Com apoio francês, PCDF vai combater crimes eleitorais no Telegram

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 2 minutos

A Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC) começou uma intensa preparação para investigar delitos praticados no âmbito virtual, especificamente pelo meio do aplicativo Telegram. Com o apoio da polícia francesa, os investigadores da especializada utilizarão novas ferramentas e desenvolverão técnicas para apurar golpes, disseminação de fake news, além de crime eleitorais.

A forças policiais francesas ganharam experiência na investigação de crimes praticados por meio da plataforma, já que o Telegram tem mais usuários que o WhatsApp no país. O principal objetivo da DRCC é aprimorar as técnicas para identificação de usuários autores de possíveis crimes, entre eles os golpes financeiros envolvendo criptoativos.

Mais sobre o assunto Distrito Federal Crimes cibernéticos crescem 347% no DF. Veja como se proteger Na Mira Ministério da Justiça lança plano de combate a crimes cibernéticos Política Câmara aumenta pena para crimes cibernéticos A troca de informações e experiências entre as duas polícias já começou a surtir os primeiros efeitos. Uma ferramenta usada para a apuração dos casos foi enviada pelos franceses. �??�? uma forma de nos prepararmos com antecedência não apenas para o período eleitoral, como também para elucidação de novos casos envolvendo outros crimes�?�, explicou o delegado-chefe da DRCC, Giancarlos Zuliani.

Deputados distritais Mesmo antes de oficialmente a campanha eleitoral começar, pelo menos dois deputados distritais estiveram na DRCC para denunciar ataques políticos cometidos por meio do aplicativo. Ao contrário do WhatsApp, que tem um escritório de negócios no Brasil, o Telegram não tem sede nem representante legal no país. Apesar de ter sido criada na Rússia, a empresa tem sede em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

O aplicativo ganhou muitos usuários no Brasil durante o apagão operacional sofrido pelo WhatsApp em outubro de 2021, e nos episódios de anos anteriores em que o app de propriedade da Meta, ex-Facebook, foi bloqueado pela Justiça por não prestar informações.

O Telegram atinge 53% dos celulares do país. Esse número é citado pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso. Uma das principais características do Telegram é a disseminação de mensagens em larga escala. Para efeito de comparação, o WhatsApp limita os grupos a um total de 256 pessoas enquanto o concorrente permite uma capacidade máxima de 200 mil usuários.

O post Com apoio francês, PCDF vai combater crimes eleitorais no Telegram apareceu primeiro em Metrópoles.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Moraes arquiva ação de suposto asilo de Bolsonaro na Embaixada da Hungria

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes concluiu que não há evidências que comprovem que Jair Bolsonaro (PL) buscou asilo na Embaixada da Hungria, em Brasília, em fevereiro deste ano. Como revelou o The New York Times, o ex-presidente passou dois dias na missão diplomática em Brasília

Projeto que libera estados legislarem sobre armas avança na Câmara

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados aprovou na tarde desta quarta-feira (24) um projeto de lei complementar que concede poderes aos estados para formular leis e flexibilizar as atuais regras de porte de armas, num revés para o governo Lula (PT). De autoria da presidente da

AGU pede inquérito sobre divulgação de decisões sigilosas no X de Elon Musk

A Advocacia-Geral da União (AGU) apresentou nesta terça-feira, 23, uma notícia de fato ao Supremo Tribunal Federal (STF) sobre publicações do ativista e jornalista norte-americano Michael Shellenberger no X. Shellenberger divulgou arquivos do chamado "Twitter Files" - documentos internos vazados pelo empresário Elon Musk depois que ele comprou a rede social, incluindo trocas de e-mails