Conheça a história do médico gay que abandonou o Catar para lutar por direitos

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 8 minutos

Antes e, agora, durante a Copa do Mundo no Catar, um dos assuntos mais comentados e de maior repercussão é a receptividade e o tratamento dispensado à população LGBTQIA+. Nos meses anteriores ao Mundial, muitas eram as perguntas sobre como os torcedores gays seriam recebidos em um país conhecido internacionalmente por suas leis e costumes anti-LGBT. 

Foi neste cenário que, há 35 anos, nasceu o médico Nasser Mohamed, que se tornaria o primeiro catari a se assumir gay publicamente. Desde 2015, após concluir a faculdade de medicina, Dr. Nas aproveitou a oportunidade de fazer residência em San Francisco, nos Estados Unidos, para buscar asilo e, desde então, procura formas de dar voz à população LGBT que existe e vive no Catar.

Para isso, criou uma organização sem fins lucrativos, a Alwan Foundation, e o grupo de torcedores gays do Catar, o “Proud Maroons” (Proud significa orgulhoso em inglês, menção ao orgulho LGBT; The Maroon é como é chamada a seleção catari). “A ideia do ‘Proud Maroons’ é mostrar um grupo de torcedores gays que não pode ter cidadãos do nosso próprio país, porque, se eles se juntarem a nós, eles vão para a cadeia”, diz Nasser. Ser homossexual no país onde está acontecendo o maior evento futebolístico do mundo é crime com pena que pode variar de 3 a 5 anos de prisão até a pena de morte, de acordo com o artigo 296 do Código Penal.

Em entrevista ao CORREIO, o médico, que nasceu em uma zona rural do interior do país, falou sobre a decisão de deixar a pátria e a família para trás para poder viver como verdadeiramente é. “No Catar, onde cresci, a família e a sociedade são peças muito importantes para a nossa identidade. Foi muito difícil saber que eu sou uma laranja podre para eles e que eu não posso jamais estar na mesma cesta que eles. Naquela altura, eu senti como se minha vida tivesse acabado. E acabou. De fato, acabou. Um capítulo da minha vida se encerrou ali”.

Não foi um caminho fácil para Nasser, que se revelou gay publicamente em 2015, em uma entrevista para a TV britânica BBC. A entrevista teve repercussão também na sucursal árabe da empresa, muito assistida no Catar. Desde então, ele não tem contato algum com a família. “Por causa dessa exposição, ninguém mais quer ter qualquer tipo de relação pública comigo. Porque eles têm medo. E isso inclui a minha própria família. Tem algumas pessoas da minha família que eu sei que estão com muita raiva de mim agora e sequer têm coragem de ligar para brigar comigo, porque eles têm muito medo de manter qualquer tipo de contato. Então, não há nenhum tipo de comunicação”, afirma Mohamed.

Através do grupo Proud Maroons, Dr. Nas iniciou uma petição direcionada à Fifa e ao Comitê Organizador Local da Copa do Mundo para, além de reafirmar que “amor não é um crime”, pedir para que seja garantida a segurança de toda a população LGBT através da descriminalização da homossexualidade. A petição, que tem como meta 100 mil assinaturas, conta com 92,3 mil até o fechamento desta reportagem.

Além da petição, a Alwan Foundation também está arrecadando donativos para serem destinados à luta por direitos LGBT no Oriente Médio. “Estamos trabalhando com diretores de filmes e documentários em Londres e na Alemanha. Também estamos trabalhando com o Observatório dos Direitos Humanos (Human Rights Watch, em inglês), conectando vítimas de tortura do governo catari diretamente aos pesquisadores, para que eles possam ouvir diretamente deles”. Até o fechamento desta matéria, menos de 25% da meta de 100 mil dólares havia sido batida.

Após iniciar esses projetos, o médico catari, mesmo vivendo a mais de 12 mil quilômetros de distância da terra natal, recebe mensagens frequentes de homossexuais que continuam morando no Catar e, diariamente, posta os relatos nas redes sociais. “Eles estão com medo, eles não podem ser eles mesmos, se sentem isolados, se sentem como se não tivessem esperança na vida, são completamente oprimidos. Essa é a realidade das pessoas LGBT que vivem no Catar. Isso se você tiver sorte. Se você não tiver sorte, você é processado”. 

Quando perguntado se sente saudade de alguma coisa da terra natal, Nasser Mohamed é enfático: “Claro! A vida não é tudo preto e branco. Quando você cresce, você perde toda a memória afetiva da sua infância? Claro que sinto saudade. É parte do que sou. Mas é algo que eu nunca mais posso ter de novo, e isso foi muito difícil para mim aceitar, mas eu tive que fazer isso. É a minha vida, a minha jornada. Ou eu tenho aquelas coisas ou eu tenho eu mesmo. Não dá para ter as duas coisas”.

Leia a entrevista na íntegra:

Dr. Nas, você nasceu no Catar, certo? Por que saiu?

