Bolsonaro: ‘Quando se fala em estado de sítio, era proposta para ser submetida ao Parlamento’

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

O ex-presidente Jair Bolsonaro afirmou que a “minuta do golpe”, como ficou conhecido o documento que previa a intervenção no Poder Judiciário para impedir a posse do presidente Lula e convocar novas eleições, não tratava de decretar estado de sítio no Brasil com uma canetada. Segundo ele, o documento se tratava de uma proposta que ainda teria de ser levada ao Congresso.

 

“Quando se fala em estado de sítio, era uma proposta para ser submetida ao Parlamento”, alegou. “Eu não poderia sonhar em mandar uma minuta de estado de sítio para o Congresso sem uma exposição de motivos”, afirmou durante ato para apoiadores na avenida Atlântica, junto à praia de Copacabana, na zona Sul do Rio.

 

Conforme o ex-presidente, ninguém tentou capturar o governo com o poder com armas, em Brasília, em 8 de janeiro, quando da eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Reclamou que muitas pessoas estariam sendo condenadas porque alguns depredaram o patrimônio público. “Queremos que o Brasil volte a sua normalidade, que possamos fazer eleições sem suspeição”, declarou, ressalvando que não estava pondo em dúvida as eleições.

 

Relação com Musk

 

Ele afirmou, nesta manhã, que Elon Musk, controlador do X (antigo Twitter), mostrou “com provas” aonde a “democracia brasileira estava indo”. O empresário se envolveu numa celeuma ao criticar a suspensão, pela Justiça brasileira, de contas na rede social X que propagavam fake news. “Quando estive com Elon Musk, em 2022, começaram a me chamar de ‘mito’. E eu disse aqui sim temos um ‘mito da liberdade'”.

 

Falando em cima de um carro de som, de camiseta amarela, Bolsonaro declarou: “Mais que interferir, querem nos calar”. Alvo de investigações, o ex-presidente afirmou que “o sistema” não quer apenas torná-lo inelegível, mas também prendê-lo na cadeia. Disse ainda: “o sistema quer concluir o ‘trabalho’ de Juiz de Fora, quer nos colocar fora de combate em definitivo”, em referência à facada que sofreu durante a campanha eleitoral de 2018.

 

“Poderia estar ‘bem de vida’ nos EUA”

 

De acordo com o ex-presidente, seus antagonistas desejam implementar uma ditadura no Brasil. “O que eles querem de fato é a ditadura, com controle da mídia.” De acordo com Bolsonaro, “elegeram um cara que é amante da ditadura” sem dar nomes nem mencionar autoridades eleitas na última votação. Com relação à própria ascensão à presidência da República, afirmou: “Eu cheguei sem dever nada para ninguém, cheguei porque a maioria do povo assim o quis”.

 

O ex-presidente também elogiou Paulo Guedes, ministro da Economia em sua gestão, e alfinetou Fernando Haddad, atual ministro da Fazenda, que, segundo ele, foi o “pior prefeito da história de São Paulo”.

 

O ex-presidente disse também que poderia estar “bem de vida” morando nos EUA, mas que não quer abandonar o Brasil.

 

Também falaram do alto do carro de som a esposa de Bolsonaro, Michelle, que pediu votos. Também discursaram o deputado Gustavo Gayer (PL-GO), a ativista e pré-candidata à vereança em São Paulo, Zoe Martinez, Marco Feliciano (PL-SP), o deputado Nikolas Ferreira (PL-MG) e o pastor Silas Malafaia.

Leia Também: Brasil precisa de mais testosterona, diz Nikolas Ferreira em ato pró-Bolsonaro no rio

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Marcelo Ramos deixa Petrobras após saída de Prates e foca em disputa à prefeitura de Manaus

Diante da saída de Jean Paul Prates da presidência da Petrobras, o ex-deputado federal e ex-vice presidente da Câmara dos Deputados Marcelo Ramos (PT) pediu demissão do cargo de consultor do gabinete de Relações Institucionais da estatal. Na quarta-feira, 15, Ramos declarou em publicação no X (antigo Twitter) que resolveu adiantar sua saída da empresa

TRE-RJ começa julgamento que pode cassar governador Cláudio Castro

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) começou, na tarde desta sexta-feira, 17, a análise do pedido de cassação do mandato do governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL), do vice-governador, Thiago Pampolha (MDB), e do presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), deputado Rodrigo Bacellar (União Brasil).

Alexandre de Moraes solta Marcelo Câmara, ex-assessor de Jair Bolsonaro

O coronel do Exército Marcelo Costa Câmara, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro, teve a liberdade provisória decretada nesta quinta-feira, 16, pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes. Câmara estava preso desde 8 de fevereiro, quando foi alvo da Operação Tempus Veritatis, que investiga tentativa de golpe de Estado e abolição do