Como psicólogos têm tratado o adoecimento político na clínica

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 4 minutos

“Meu irmão sempre soube que eu não era a favor do Bolsonaro, desde a última eleição (2018). Até então, ele me respeitava. Recentemente, antes do primeiro turno, ele começou a mudar, ficou muito agressivo. Fiz um post no grupo da família contra o Bolsonaro, aí ele respondeu com uma enxurrada de post a favor (de Bolsonaro). Um dia, às 2 da madrugada, ele me mandou um monte de mensagem no privado, me agredindo. Desde então, não conversamos mais. Bloqueei ele no Whatsapp. O triste é que isso gerou um racha na nossa família, que é pequena, são só quatro pessoas. O Natal deste ano está em aberto. Falei com o meu pai que enquanto ele não me pedir desculpas, não entra na minha casa.” *Ana Maria (nome fictício), 42 anos, designer. 

Ainda se recuperando de traumas psicológicos do longo período de restrição e isolamento impostos pela pandemia, os brasileiros vivem outro dilema social: a polarização política. Assim como o relato da Ana Maria, o racha ideológico entre amigos, familiares e até mesmo casais tem provocado brigas, rompimento e adoecimento mental para uma parcela da população. Em uma enquete feita nas redes sociais do Estado Minas, 49% dos nossos leitores disseram que vivenciaram alguma briga séria na família por causa da política antes ou depois das eleições, encerrada em 30 de outubro.

Brigas que começaram em redes sociais, na rua ou dentro de casa e foram parar no divã. “Nesse momento de polarização que a gente viveu no período eleitoral ou está vivendo agora, praticamente todos os meus pacientes trazem algum tipo de problema para a clínica. É uma questão que atravessa a todos”, comenta o psicanalista Marcelo Bizzotto.

Christian Dunker: ‘O bolsonarismo introduz um estado permanente de guerra’

Essa espécie de adoecimento político, como classifica o psicanalista Christian Dunker, tem atravessado tanta gente porque atinge os recursos naturais da saúde mental das pessoas. “Quais são esses recursos? São relações, família, comunidade, laços. Pessoas que nos escutam, que fazem parte da nossa história. E por isso, essa situação política fez muito mal, porque fez a gente perder uma parte desses recursos”, explica Dunker, que é professor titular do Departamento de Psicologia Clínica do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP).

Emoção e afeto

Marcelo Bizzotto acredita que recompor esses laços desfeitos pelos rachas políticos impõe desafios até mesmo para os profissionais da saúde mental, uma vez que o problema é coletivo e todos estão imersos no mesmo caldeirão.  “A dimensão política, hoje, está muito ligada a uma questão dos afetos. A política deixou de ser algo simplesmente argumentativo e ideológico passou a ser algo muito da emoção e dos afetos mesmo”, comenta.

Daí a necessidade de um afastamento profissional durante a análise, como explica Dunker. “Essa neutralidade, no fundo, é um afastamento que a gente tem em relação à vida das pessoas, que permite dizer coisas que ajudam essas pessoas. Não é sobre quem está certo, quem ganhou ou quem perdeu”, comenta.

Não existe receita simples para solucionar o problema e restabelecer a harmonia entre os desafetos gerados pela política. “O trabalho que a gente faz na clínica é para que a pessoa trabalhe nela para tentar separar o que é a escolha dela na política e de fazer com que isso não seja algo maior do que deveria ser. No sentido de atrapalhar as relações”, explica Bizzotto.

A tarefa, no entanto, não é nada fácil. Para a psicanalista Cristiane Barreto, nem sempre vai ser possível retomar ou estabelecer diálogo com quem tem ideologia oposta, mesmo que essa pessoa seja um amigo querido ou um familiar.

“A proposta em si da psicanálise não é só terapêutica no sentido de a gente vender por terapêutica essa harmonia social. A oferta da psicanálise é justamente mostrar como cada um vai fazer para se virar com o sintoma que tem, com o mal-estar que está localizado para construir o melhor laço, o melhor arranjo. Não é então a promessa de uma certa pacificação. Às vezes um termo que aponta para um extremo é que dá essa boa medida”, analisa a profissional, que é membro da Escola Brasileira de Psicanálise e da Associação Mundial de Psicanálise.

Os especialistas ressaltam que a psicanálise é o lugar do acolhimento, não um lugar doutrinador e de julgamentos. “Nesse sentido, a psicanálise vem como uma grande aliada. O remédio, digamos assim, é muito mais nessa perspectiva de você conhecer a você mesmo para você dar conta de estar num coletivo”, afirma Cristiane Barreto.

Nessa perspectiva, segundo Marcelo Bizzotto, é importante atentar para a origem do próprio desconforto. “É preciso reconhecer que esse estranho que a gente localiza no outro, na verdade, está em nós mesmos. O trabalho de análise é a gente tratar isso que a gente projeta no outro como sendo mal e entender que, na verdade, está na gente”, afirma.

Estratégia do ódio

Bizzotto destaca que para entender como e porquê a política causou tantos rompimentos de relação aqui no Brasil, é preciso compreender que, embora haja suas peculiaridades, a estratégia política pautada na questão do ódio não tem nada de individual, nem é completamente nova.

“O (Sigmund) Freud, por exemplo, no seu texto sobre a psicologia das massas, fala que a estratégia publicitária do fascismo era justamente essa de você fazer a pessoa ficar um pouco confusa no que é verdade, o que é mentira. E com isso você escolher um inimigo para poder descredenciá-lo, para poder atacá-lo, eliminá-lo. Foi assim que se constituíram as bases do fascismo e que hoje parece ter um retorno um pouco diferente”, explica Bizzotto.

O profissional aponta que para amenizar o mal-estar social provocado pela divergência política é preciso autoconhecimento com uma boa dose de desapego. “Não cabe a você resolver o que é uma limitação que não é sua, é do outro. Mas é importante que você fale sobre isso para distinguir uma coisa da outra e a culpa não ficar maior do que deveria ser”, comenta.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Diálogo com o Congresso continua e ofensa vinda de Lira é ‘episódio superado’, diz Padilha

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, reiterou que o diálogo entre o Planalto e o Congresso Nacional continua e disse que a tensão entre ele e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) é um "episódio superado". Em entrevista à CNN Brasil, Padilha foi questionado sobre o atrito entre ele e Lira

Aliados de Lula minimizam ato de Bolsonaro no Rio; STF, militares e Pacheco silenciam

(FOLHAPRESS) - Aliados e ministros do governo Lula (PT) minimizaram o impacto do ato de Jair Bolsonaro (PL) em Copacabana, no Rio de Janeiro, neste domingo (21). Alvos dessa manifestação, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), optaram pelo silêncio. Integrantes do primeiro escalão do governo

Bolsonaro volta a palco de inelegibilidade para pressionar Moraes

ITALO NOGUEIRARIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) discursa neste domingo (21) a apoiadores na praia de Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro, local de realização da manifestação que levou à declaração de inelegibilidade pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), presidido pelo ministro Alexandre de Moraes. Além da condenação em processo