Sim, eu nasci e cresci no Catar, em uma zona rural ao sul de Doha. Eu vivi lá até completar 24 anos. Minha família inteira continua lá. Eu deixei o Catar porque sou uma pessoa LGBT e é muito difícil e perigoso ser uma pessoa LGBT lá. Então, eu saí após terminar a faculdade de medicina, vim fazer residência nos Estados Unidos e usei essa oportunidade para sair e nunca mais voltar.

Sua família continua no Catar? Vocês nunca mais se encontraram desde que você foi morar nos EUA?

A última vez que visitei o Catar foi em 2014, mas eu iniciei uma batalha judicial para conseguir asilo nos EUA em 2015 e foi quando eu me assumi para a minha família. Essa conversa não correu bem e, para ser bem sincero, eles não tinham condições nem ferramentas para sequer entender o que é ser uma pessoa LGBT. O Catar, como sociedade, não apenas não tolera as pessoas LGBT, eles impedem sistematicamente as pessoas de sequer falar a respeito deste assunto. Você não pode ver na TV, não existe nenhum material educativo sobre isso, não está na mídia, na escola… não existe em canto nenhum. Meus pais, por exemplo, não faziam ideia do que fazer com um filho LGBT. Eles não sabem e não têm para quem perguntar. Acredito que o sistema falhou conosco, porque quando isso acontece com a gente – e é algo que acontece o tempo inteiro, em todos os lugares do mundo – não existem recursos que auxiliem a mim ou a minha família. 

Quando você decidiu abandonar o Catar? E como a sua família reagiu a isso? Como foi deixá-los para trás e ter que ir para um país estranho por causa de quem você é? 

Existem todas essas peças que constroem a essência do que você é como um ser humano. No Catar, onde cresci, a família e a sociedade são peças muito importantes para a nossa identidade. Foi muito difícil saber que eu sou uma laranja podre para eles e que eu não posso jamais estar na mesma cesta que eles. Naquela altura, eu senti como se minha vida tivesse acabado. E acabou. De fato, acabou. Um capítulo da minha vida se encerrou ali. Mas, também, naquele momento específico, de muita incerteza sobre o que iria acontecer, foi um tiro no escuro. Mas foi a chance que eu tanto queria porque eu não conseguia ver um outro caminho, onde eu pudesse continuar em casa. Foi solitário, eu não conhecia, naquela época, ninguém do Catar que tivesse feito a mesma coisa. Na verdade, eu nunca ouvi falar em um catari LGBT que tenha emigrado. Até o ano em que eu me assumi publicamente.

Você ainda conversa com alguém da sua família?

Não. Eu me assumi publicamente na BBC [rede de TV britânica], em inglês e em árabe. A BBC árabe é muito vista no Catar e, por causa dessa exposição, ninguém mais quer ter qualquer tipo de relação pública comigo. Porque eles têm medo. E isso inclui a minha própria família. Tem algumas pessoas da minha família que eu sei que estão com muita raiva de mim agora e eles sequer têm coragem de ligar para gritar comigo, porque eles têm muito medo de manter qualquer tipo de contato. Então, não, não há nenhum tipo de comunicação.

Como foi a ideia de criar os ‘Proud Maroons’?

Quando as pessoas falam sobre direitos LGBT durante a Copa do Catar, elas falam sobre ideias. Não falam sobre pessoas. Eu queria parar de falar sobre ideias. “Você acha que os direitos LGBT existem no Catar? Pertencem ao Oriente Médio?” Não! Esqueçam as ideias por um momento e comecemos a falar sobre as pessoas. Para mim, como uma pessoa que precisava viver, que precisava estar segura, eu tive que sair do Catar. Esta foi a minha verdade, foi a minha jornada. Porque minha casa não era segura e isto é um fato. E para eu seguir esse caminho e sair, era necessário receber o asilo dos EUA, as pessoas precisavam acreditar que eu corria risco, realmente, de ser processado. Antes daquele ano (2015), não havia notícias sobre cataris LGBT e o que acontece com eles. E, quando eu iniciei o processo de pedir asilo, eu tive que lutar para as pessoas acreditarem que acontece. 

Agora, voltando para 2022, você senta lá e começa a assistir o que está rolando e só tem marketing dizendo que estão “trazendo a Copa do Mundo para casa”, “o mundo está vendo que o Catar está recebendo bem o mundo inteiro” e, indiretamente, estão dizendo que todo mundo é bem-vindo lá, o que não é verdade. Essa mensagem isolada é perigosa porque afeta o caminho que eu trilhei, que eu tive que sair. Então, eu decidi me assumir publicamente para ser porta-voz de histórias reais. Não apenas a minha história, mas também histórias de pessoas do Catar. Desde que isso aconteceu, muitas pessoas me procuraram, muitas continuam no Catar, algumas outras conseguiram asilo em outros países. O que estamos tentando fazer é trazer essas histórias à tona. Estamos trabalhando com diretores de filmes e documentários em Londres e na Alemanha, com o Observatório dos Direitos Humanos, conectando vítimas de tortura do governo catari diretamente aos pesquisadores, para que eles possam ouvir diretamente deles. Enquanto isso, eu quero continuar conscientizando as pessoas durante a Copa do Mundo e foi por causa disso que a ideia de criar o grupo ‘Proud Maroons’ nasceu.

