Tarcísio, agora ‘traidor’, terá elo com bolsonarismo testado no governo e em 2026

Publicado em

Tempo estimado de leitura: 5 minutos

(FOLHAPRESS) – O azedar das relações entre Tarcísio de Freitas (Republicanos) e a direita alinhada ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que deixa incerto o apoio do segmento à gestão do governador de São Paulo e aos planos eleitorais dele para 2026, vem sendo ilustrado nos bastidores com uma metáfora.

No resumo de um expoente desse campo, é como ter em casa um vaso de cristal que trincou: não significa que ele será jogado no lixo, mas se sabe que nunca mais voltará a ser como era.
Tarcísio, que se estranhou com o padrinho político ao divergir dele e defender a aprovação da Reforma Tributária, é o mais novo político a ganhar do bolsonarismo a pecha de traidor. A maldição já se abateu sobre o ex-governador João Doria e a ex-deputada federal Joice Hasselmann, por exemplo.

No caso do atual governador, o rótulo embute um potencial danoso inferior ao que afetou os dois ex-aliados convertidos em opositores de Bolsonaro, mas traz obstáculos adicionais ao trabalho dele como gestor e à candidatura na próxima eleição, segundo avaliações do universo político.

Com o embate, Tarcísio se distanciou da quase unanimidade na direita em torno de seu nome para a sucessão de Lula (PT), dada a inelegibilidade de Bolsonaro. O titular do Palácio dos Bandeirantes admite apenas disputar a reeleição, numa tática para dissipar a pressão antecipada por voos mais altos.

Sendo ele candidato à recondução ou ao Planalto, a ordem natural era gozar do endosso da ala mais ideológica do bolsonarismo, somada às parcelas da direita e do centro político que vêm recebendo acenos dele desde sua chegada à cadeira, no início do ano. Hoje, isso já não é tão certo.

Na prática, o novo cenário pode significar entraves na aprovação de projetos na Assembleia Legislativa, onde deputados bolsonaristas remoem mágoas agora escancaradas com o governador, e exigirá adaptações de discurso para evitar que a base política e social seja implodida.

A leitura de políticos e observadores ouvidos pela Folha é a de que Tarcísio adquiriu envergadura a ponto de poder prescindir do bolsonarismo militante nas eleições. Ao buscar equilíbrio e se afastar de posições extremistas, atraiu a simpatia de eleitores que navegam da centro-direita à centro-esquerda.

Por isso, amargar uma derrocada como a dos outrora “traidores” Doria e Joice estaria descartado. Em pesquisa Datafolha de abril, a gestão Tarcísio foi avaliada como ótima ou boa por 44% da população, como regular por 39% e como ruim ou péssima por 11%.

“Ele saiu muito grande do debate da Reforma Tributária”, diz Luiz Felipe D’Avila, que concorreu à Presidência pelo Novo em 2022. “Trabalhou para aperfeiçoar o texto em vez de unicamente atacá-lo, conciliou visões antagônicas e tratou o tema como uma questão de Estado, não política.”

Na lógica de atores que cogitam Tarcísio como opção para aglutinar o antipetismo na próxima corrida presidencial, o governador acertou ao contrariar Bolsonaro e seu séquito na Câmara dos Deputados –hoje empenhados em não sucumbir ao isolamento e à inexpressividade política.

A ala barulhenta da direita, contudo, buscou dar demonstrações de força no embate entre criador e criatura. O racha ficou evidente não só na já célebre reunião do PL em Brasília na qual Bolsonaro chegou a atravessar seu ex-ministro, que tentava discursar entre interrupções e palavras de ordem.

No próprio secretariado de Tarcísio há esforços para baixar a temperatura do confronto e creditar a celeuma a uma minoria radical.

Nas redes, nomes como o deputado federal Ricardo Salles (PL-SP) e o estadual Gil Diniz (PL-SP) expuseram críticas a Tarcísio antes restritas a conversas fechadas, inflamando também a militância. As queixas, basicamente, são a de que ele rejeita o grupo e vacila na fidelidade a Bolsonaro.

Aí entra a analogia com o vaso de cristal. As insatisfações existem, mas não necessariamente Tarcísio será abandonado. Se for a única opção da direita para o Bandeirantes ou o Planalto, e Bolsonaro der sua bênção, ele poderá ser novamente abraçado –mas também precisará dar contrapartidas.

“Tenho convicção de que eles sairão ainda mais unidos e fortalecidos dessa história, para frustração da esquerda”, diz a deputada federal Rosana Valle (PL-SP) ao minimizar a rusga, que para ela “está sendo potencializada pelos opositores” com a intenção de afastar e enfraquecer a dupla.

