama sintética na capital baiana. Localizado na Rua Gonçalves Júnior, o equipamento de lazer passou por uma requalificação para atender à população do bairro de Novo Horizonte e comunidades vizinhas. A entrega contou com a presença do prefeito Bruno

Declarações de Billie Eilish deixam fãs de Taylor Swift revoltados

Billie Eilish esteve a falar com os fãs numa conversa promovida pela plataforma de streaming StationHead. Quando foi questionada sobre se na próxima turnê iria interpretar a totalidade do seu novo álbum, 'Hit Me Hard And Soft', a cantora rejeitou a possibilidade e explicou porquê. "Isso significaria que os meus shows seriam muito longos. Se

Após polêmica com Rafa Kalimann, Globo toma atitude com atores

A coluna Fábia Oliveira, que tem amigos espalhados por todos os cantos, descobriu que a TV Globo decidiu tomar uma atitude com os atores do elenco da novela Família É Tudo, após uma polêmica envolvendo Rafa Kalimann. O nome da influenciadora tem estado em evidência, após a jornalista Anna Luiza Santiago, da coluna Play do