A ideia era comprimir tudo o que eu queria falar em poucos segundos, pois não temos muito tempo da atenção das pessoas. A ideia era mostrar para o mundo que os torcedores LGBT são os mais indesejados no Catar e, dentre eles, quem lidera a lista somos nós, os torcedores LGBT do próprio Catar, que não podemos ser vistos. 

csm ESP Nasser Mohamed primeiro gay do Catar a falar sobre o assunto ACERVO PESSOAL 1 705aa3d1bc

Amor não é criminoso, diz a mensagem exibida na mão do médico
Foto: Acervo pessoal

Sobre as pessoas homossexuais que continuam vivendo no Catar. Como é o seu contato com elas? 

Durante a Copa do Mundo, estou postando um vídeo meu por dia lendo as histórias que recebo dessas pessoas LGBT que vivem no Catar. Elas me mandam todos os dias. Então, vocês podem saber diretamente delas. Tem gays, lésbicas, mulheres e homens transgênero. Você consegue ouvir diferentes histórias diretamente deles. Eles estão com medo, eles não podem ser eles mesmos, se sentem isolados, se sentem como se não tivessem esperança na vida, são completamente oprimidos. Essa é a realidade das pessoas LGBT que vivem no Catar. Isso se você tiver sorte. Se você não tiver sorte, você é processado.

Existe algo da sua terra natal que você sinta saudade? 

Claro! A vida não é tudo preto e branco. Quando você cresce, você perde toda a memória afetiva da sua infância? Claro que sinto saudade. É parte do que sou. Mas é algo que eu nunca mais posso ter de novo. E isso foi muito difícil para mim aceitar, mas eu tive que fazer isso. É a minha vida, a minha jornada. Ou eu tenho aquelas coisas ou eu tenho eu mesmo. Não dá para ter as duas coisas.

Como espera que seja o resultado de todo esse movimento que você tem liderado?

Eu sei que é difícil no Catar. Nasci e cresci lá. Nasci em um mundo em que não consigo imaginar uma realidade lá em que eu seja quem eu sou hoje. Talvez eu tenha tido sorte, de poder sair, me formar. Mas sabe o que eu realmente penso? A coisa mais forte que me faz estar aqui é a esperança. Mesmo quando eu não podia ver nada que me tirasse daquele lugar, eu apenas tinha esperança de que minha vida pudesse ficar melhor um dia. Aí, você acorda todos os dias e, porque você tem esperança, você sai buscando formas todos os dias. Agora, é o que todo mundo pode fazer pelas pessoas no Catar. É o mínimo que o mundo pode fazer: dar a eles esperança. Que, talvez, eles tenham uma vida melhor no futuro. Qualquer forma que você possa inspirar alguém, dizer que a vida dessas pessoas importa, que talvez o que a pessoa é hoje não a favoreça, mas tudo isso pode mudar e precisamos continuar esperançosos de que vá mudar, pois no momento que pararmos de acreditar nisso, paramos de buscar formas para que, de fato, mude. E aí é quando você, verdadeiramente, perde. 

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Polícia francesa investiga PSG por suspeitas de irregularidades relacionadas a Neymar

A polícia francesa realizou buscas na sede do Paris Saint-Germain (PSG) em meados de fevereiro, em meio a suspeitas de irregularidades fiscais relacionadas à contratação do atacante brasileiro Neymar, em 2017. As informações foram reveladas por interlocutores do clube nesta quinta-feira, 22, ao jornal Le Monde e confirmada por autoridades. Em resposta, um porta-voz do PSG

Passageiro de ônibus é preso por não pagar pensão alimentícia na Bahia

Procurado por não pagar pensão alimentícia, um homem foi preso nesta quinta-feira (22) em um trecho da BR-116 de Jequié, no Médio Rio de Contas, Sudoeste baiano. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), uma equipe fiscalizava um trecho da rodovia quando deu ordem de parada a um ônibus.   Na vistoria ao veículo, os agentes

Torcedores do Sport atacam ônibus do Fortaleza e deixam jogadores feridos

Na madrugada desta quinta-feira, 22, o ônibus que transportava a delegação do Fortaleza foi alvo de pedras e bombas ao deixar a Arena Pernambuco, na região metropolitana do Recife. Seis jogadores ficaram feridos no ataque e precisaram ser levados ao hospital, conforme informado pelo clube cearense. A direção do Fortaleza comunicou através das redes sociais