Dengue: ministra da Saúde culpa negacionismo por baixa vacinação

Publicado em

spot_img
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, colocou, nesta terça-feira (16/4), o “negacionismo” como um elemento essencial para a baixa adesão à vacinação contra a dengue. A afirmação foi realizada em audiência na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado, quando a ministra foi questionada por parlamentares sobre as ações de combate à doença.

“Já estamos fazendo a redistribuição, mas, se não houvesse um negacionismo às vacinas, certamente as famílias estariam levando as suas crianças e seus jovens para serem vacinados. Esse é o ponto fundamental que eu queria colocar”, disse Nísia Trindade.

As cobranças dos senadores são pelo fato de haver um grande estoque de vacinas contra a dengue que estão prestes a vencer. O jornal O Globo divulgou que elas somam 145 mil que vão expirar até o fim deste mês. O Ministério da Saúde (MS) distribuiu um lote com 668 mil unidades da proteção aos municípios.

O Ministério da Saúde determinou que as vacinas têm como público-alvo crianças e adolescentes com idades de 10 a 14 anos. No entanto, a adesão tem sido baixa.

Nísia Trindade acrescentou ainda que o ministério fará uma redistribuição das doses para novos 154 municípios. No entanto, não foram informados ainda quais serão eles.

“Fizemos um elenco de municípios a partir de critérios técnicos definidos pelo comitê assessor do programa de imunização, numa pactuação com os estados e municípios. Não é uma decisão isolada da ministra da Saúde. É uma decisão junto com os estados e municípios através dos seus conselhos nacionais”, pontuou a ministra.

Curva Apesar de ressaltar o negacionismo, a ministra disse que o Brasil reverteu a tendência de queda nas imunizações no país, de uma maneira geral, que estavam em queda desde 2016.

“Vivemos ainda hoje os problemas consequentes, decorrentes, de uma visão de negação das vacinas como forma de proteção à nossa sociedade, com a queda de coberturas vacinais”, afirmou em resposta à senadora Leila Barros (PDT-DF).

A ministra Nísia Trindade é alvo de pressões. O trabalho dela é questionado e o cargo cobiçado por partidos que apoiam o governo.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

O rapper Hungria cancelou o show na Virada Cultural por motivos de saúde

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Nas redes sociais, o artista disse em nota publicada neste domingo que está fazendo um tratamento para pneumonia e, por isso, não poderia se apresentar. Hungria era a última atração do Palco Brasilândia, na zona norte de São Paulo. Quem assumiu o posto às 19h, horário previsto para o show

MP: pacientes ficam, em média, 6 dias a mais internados nas Upas do DF

Sem leitos de internação, pacientes ficam, em média, sete dias internados nas unidades de pronto-atendimento (UPAs) da capital do Brasil, segundo levantamento do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). Em casos mais extremos, alguns doentes chegam a permanecer 30 dias nas enfermarias. Segundo preconiza o Ministério da Saúde, as UPAs deveriam acolher e

As revelações de gravidez mais surpreendentes dos famosos!

Gerar uma vida não é tarefa fácil! Mesmo tendo centenas de pessoas dando à luz neste segundo, esta continua sendo uma maravilha da natureza que merece ser celebrada. Mas, quando se trata de famosas, as celebrações de gravidez são ainda maiores do que para o restante das mortais. Para os ricos e famosos, ter um