Bolsonaro: ‘Por que a Pfizer pediu sigilo de 50 anos?’

Publicado em

Tempo estimado de leitura: < 1 minuto

Integrantes da CPI da COVID foram alvos de ataques do presidente Jair Bolsonaro (PL), em entrevista ao Flow Podcast, nesta segunda-feira (8/8).

Ele afirmou que não comprou vacinas antes pelo fato de o “medicamento não ter comprovação científica (em 2020)” e que a “Pfizer não se responsabilizava pelos efeitos colaterais”.

E prosseguiu afirmando que a farmacêutica americana “pediu sigilo de 70, 50 anos. Por que sigilo de 50 anos? Por que você não pode ver o que que está acontecendo ali?”.

Indignado

Em seguida, Bolsonaro afirmou que “por um voto” o presidente da CPI da Pandemia, o senador Omar Aziz (PSD-AM), “deixou de ser indiciado por pedofilia”. E que toda sua família teria sido “presa por desviar R$ 270 milhões”, no Amazonas.

Sobre o também senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), um dos participantes contra a política adotada pelo governo na pandemia, foi dito que ele “saltita pra lá, saltita pra cá”. E que, em 2020, o parlamentar fez uma live dizendo que iria condecorar os médicos que receitassem tratamento precoce, mas que, segundo o presidente, mudou de posição: “para ficar contra mim, com toda certeza”.

As reclamações também avançaram para o relatório feito por Renan Calheiros (MDB-AL), que acusava formalmente o presidente de nove crimes, entre eles, o de charlatanismo. “Por falar de tratamento para malária e para cegueira dos rios, passei a ser charlatão”, disse Bolsonaro.

Entre as medicações usadas para tratar cegueira dos rios está a ivermectina; e a hidroxicloroquina é usada para o combate a malária. Nenhum dos dois têm eficácia comprovada contra o coronavírus.

Que você achou desse assunto?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Publicidade -

ASSUNTOS RELACIONADOS

Bolsonaro pode ser preso se incitar crime durante ato no domingo na avenida Paulista

(FOLHAPRESS) - Jair Bolsonaro (PL) pode ser preso se fizer apologia ou incitação ao crime durante manifestação convocada por ele na avenida Paulista, em São Paulo, neste domingo (25), afirmam especialistas. Os profissionais, entretanto, divergem sobre se a mera convocação do ato já poderia ensejar uma prisão preventiva, uma vez que o ex-presidente é investigado

Lula escolhe novo juiz, e TRE-PR deve marcar data do julgamento de Moro

(FOLHAPRESS) - O presidente Lula (PT) escolheu o advogado José Rodrigo Sade para a cadeira de juiz do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Paraná, corte que julgará o senador Sergio Moro (União Brasil) em um processo com pedido de cassação movido pelo PT e pelo PL. A nomeação de Sade, que figurava em uma lista

STF vê ‘omissão’ e torna réus oficiais da antiga cúpula da PM do DF

O Supremo Tribunal Federal colocou no banco dos réus sete oficiais da antiga cúpula da Polícia Militar do Distrito Federal acusados pela Procuradoria-Geral da República de omissão ante os atos golpistas de 8 de janeiro. Para a PGR, a conduta dos agentes favoreceu a invasão e a depredação dos prédios dos três Poderes em Brasília.