Os dois conversaram após a crise pública e, segundo interlocutores, combinaram de passar uma borracha no acontecido, por impossível que isso seja. Não interessa a nenhum dos dois neste momento um rompimento, embora a relação deles saia inegavelmente estremecida.

Com o imbróglio, o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), ampliou a movimentação com vistas a se cacifar como presidenciável e eventual herdeiro do espólio bolsonarista.

A avaliação entre os entusiastas de Tarcísio é que ele reúne várias características desejáveis para capitanear a direita nacional em 2026, tendo ou não o suporte de Bolsonaro. Ao mesmo tempo, bastaria um pedido de trégua do ex-presidente a seus admiradores para as críticas cessarem.

Líder da bancada PT/PC do B/PV na Assembleia, Paulo Fiorilo (PT-SP) diz que a dificuldade do governador na Casa pode se ampliar. “Já havia uma insatisfação de uma parte dos bolsonaristas, que pode ter um motivo a mais para fazer boicote ou obstrução a pautas de interesse do governo.”

Fiorilo lembra que propostas cruciais para Tarcísio, como a privatização da Sabesp e a reforma administrativa, enfrentarão obstáculos e podem ter uma tramitação demorada. Se a ala bolsonarista do PL impuser dificuldades, o governo terá que garimpar apoios em outros partidos.

Concretamente, no entanto, soa improvável que parlamentares eleitos com bandeiras liberais na economia contrariem seus eleitores e votem contra medidas da área.

Fiorilo concorda com a ideia de que o governador saiu da discussão da Reforma Tributária com um ganho de imagem. “O grande derrotado nessa votação foi o Bolsonaro, que só falou e foi incapaz de ser o grande articulador [da oposição], abrindo margem para o Tarcísio fazer esse papel.”

Há impressão semelhante mesmo na direita, com representantes desse espectro afirmando que a postura do governador no caso reforçou sua jornada rumo ao centro, o que o deixa confortável eleitoralmente, em âmbito estadual ou nacional, caso eventualmente seja abandonado pelo bolsonarismo.

Um ex-colega de Esplanada dos Ministérios, falando sob condição de anonimato, diz que a revolta está restrita à chamada ala radical e que desde o início do mandato Tarcísio está sob a mira de bolsonaristas descontentes com o espaço para o grupo, mas vem contornando o fogo amigo.

Ainda segundo esse ex-ministro, a discussão das regras tributárias fez o governador ganhar pontos com a classe média, ao passo que Bolsonaro se descolou dela. Isso seria resultado do jeito diferente de governar, o que não o impediria de demonstrar gratidão ao ex-chefe, como vem fazendo.

“Sempre tive uma lealdade muito grande [a Bolsonaro]. Os pontos sobre reforma eu tinha colocado antes para ele e tá tudo bem. Conversamos e sempre serei leal ao presidente, sempre serei grato ao presidente. Se eu estou aqui, eu devo a ele”, disse Tarcísio neste domingo (9).

“Críticas na vida pública são comuns”, diz o deputado estadual Guto Zacarias (União Brasil-SP), que é vice-líder do governo e vê saldo positivo para Tarcísio com a Reforma Tributária. “Prefiro admirar quem levantou, colocou a mão na massa, queimou popularidade e ajudou a melhorar o sistema.”

Leia Também: Cid Gomes acerta acordo para assumir comando do PDT no ceará

 

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Rodriguinho pede desculpas por atitudes no ‘BBB 24’: ‘Me arrependo’

Cantor falou em arrependimento e disse que agiu por medo e falta de preparo emocional Reprodução / Twitter @bbb Cantor Rodriguinho fazia parte do grupo 'Camarote' do reality show O cantor Rodriguinho, eliminado do “BBB 24” na semana passada, utilizou suas redes sociais no domingo, 3, para pedir desculpas ao público por suas atitudes durante

Esposa de Lucas Henrique, do ‘BBB 24’, apaga fotos após flerte com participante

Camila Moura deletou fotos do casal, trocou de torcida e deu indícios de que o relacionamento chegou ao fim Reprodução / Instagram @lucas.capoeira Lucas Henrique, o Buda, está confinado no Big Brother Brasil 2024; após flerte com Pitel, esposa do capoeirista terminou o relacionamento A vida amorosa de Lucas Henrique, o Buda do Big Brother

Luana Piovani elogia Davi após expulsão de Wanessa Camargo do ‘BBB 24’

Cantora foi expulsa do reality show no sábado (2) por agressão ao participante Reprodução/Instagram/@luapio Luana Piovani elogia posicionamento de Davi Brito no Big Brother Brasil 2024 A atriz Luana Piovani elogiou Davi Brito após a expulsão de Wanessa Camargo da casa do Big Brother Brasil 2024, destacando o bom senso do participante. Em uma publicação